Entidades criticam lei que transfere parques de São Paulo à iniciativa privada

 

lucro 'verde'

 

Representantes de comunidades indígenas, quilombolas, caiçaras, defensores públicos, organizações não governamentais (ONGs) e deputados da oposição na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), como o PSOL e o PT, criticaram ontem (23), em audiência pública, o Projeto de Lei (PL) 249 de 2013, aprovado pela Casa no início de junho, e que agora aguarda sanção do governador do estado, Geraldo Alckmin.

O PL autoriza o governo estadual a conceder à iniciativa privada 25 parques estaduais pelo prazo de até 30 anos. Caso aprovada, as comunidades tradicionais que desenvolvem atividades econômicas relacionadas às unidades de conservação nos parques, como, por exemplo, a monitoria ambiental, terão de ceder a exploração do serviço às empresas concessionárias.

“Nós povos originários estamos ameaçados por este governo de São Paulo, que não fez nenhuma consulta prévia às comunidades indígenas. O PL foi aprovado por 63 deputados que deveriam ter ouvido as comunidades. Não vamos aceitar essa atitude do governo”, disse David Guarani, da aldeia Jaraguá, um dos idealizadores da audiência pública feita na Alesp.

Falta clareza

De acordo com o Instituto Sócio Ambiental (ISA), dentre as 25 unidades que deverão ser repassadas à iniciativa privada, há parques que não dispõem de plano de manejo, o que não dá clareza sobre as diretrizes de gestão que as concessionárias deverão seguir, especialmente em relação às comunidades tradicionais e indígenas que habitam essas unidades.

“A gente acha que esse projeto é inconstitucional, viola direitos fundamentais. Esse projeto não teve consulta, não ouviu as populações que vivem no entorno dessas áreas, que vivem dentro dessas áreas, que conservam essas áreas”, disse Raquel Pasinato, representante do ISA.

Para a defensora pública da União, Fabiana Galera Severo, em caso de sanção do PL, o Brasil pode ser responsabilizado pela violação à convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), ratificada pelo país em 2004. A convenção estabelece que os povos indígenas devem ser consultados toda vez que sejam previstas medidas legislativas ou administrativas suscetíveis de afetá-los diretamente.

“A posição da Defensoria Pública da União é de absoluto repúdio à aprovação do projeto de lei de privatização dos parques. A aprovação da lei viola tratados internacionais, compromissos internacionais assumidos pelo Brasil. O país pode ser responsabilizado em caso de aprovação dessa lei, violando os direitos dos povos tradicionais”, disse.

Desenvolvimento sustentável

A Secretaria do Meio Ambiente do governo do Estado de São Paulo, autora do PL, disse na justificativa do projeto, que a concessão é de interesse público por permitir que se obtenham recursos privados para a recuperação dos biomas e o desenvolvimento sustentável, “valendo-se da expertise e modos de produção típicos da iniciativa privada especializada, mantendo-se, contudo, nas mãos da administração, prerrogativas inerentes ao poder de polícia de que é titular, em especial em contrato com o particular e a possibilidade de sua retomada, a qualquer momento, se detectada infringência a obrigações legais ou contratuais, por parte do concessionário”.

Os parques estaduais (PE) que, caso seja aprovada a lei, passarão para as mãos da iniciativa privada são Parque Estadual (PE) Campos do Jordão, PE Cantareira, PE Intervales, PE Turístico do Alto Ribeira, PE Caverna do Diabo, PE Serra do Mar (Núcleo Santa Virginia), PE Serra do Mar (Núcleo São Paulo), PE Jaraguá, PE Carlos Botelho, PE Morro do Diabo, PE Ilha do Cardoso, PE de Ilhabela, PE Alberto Löfgren, Caminho do Mar, Estação Experimental de Araraquara, Estação Experimental de Assis, Estação Experimental de Itapeva, Estação Experimental de Mogi Guaçu, Estação Experimental de Itirapina, Floresta Estadual de Águas de Santa Bárbara, Floresta Estadual de Angatuba, Floresta Estadual de Batatais Floresta Estadual de Cajuru, Floresta Estadual de Pederneiras e Floresta Estadual de Piraju.

Por Bruno Bocchini, da Agência Brasil, in EcoDebate, 24/06/2016

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

2 comentários em “Entidades criticam lei que transfere parques de São Paulo à iniciativa privada

  1. O problema do projeto foi a falta de audiências públicas. Isso, realmente, é um ponto fraquíssimo, e símbolo da falta de vontade dos nossos políticos em prestar contas. Porque se as contas fossem prestadas, não tem muito no projeto que possa se criticar. As matérias de jornal que saíram foram horrorosas, mas lendo o texto do projeto em si no site da Câmara, fiquei abismada com o quão BOM esse projeto é, pode levar nossos parques a finalmente se tornarem parques de verdade e não apenas de papel, com turismo organizado e educação ambiental, locais que as pessoas QUEIRAM conhecer e não só ver em um mapa.

Comentários encerrados.

Top