Cedae implanta sistema de água de reuso para limpeza urbana no Rio

 

Cedae implanta sistema de água de reuso para limpeza urbana no Rio

 

Com a crise hídrica que afeta a Região Sudeste, a Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae) implantou no Rio de Janeiro um sistema de água de reuso, no qual o esgoto tratado é destinado para limpeza urbana e consumo industrial. As estações de Tratamento de Esgoto (ETEs) de Alegria, na zona portuária da cidade, e Penha, na zona norte, já realizam essa operação e, segundo a Cedae, a intenção é que o sistema possa ser estendido para outras estações.

Para a água ser utilizada, o esgoto passa por quatro etapas de tratamento, responsáveis pela remoção gradual de resíduos como lixo, matéria orgânica, areia e microorganismos, além de um processo de desinfecção. O processo leva 12 horas para ser completamente finalizado.

De acordo com o gerente de tratamento de esgoto da ETE Alegria, Miguel Cunha, o procedimento já existia, e ganhou apenas mais uma etapa para que o produto final do tratamento do esgoto pudesse ser reutilizado. “O esgoto que recebemos vem em estado bruto, com 99,8% de água e 0,20% de impurezas. Na estação, removemos os poluentes até que a água tenha qualidade para ser lançada na Baía de Guanabara. Para usá-la como água de reuso, acrescentamos uma quarta etapa ao processo, que é a adição de cloro. Dessa maneira, ela pode ser usada para diversos fins industriais e de limpeza”, relatou.

Na ETE da Penha, mensalmente são reciclados cerca de 6 milhões de litros de água, que são fornecidos para a Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) para limpeza de ruas após feiras livres, calçadas, praças e monumentos do Rio. Na ETE Alegria, 910 mil litros de esgoto são tratados mensalmente e a água de reuso originada é encaminhada para o setor de construção e limpeza das obras do Porto Maravilha, no centro da cidade.

De acordo com a Comlurb, são utilizados cerca de 12 milhões de litros de água de reuso por mês em limpeza urbana, e a água só tem essa finalidade, sendo imprópria para outros usos. A companhia informa que mesmo sendo água de reuso, existe preocupação de economizar e ter uso consciente.

Atualmente, existe projeto em desenvolvimento na Cedae para aproveitamento também de reuso da água usada na retrolavagem dos filtros e decantadores da ETE Guandu. O produto final será fornecido para o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), em Itaboraí, no leste fluminense, que fará uso industrial do material.

Para o presidente da Cedae, Jorge Briard, a reutilização para limpeza é uma solução consciente, já que não é razoável usar água potável para essa finalidade. “Essa água destinada a consumo humano demanda um trabalho enorme para ser tratada, há dificuldades quantitativas e qualitativas de uso. Por isso, acreditamos ser tão importante fomentar o reuso. Queremos ampliar esse projeto para todas as ETEs”, disse.

Fonte: Agência Brasil

Publicado no Portal EcoDebate, 11/03/2015


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Um comentário em “Cedae implanta sistema de água de reuso para limpeza urbana no Rio

  1. Ótima ideia da CEDAE de produzir água de reúso. No entanto, trata-se de uma medida muito tímida.
    A cloração do efluente do tratamento de esgoto sem passar por radiação ultravioleta produz compostos orgânicos que podem causar problemas renais graves caso a água de reúso venha a ser ingerida.
    O ideal seria que a cloração fosse antecedida de um tratamento com radiação ultravioleta.
    De qualquer modo, é um avanço importante em direção à potabilização do esgoto.
    A propósito, estamos angariando fundos para construir a primeira estação de potabilização de esgoto da América do Sul. Quem desejar participar, deve acessar o site http://www.kickante.com.br/campanhas/potabilizacao-do-esgoto-sanitário.
    Antecipamos agradecimentos.

Comentários encerrados.

Top