E quando a crise hídrica/elétrica bate à porta?

 

seca

 

Mudança de hábitos pode ser a chave para afastar o fantasma do racionamento

O brasileiro convive mais uma vez com a necessidade de economia de recursos básicos, como água e luz. O aumento das tarifas de energia elétrica e a falta d’água em pontos variados do país são sinais de que algumas (ou muitas) coisas não vão bem. Um exemplo claro é a recente implementação das bandeiras tarifárias, que indicam ao consumidor quando a energia está mais cara ou quando houve redução de cobrança, prática inédita no país.

De acordo com o professor do ISAE/FGV e coordenador do MBA em Setor Elétrico da instituição, Diogo Mac Cord de Faria, o Brasil está no limite de sua geração de energia. A falta de gestão aliada a condições climáticas desfavoráveis, segundo ele, é a receita do caos. Mac Cord explica que, atualmente, não construímos mais usinas com reservatório, apenas a fio d’agua, como são chamadas as usinas que operam apenas com o rio não represado. “Isso significa que, quando chove, temos energia. Quando não chove, não temos. Com o Brasil entrando numa crise econômica, as previsões são de retração no mercado elétrico, o que nos salva, por hora, de um apagão ainda neste ano”, alerta Mac Cord.

A solução, segundo o professor, é iniciar um racionamento moderado, evitando consequências mais graves num futuro próximo. Nas residências, é possível praticar cortes “simples” como a diminuição do uso do ar condicionado e do chuveiro elétrico. Para Mac Cord, “este deve ser o principal objetivo dos consumidores residenciais”.

Dados x soluções

A margem de redução para o brasileiro é pequena, o que dificulta ainda mais as opções de economia doméstica. O Banco Mundial indica que, enquanto os brasileiros consomem 2.400 kWh por ano, os argentinos consomem quase 3.000 kWh. Em outro comparativo, desta vez com os americanos, mostrou que utilizamos 20% menos energia que eles. Esse cenário evidencia que é preciso buscar caminhos alternativos para poupar mais. Entre eles, segundo o professor, estão a construção de mais usinas com reservatórios e o planejamento cauteloso, “com responsabilidade, mas sem preconceito”, de geração nuclear.

Sertão urbano: como resolver?

A crise hídrica também é fator preocupante e diretamente atrelado à crise elétrica. Tudo por um motivo simples: o aumento da utilização das termelétricas como medida preventiva ao uso das hidrelétricas elevou proporcionalmente as tarifas de luz. Além disso, segundo o docente do ISAE/FGV, Cleverson V. Andreoli, a falta de recursos para investimentos em diversas áreas fez com que os governos diminuíssem a margem de segurança dos projetos hidráulicos, que devem prever um grande período de recorrência para evitar comprometimento no abastecimento público.

Uma das soluções em longo prazo apontadas por Andreoli é a criação de legislações mais estimulantes às boas práticas ambientais, como a construção de casas sustentáveis que devem ser planejadas desde a concepção do projeto. “Leis excessivamente restritivas acabam por prejudicar o meio ambiente. É preciso garantir a segurança, mas sem desestimular ações sustentáveis importantes para evitar situações como as vividas hoje”, explica o professor.

As mudanças climáticas ampliam os extremos: as secas e as chuvas ficam mais intensas e este fenômeno já começa a cobrar atitudes na rotina dos brasileiros. Para Andreoli, não é preciso esperar o Governo decretar regras de racionamento, uma vez que estamos numa situação de risco iminente. Entre as medidas práticas que podem ser executadas para evitar o desperdício no dia a dia, estão:

* Diminuir a carga de freezers e geladeiras e regular a temperatura;
* Evitar o uso de equipamentos de grande consumo de energia elétrica em horários de pico (das 18h às 21h)
* Desligar da tomada equipamentos em stand by, como TVs e rádios;
* Apagar a luz ao sair do recinto e desligar a televisão quando não estiver assistindo;
* Na compra de novos equipamentos elétricos e eletrônicos, dê preferência ao que tem certificação de eficiência Procel;
* Substitua as lâmpadas incandescentes por fluorescentes;
* Passar toda a roupa de uma só vez, evitando consumo excessivo de energia;
* Preferir chuveiros a gás. Caso não seja possível, reduzir o tempo de banho em chuveiros elétricos;
* Instalar descargas com função dupla, que dosam a quantidade de água despendida por funcionalidade;
* Fechar a torneira ao escovar os dentes ou se ensaboar;
* Aproveitar água da chuva para reutilização em atividades domésticas.

in EcoDebate, 23/07/2015


[ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Um comentário em “E quando a crise hídrica/elétrica bate à porta?

  1. Vale tudo que não resolve o problema.
    Só não vale falar em socialismo com um único Estado planetário, no qual haveria, entre outras soluções, rígido controle da reprodução humana, para se chegar a uma população com tamanho adequado aos equilíbrios do meio ambiente e climático.

Comentários encerrados.

Top