Emissões globais de metano da pecuária são maiores do que o relatado, de acordo com novas estimativas

 

pesquisa

 

Por Anne Korn*, BioMed Central

As emissões globais de metano da pecuária são maiores do que as estimadas devido ao uso anterior de dados desatualizados sobre as emissões de carbono geradas pelo gado, de acordo com um estudo publicado na revista Carbon Balance and Management .

Em um projeto patrocinado pela iniciativa de pesquisa do Sistema de Monitoramento de Carbono da Administração Nacional de Aeronáutica e do Espaço (NASA) dos EUA, os pesquisadores do Joint Global Change Research Institute (JGCRI) descobriram que as emissões globais de metano do gado (CH4) em 2011 foram 11% maiores do que as estimativas com base em diretrizes fornecidas pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) em 2006. Isso engloba um aumento de 8,4% em CH4 de fermentação entérica (digestão) em vacas leiteiras e outros bovinos e um aumento de 36,7% no manejo do estrume CH4 em relação a estimativas baseadas do IPCC. A estimativa revisada das estimativas das emissões de CH4 para 2011 nos EUA, a partir deste estudo, foi 71,8% superior às estimativas baseadas pelo IPPC.

Dra. Julie Wolf, Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), Agricultural Research Service (ARS), autora principal do estudo, disse: “Em muitas regiões do mundo, os números sobre o gado estão mudando e a reprodução resultou em animais maiores, com ingestões mais altas O metano é um importante moderador da temperatura atmosférica da Terra. Possui cerca de quatro vezes o potencial de aquecimento atmosférico do dióxido de carbono. As medidas diretas das emissões de metano não são disponível para todas as fontes de metano … Assim, as emissões são relatadas como estimativas com base em diferentes métodos e premissas. Neste estudo,criamos novos fatores de emissões por animal – que são medidas da quantidade média de CH4 descarregada pelos animais na atmosfera – e novas estimativas das emissões globais de metano no gado “.

Os autores reavaliaram os dados utilizados para calcular os fatores de emissão de CH4 do IPCC 2006 resultantes da fermentação entérica em vacas leiteiras e outros bovinos e manejo de estrume de vacas leiteiras, outros bovinos e suinos. Eles mostram que estimar as emissões de CH4 de gado com os fatores de emissões revisados, criado neste estudo, resulta em maiores estimativas de emissão em comparação com os cálculos feitos com os fatores de emissão do IPCC 2006 para a maioria das regiões, embora as estimativas de emissão variaram consideravelmente por região.

O Dr. Ghassem Asrar, diretor da JGCRI, co-autor do estudo, disse: “Entre as regiões globais, houve uma variabilidade notável nas tendências nas emissões estimadas nas últimas décadas. Por exemplo, descobrimos que as emissões totais de metano do gado aumentaram mais em regiões em desenvolvimento rápido da Ásia, América Latina e África. Em contrapartida, as emissões aumentaram menos nos EUA e no Canadá e diminuíram ligeiramente na Europa Ocidental. Encontramos os maiores aumentos nas emissões anuais sobre os trópicos do norte, seguidos pelos trópicos do sul “.

As estimativas apresentadas neste estudo também são 15% maiores que as estimativas globais fornecidas pela Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA), apenas um pouco menores do que as estimativas fornecidas pela EPA para os EUA, 4% maiores do que EDGAR (Base de Dados de Emissões para Pesquisa Atmosférica Global ) para estimativas globais, 3% maiores que as estimativas de EDGAR para os EUA e 54% maiores do que as estimativas de EDGAR para o estado da Califórnia. Tanto a EPA quanto a EDGAR usam informações padrão do IPCC 2006 que podem ter contribuído para as suas estimativas inferiores.

Referência:

Revised methane emissions factors and spatially distributed annual carbon fluxes for global livestock
Wolf et al. Carbon Balance and Management 2017
DOI: 10.1186/s13021-017-0084-y
http://dx.doi.org/10.1186/s13021-017-0084-y

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 03/10/2017

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top