O crescente uso de recursos naturais e a necessidade de maior eficiência e desacoplamento, por José Eustáquio Diniz Alves

 

desacoplando o uso de recursos e os impactos ambientais do crescimento do PIB

 

[EcoDebate] O relatório “Resource Efficiency: Potential and Economic Implications”, divulgado no dia 16 de março de 2017, durante a reunião do G20 em Berlim, pelo International Resource Panel, da United Nations Environment Programme (UNEP), mostra que, até 2050, mantidas as tendências recentes, a população mundial deverá crescer 28%, com a utilização de 71% mais recursos per capita. Sem medidas urgentes para aumentar a eficiência, o uso global de metais, biomassa e minerais aumentará de 85 para 186 bilhões de toneladas por ano até 2050.

O relatório argumenta que uso mais inteligente e eficiente dos recursos naturais do mundo hoje significaria que as próximas gerações poderão colher benefícios econômicos anuais de US$ 2 trilhões até 2050, ao mesmo tempo que poderia reduzir os custos para viabilizar uma ação ambiciosa contra as mudanças climáticas.

O gráfico abaixo mostra que o grupo de países do G7 (Estados Unidos, Japão, Alemanha, Reino Unido, França, Itália e Canadá) tem um uso de recursos muito maior, em termos per capita, do que os países dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). Embora nos últimos anos tenha havido uma aproximação das duas curvas, pois houve redução per capita do uso de recursos no G7 e aumento significativo nos BRICS e na economia global. Porém, os estudos mostram que a queda ocorrida no G7 se deveu aos fluxos do comércio internacional, já que os países desenvolvidos transferiram suas indústrias mais intensivas em energia e matérias-primas para os países menos desenvolvidos (ou do Terceiro Mundo). Assim, para o âmbito da economia internacional não está havendo desacoplamento nem relativo e muito menos absoluto, como seria necessário e mostrado na figura acima.

 

consumo de material doméstico per capita

 

O fato é que o desenvolvimento, como aconteceu desde o fim da Segunda Guerra Mundial, está cada vez mais baseado na extração de recursos da natureza para a produção de bens e serviços e o descarte de resíduos sólidos e poluição do ar, da terra e das águas. Mas o relatório da UNEP analisou quatro caminhos que os países poderiam seguir ao longo das próximas três décadas, que vão desde o “business as usual”, até um cenário em que os países adotam políticas climáticas ambiciosas e melhorem a eficiência dos recursos.

Ou seja, apesar do passado econômico degradador do meio ambiente, a UNEP consegue manter o otimismo e aposta em um cenário de eficiência e desacoplamento para garantir o crescimento econômico com menor impacto ambiental, no espírito da ideia de desenvolvimento sustentável e no espírito dos ODS da Agenda 2030 da ONU.

Contudo, a humanidade já ultrapassou a capacidade de carga do Planeta. A Pegada Ecológica está 64% acima da biocapacidade da Terra. Quatro das nove fronteiras planetárias já foram ultrapassadas. O aquecimento global se acelera, provocando o degelo do Ártico, da Groenlândia, da Antártica e dos glaciares. Isto vai provocar a elevação do nível dos oceanos colocando em riso o bem-estar de 2 bilhões de habitantes que vivem em áreas de até 2 metros do nível do mar.

Os desafios estão atingindo um ponto de não retorno. Defender a ideologia da economia verde para justificar o crescimento econômico, neste contexto de agravamento da exploração da natureza e de redução da biodiversidade, parece o mesmo que vender uma ilusão. Indubitavelmente, a eficiência e o desacoplamento são imprescindíveis, mas não no contexto do contínuo crescimento econômico e sim na esfera do decrescimento demoeconômico.

Referência:
UNEP. Resource Efficiency: Potential and Economic Implications. A report of the International Resource Panel. Ekins, P., Hughes, N., et al. March 2017

 

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 22/03/2017

O crescente uso de recursos naturais e a necessidade de maior eficiência e desacoplamento, por José Eustáquio Diniz Alves, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 22/03/2017, https://www.ecodebate.com.br/2017/03/22/o-crescente-uso-de-recursos-naturais-e-necessidade-de-maior-eficiencia-e-desacoplamento-por-jose-eustaquio-diniz-alves/.
[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top