O Natal ao longo dos tempos, artigo de Montserrat Martins

 

artigo de opinião

 

[EcoDebate] Cena marcante, para mim, foi o adolescente que revelou ter roubado “para comprar presentes de Natal pra minha família”. Faz parte da minha profissão, psiquiatra forense, ouvir jovens infratores para avaliar seu psiquismo e suas motivações. Como o Natal, que deveria representar valores espirituais, se tornara motivo para um roubo à mão armada?

De aniversário de Jesus Cristo e sua mensagem de amor e humildade, o Natal se transformou na festa do Papai Noel onde o principal são os presentes. Mas na origem do Noel estava a fé cristã, pois inspirado no bisco Nicolau, que em Mira (na atual Turquia) se dedicava aos mais carentes e dava presentes às crianças no aniversário de Jesus.

São Nicolau (Santa Claus para os americanos) passou a ter caráter mais comercial no século XX, numa versão criada por cartunistas americanos e popularizada pela Coca Cola, que lançou um comercial do “bom velhinho” com as vestes vermelhas. O século XX marca, portanto, o momento da história em que o caráter de propaganda comercial passa, gradativamente, a substituir o simbolismo cristão original não só do Natal, como da própria figura de Santa Claus (Papai Noel), até então inspirada no bispo que, com presentes às crianças, festejava Jesus.

De caridade aos mais humildes, os presentes de Natal se tornaram então uma obrigação. O comércio, é natural, valoriza a data e aproveita que ela coincide com a época do 13º salário. Uma tradição atribuída ao próprio bispo Nicolau é a de valorizar o comportamento das crianças, para saber se elas “merecem” os presentes. Algumas décadas atrás isso chegava a ser uma preocupação, mas – com os estímulos comerciais à realização dos desejos de todos – hoje o pressuposto é que todos tem direito a serem atendidos em seus sonhos de consumo, nessa época.

Se procurarmos na História épocas mais antigas, podemos cogitar que talvez estejamos retomando tradições milenares, pois nessa mesma época do ano – antes da Era Cristâ – havia a tradição de uma grande festa pelo solstício de inverno (no Hemisfério Norte), o nascimento anual do Deus Sol.

As festividades atuais teriam mantido algumas características da era pré-cristã e talvez por isso não seja tão surpreendente a deturpação do sentido das comemorações, onde presentes materiais se tornam mais importantes que o significado afetivo, amoroso e espiritual da data.

Uma das necessidades humanas é a de comemorações e nesse sentido nem sempre as pessoas prestam atenção no motivo da festa.

 

Montserrat Martins, Colunista do EcoDebate, é Psiquiatra, autor de “Em busca da alma do Brasil”

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 21/12/2018

"O Natal ao longo dos tempos, artigo de Montserrat Martins," in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 21/12/2018, https://www.ecodebate.com.br/2018/12/21/o-natal-ao-longo-dos-tempos-artigo-de-montserrat-martins/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top