Estimativas do modelo climático mais severo podem ser as mais precisas

 

Carnegie Institution for Science*

Os modelos climáticos que projetam maiores quantidades de aquecimento neste século são os que melhor se alinham com as observações do clima atual, de acordo com um novo artigo de de Patrick Brown e Ken Caldeira, da Carnegie Institution for Science, publicado pela Nature. Seus resultados sugerem que os modelos utilizados pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, em média, podem estar subestimando o aquecimento futuro.

 

Estimativas do modelo climático mais severo podem ser as mais precisas
Gráfico por Patrick T. Brown, PhD

 

As simulações do modelo climático são usadas para prever o aquecimento de cada aumento da concentração atmosférica de dióxido de carbono e outros gases de efeito estufa.

“Existem dezenas de modelos climáticos globais proeminentes e todos projetam diferentes quantidades de aquecimento global para uma dada mudança nas concentrações de gases de efeito estufa, principalmente porque não há um consenso sobre como modelar melhor alguns aspectos-chave do sistema climático”, explicou Brown.

Os resultados do modelo de clima bruto, para um cenário de negócios como usual, indicam que podemos esperar que as temperaturas globais aumentem em qualquer lugar na faixa de 5,8 e 10,6 graus Fahrenheit (3,2 a 5,9 graus Celsius) em níveis pré industriais até o final do século – uma diferença de cerca de um fator dois entre as projeções mais e menos severas.

Brown e Caldeira pesquisaram se a extremidade superior ou inferior desse intervalo é mais provável que seja exata. Sua estratégia baseou-se na ideia de que os modelos que serão os mais habilidosos em suas projeções de aquecimento futuro também devem ser os mais habilidosos em outros contextos, como simular o passado recente. O estudo de Brown e Caldeira elimina a parte inferior desta faixa, achando que o aquecimento mais provável é de cerca de 0,9 graus Fahrenheit (0,5 graus Celsius) maior que o que os resultados do modelo bruto sugerem.

Os pesquisadores se concentraram em comparar as projeções do modelo e as observações dos padrões espaciais e sazonais de como a energia flui da Terra ao espaço. Curiosamente, os modelos que melhor simulam o passado recente dessas trocas de energia entre o planeta e seus arredores tendem a projetar um aquecimento maior do que a média no futuro.

“Nossos resultados sugerem que não faz sentido descartar as mais severas projeções de aquecimento global com base no fato de que os modelos climáticos são imperfeitos na simulação do clima atual”, disse Brown. “Pelo contrário, se alguma coisa, estamos mostrando que as deficiências do modelo podem ser usadas para descartar as projeções menos severas”.

A incerteza no alcance do aquecimento futuro é principalmente devido a diferenças em como modelos simulam mudanças em nuvens com aquecimento global. Alguns modelos sugerem que o efeito de resfriamento causado por nuvens que refletem a energia do Sol de volta ao espaço pode aumentar no futuro, enquanto outros modelos sugerem que esse efeito de resfriamento pode diminuir.

“Os modelos que são mais capazes de recriar as condições atuais são aqueles que simulam uma redução no resfriamento da nuvem no futuro e, portanto, estes são os modelos que preveem o maior aquecimento futuro”, explicou Brown.

“Faz sentido que os modelos que fazem o melhor trabalho na simulação das observações de hoje possam ser os modelos com as previsões mais confiáveis”, acrescentou Caldeira. “Nosso estudo indica que, se as emissões seguem um cenário comumente usado como um negócio, existe uma chance de 93 por cento que o aquecimento global exceda 4 graus Celsius (7,2 graus Fahrenheit) até o final deste século. Estudos anteriores colocaram essa probabilidade em 62%. ”

 

Referência:
Greater future global warming inferred from Earth’s recent energy budget
Patrick T. Brown & Ken Caldeira
Nature 552, 45–50 (07 December 2017)
doi:10.1038/nature24672
https://www.nature.com/articles/nature24672

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 07/12/2017

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

2 comentários em “Estimativas do modelo climático mais severo podem ser as mais precisas

Deixe uma resposta

Top