ONU adverte sobre o aumento dos níveis de salmoura tóxica na medida em que cresce o número de usinas de dessalinização

 

As 16.000 usinas de dessalinização do mundo descarregam 142 milhões de metros cúbicos de salmoura por dia – 50% a mais que o estimado anteriormente; Chega em um ano para cobrir a Flórida sob 30,5 cm de salmoura

UNU Institute for Water, Environment and Health*

O número crescente de usinas de dessalinização em todo o mundo – agora quase 16.000, com capacidade concentrada no Oriente Médio e Norte da África – sacia uma sede crescente por água doce, mas também cria um dilema salgado: como lidar com toda a salmoura remanescente de produtos químicos .

Em um documento apoiado pela ONU (The state of desalination and brine production: A global outlook), especialistas estimam a capacidade de produção de água doce das usinas de dessalinização em 95 milhões de metros cúbicos por dia – igual a quase metade do fluxo médio sobre as Cataratas do Niágara.

Para cada litro de produção de água doce, no entanto, as plantas de dessalinização produzem em média 1,5 litros de salmoura (embora os valores variem drasticamente, dependendo da tecnologia de salinidade e dessalinização da água de alimentação utilizada e das condições locais). Globalmente, as usinas agora descarregam 142 milhões de metros cúbicos de salmoura hipersalina todos os dias (um aumento de 50% em avaliações anteriores).

Isso é suficiente em um ano (51,8 bilhões de metros cúbicos) para cobrir a Flórida com menos de 30,5 cm (1 pé) de salmoura.

Os autores, do Instituto Canadense de Água, Meio Ambiente e Saúde da Universidade de Wageningen, na Holanda, e do Instituto de Ciência e Tecnologia de Gwangju, República da Coréia, analisaram um conjunto de dados recém-atualizado – o mais completo já compilado – para rever as estatísticas do mundo sobre plantas de dessalinização.

E eles pedem por melhores estratégias de gestão de salmoura para enfrentar um desafio de rápido crescimento, observando previsões de um aumento dramático no número de usinas de dessalinização e, portanto, o volume de salmoura produzido em todo o mundo.

O documento constatou que 55% da salmoura global é produzida em apenas quatro países: Arábia Saudita (22%), Emirados Árabes Unidos (20,2%), Kuwait (6,6%) e Catar (5,8%). As plantas do Oriente Médio, que operam em grande parte usando a água do mar e as tecnologias de dessalinização térmica, normalmente produzem quatro vezes mais salmoura por metro cúbico de água limpa do que as plantas dominantes nos processos de membranas de água do rio, como nos EUA.

O documento diz que os métodos de descarte de salmoura são em grande parte ditados pela geografia, mas tradicionalmente incluem a descarga direta nos oceanos, águas superficiais ou esgotos, injeção em poços profundos e tanques de evaporação de salmoura.

As instalações de dessalinização perto do oceano (quase 80% da salmoura é produzida dentro de 10 km de um litoral) na maioria das vezes descarregam a salmoura não tratada diretamente de volta ao ambiente marinho.

Os autores citam grandes riscos para a vida oceânica e ecossistemas marinhos colocados pela salmoura elevando consideravelmente a salinidade da água do mar receptora e poluindo os oceanos com produtos químicos tóxicos usados como anti-incrustantes e anti-incrustantes no processo de dessalinização (cobre e cloro são de principal preocupação).

Enquanto isso, o documento destaca as oportunidades econômicas para usar salmoura na aquicultura, irrigar espécies tolerantes ao sal, gerar eletricidade e recuperar o sal e os metais contidos na salmoura – incluindo magnésio, gesso, cloreto de sódio, cálcio, potássio, cloro, bromo e lítio.

Com uma tecnologia melhor, um grande número de metais e sais no efluente da usina de dessalinização poderia ser extraído. Estes incluem sódio, magnésio, cálcio, potássio, bromo, boro, estrôncio, lítio, rubídio e urânio, todos usados pela indústria, em produtos e na agricultura. As tecnologias necessárias são imaturas, no entanto; a recuperação desses recursos é economicamente pouco competitiva hoje.

 

O crescimento da dessalinização
O crescimento da dessalinização – A partir de algumas instalações, em sua maioria, do Oriente Médio, na década de 1970, hoje, 15.906 usinas de dessalinização operacionais são encontradas em 177 países. Dois terços dessas fábricas estão em países de alta renda.

 

Referência:

The state of desalination and brine production: A global outlook
Edward Jones,Manzoor Qadir,Michelle T.H. van Vliet,Vladimir Smakhtin,Seong-mu Kang
Science of The Total Environment
Volume 657, 20 March 2019, Pages 1343-1356
https://doi.org/10.1016/j.scitotenv.2018.12.076

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 15/01/2019

ONU adverte sobre o aumento dos níveis de salmoura tóxica na medida em que cresce o número de usinas de dessalinização, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 15/01/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/01/15/onu-adverte-sobre-o-aumento-dos-niveis-de-salmoura-toxica-na-medida-em-que-cresce-o-numero-de-usinas-de-dessalinizacao/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

3 comentários em “ONU adverte sobre o aumento dos níveis de salmoura tóxica na medida em que cresce o número de usinas de dessalinização

  1. Esse é o resultado da superpopulação humana na Terra, que vai destruindo todos os ecossistemas em nome do desenvolvimento econômico infinito, o qual culminará com um colapso terrestre total.

  2. Toda nova tecnologia tem problemas que precisam ser sanados.
    A dessalinização da água do mar é algo que, no futuro próximo, será imprescindível, à medida em que a população da Terra vai aumentando e vai aumentando também o consumo de água per capita.
    Como solucionar o problema da salmoura? O próprio texto apresenta algumas soluções. Portanto, não é porque teremos que lidar com esse problema que abandonaremos essa tecnologia.
    O texto apresenta uma boa perspectiva: a salmoura pode ser fonte de obtenção de magnésio, gesso, cloreto de sódio, cálcio, potássio, cloro, bromo e lítio.
    Não é uma ótima notícia?

Comentários encerrados.

Top