Relatório ‘O Estado das Aves no Mundo – 2018’ alerta que uma em cada 8 espécies de aves está ameaçada de extinção

 

ABr

Uma em cada oito aves está ameaçada de extinção no mundo. Das 11 mil espécies catalogadas, 40% podem desaparecer do planeta, segundo estudos da BirdLife Internacional, organização não governamental (ONG), que há cinco anos pesquisa o tema. A estimativa é de que nos próximos anos 500 espécies desapareçam. O relatório, intitulado O Estado das Aves no Mundo – 2018 alerta sobre o risco de extinção global. Sem a intervenção dos defensores dos animais, segundo a ONG, 25 espécies de aves teriam sido extintas nas últimas décadas.

De acordo com o relatório, sabe-se mais sobre as aves do que sobre qualquer outro grupo comparável de animais. Isso porque eles são fáceis de observar, sendo relativamente grandes e visíveis; a maioria está ativa durante o dia e podem ser facilmente identificados no campo, à distância. Por serem tão conhecidos e encontrados em praticamente todos os habitats, as aves servem como termômetro importante para as mudanças ambientais.

As ameaças estão relacionadas a extração de madeira, espécies invasoras como gatos e ratos, à caça e também a agricultura intensiva que utiliza produtos químicos, como agrotóxicos e pesticidas que afetam a biodiversidade. De acordo com o relatório, 74% das aves no mundo estão em sofrimento.

Brasil

ararinha azul - Icmbio - todos os direitos reservados
A ararinha azul desapareceu de seu habitat natural no final do ano 2000 – ICMBio/todos os direitos reservados

No caso do Brasil, o relatório chama a atenção para os estados da Amazônia e do Pará, que abrigam uma das maiores áreas remanescentes de floresta tropical do mundo e um número expecionalmente grande de espécies de aves. A região, no entanto, está passando por uma rápida ampliação de sua malha viária, o que poderia ter consequências desastrosas para este ecossistema. Só no estado de Pará, estima-se que 27 mil quilômetros de estradas sejam construídas ou ampliadas até 2031. Novas estradas afetam diretamente as aves, que correm o risco de perder o habitat natural, serem atropeladas, além de serem afetadas indiretamente pela poluição.

De acordo com o relatório, a arara selvagem da espécie Spix’s macaw (Cyanopsitta spixii) conhecida como ararinha azul, desapareceu em seu habitat no Brasil, no final de 2000.

Por outro lado, o estudo elogia a iniciativa de ações como da reserva particular Águia Branca, no Espírito Santo, que atua como corredor para três parques estaduais: Forno Grande, Castelo e Pedra Azul. Na prática, a iniciativa protege espécies, como Tanager-de-garganta-cereja e mais 250 espécies, entre elas algumas ameaçadas.

Estudos

“Os dados são inequívocos. Estamos passando por uma deterioração constante e contínua do status das aves do mundo”, disse Tris Allinson, responsável pelo relatório e integrante da ONG BirdLife Internacional. “As ameaças que conduzem a crise da extinção das aves são muitas e variadas, mas invariavelmente estão associadas ao homem.”

“Embora o relatório forneça uma atualização moderada sobre o estado das aves e da biodiversidade e dos desafios futuros também demonstra claramente que existem soluções e que um sucesso significativo e duradouro pode ser alcançado”, disse Patricia Zurita, da BirdLife.

Na tentativa de reverter o quadro, especialistas sugerem uma série de ações e mudanças que precisam ser efetivas, como a restauração dos habitats das aves, a erradicação e o controle de espécies invasoras e o redirecionamento das espécies de aves mais vulneráveis ​​para que sejam protegidas.

O estudo completo em inglês pode ser acessado aqui.

 

Por Renata Giraldi, da Agência Brasil, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 24/04/2018

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top