Bionergia e mobilidade urbana sustentável, artigo de Reinaldo Dias

 

poluição - caminhões

 

[EcoDebate] A poluição do ar é um problema grave nas grandes cidades e que afeta a saúde e o bem-estar humano, causando milhares de mortes anualmente no Brasil. Relatório da Organização Mundial da Saúde – OMS divulgado no final do ano passado indica que no mundo todo as emissões de poluentes no ar provocam a morte de 7 milhões de pessoas por ano, além de contribuir para as mudanças climáticas.

Somente no Estado de São Paulo morreram em 2011 mais de 15.000 pessoas, o que representa o dobro do número de óbitos por acidentes de transito de acordo com estudo apresentado pelo Instituto Saúde e Sustentabilidade no segundo semestre de 2015. O mesmo estudo aponta que a má qualidade do ar atinge a todos indistintamente diminuindo a expectativa de vida em 1,5 ano.

A principal fonte de poluição do ar nos grandes centros urbanos é a emissão de gases produzida pela utilização de combustíveis fósseis, principalmente o óleo diesel, que gera gases nocivos à saúde como o monóxido de carbono (CO), o dióxido de enxofre (SO2), dióxido de nitrogênio (NO2) e material particulado que causam inúmeras doenças respiratórias, cardiovasculares e câncer do pulmão entre outras.

Uma vez constatada a gravidade da situação, há medidas que podem ser adotadas para aliviar a pressão dos gases sobre o clima e a saúde humana. Uma das medidas mais efetivas e de curto prazo para enfrentar o problema está na diminuição da utilização dos combustíveis fósseis como alternativa energética predominante na movimentação da frota de veículos e a sua substituição gradativa por fontes renováveis como a bioenergia gerada a partir de biomassas como o álcool e o biodiesel.

No Brasil as medidas são ainda tímidas diante da gravidade do problema. Está em vigor a obrigatoriedade de percentual de 7% de biodiesel a ser acrescido ao óleo fóssil, numa mistura conhecida como B7. Em comparação, Londres terá um terço da frota de ônibus operando com diesel verde B20, feito a partir de mistura de diesel com biodiesel renovável, gerado a partir de resíduos como óleo de cozinha usado e sebo da indústria de processamento de carne.

Notícia positiva é que a partir deste ano o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) autorizou o uso voluntário de biodiesel em quantidades superiores ao percentual obrigatório. Ao abrir essa possibilidade fica aberta a perspectiva de utilização do diesel verde – óleo de soja, por exemplo – quando seu preço for competitivo. Embora positiva há um aspecto que deve ser considerado, qual seja, é que os problemas causados pela poluição ficam atrelados a uma abordagem meramente econômica, custo baixo dos combustíveis renováveis. Nesse sentido a medida é claramente insuficiente e não atende a necessidade de evitar a permanência da mortandade causada pela poluição.

A questão da poluição do ar deve estar, prioritariamente, vinculada à preservação da saúde pública e a qualidade de vida. Neste contexto, as ações devem ser mais incisivas por parte o Estado. Trata-se de salvar vidas, não se justificando a adoção de medidas tímidas e paliativas.

Há óleo verde em quantidades suficientes, pois segundo a Associação Brasileira da Indústria de Óleos Vegetais (ABIOVE), as usinas de biodiesel do Brasil operam com 40 por cento de ociosidade. Além disso, o potencial de expansão das culturas de biodiesel é enorme.

Há que se considerar, ainda, que além do biodiesel o país tem outros componentes da biomassa em abundância e que podem ser utilizados para diminuir a contaminação do ar. Entre os mais acessíveis está a utilização do álcool misturado com combustíveis fósseis e a utilização do óleo de cozinha, que ao ser reciclado deixa de contaminar cerca de 20 mil litros de água.

O aumento da utilização da bioenergia deve, portanto, priorizar o social e o ambiental, sem desconsiderar o aspecto econômico. Para que isso ocorra, e o bem comum prevaleça, o Estado tem papel fundamental na regulação da atividade, pois o livre jogo do mercado não contabiliza as mortes e doenças provocadas pela poluição.

*Reinaldo Dias é professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie, campus Campinas. Doutor em Ciências Sociais e Mestre em Ciência Política pela Unicamp. É especialista em Ciências Ambientais.

 

in EcoDebate, 18/02/2016

Bionergia e mobilidade urbana sustentável, artigo de Reinaldo Dias, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 18/02/2016, https://www.ecodebate.com.br/2016/02/18/bionergia-e-mobilidade-urbana-sustentavel-artigo-de-reinaldo-dias/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Um comentário em “Bionergia e mobilidade urbana sustentável, artigo de Reinaldo Dias

  1. Parabenizo o Professor Reinaldo pela brilhante abordagem de um dos problemas graves, entre milhões de outros causados pela expansão do capitalismo.
    Quanto às propostas apresentadas para redução dos males que têm como causa a poluíção do ar, através da diminuíção da utilização de combustíveis fósseis, acredito que são inviáveis, pelos seguintes motivos:
    1) as empresas capitalistas, sejam privadas ou estatais, têm como único compromisso seus próprios desenvolvimentos, e não apresentam qualquer interesse em relação à qualidade do meio ambiente;
    2) os Estados capitalistas se apresentam como incapazes de atuar na prevenção dos danos que serão causados pelas empresas privadas, porque têm interesses comuns, quais sejam, o desenvolvimento econômico e o crescimento do PIB;
    e 3) a produção de biocombustíveis, para uma população humana de mais de sete bilhões de seres, e que continua em crescimento, representa forte incremento à derrubada do que resta de florestas, com todas as consequências socioambientais, que, no presente momento, não considero necessário sejam citadas.
    Portanto, Professor Reinaldo, considerando o atual estágio de devastação do planeta Terra e as péssimas condições de vida em que se encontra a espécie humana (conflitos políticos, religiosos, guerras, carência de alimento e água, etc.), é razoável propor a substituição do regime capitalista, em todo o planeta Terra, por um Socialismo que seja capaz de combater todos os males promovidos pelo capitalismo, e desenvolver um sistema educacional que seja capaz de suplantar todos os vícios atualmente existentes no que se chama de sociedade humana, entre eles se encontram as crenças religiosas, grandes aliadas do poder de dominação.
    Embora considere que essa proposta é inviável, apresento-a com a simples esperança de que não sejamos meros expectadores e vítimas, junto com todas as demais espécies vivas, da destuição imprimida pelos poderes contituintes da dominação do capital.

Comentários encerrados.

Top