ANA reduz saída de água de reservatórios do rio Paraíba do Sul e do rio São Francisco

 

cantareira
Foto: Divulgação/Sabesp

 

A Agência Nacional de Águas (ANA) determinou a redução temporária, até o dia 28 de fevereiro, do limite mínimo de vazão à barragem de Santa Cecília, no Rio Paraíba do Sul, que abastece a região metropolitana do Rio de Janeiro, de 190 metros cúbicos por segundo em Santa Cecília para 140 metros cúbicos por segundo, devido à seca que atinge a Região Sudeste.

A redução, segundo a Agência, considerou “a importância de se preservar os estoques de água disponíveis no reservatório equivalente da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul, composto pelos reservatórios de Paraibuna, Santa Branca, Jaguari e Funil, face à atual desfavorável situação hidrometeorológica pela qual passa a bacia”.

Conforme decisão da ANA, a redução de vazão à barragem de Santa Cecília será acompanhada de avaliações periódicas dos impactos que a medida poderá ocasionar sobre os diversos usos da água feitas pela própria agência, pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) e o governo do Rio de Janeiro.

A Agência decidiu ainda prorrogar até o próximo dia 28 a redução da saída de água dos reservatórios de Sobradinho e Xingó, no rio São Francisco, de 1.300 metros cúbicos por segundo para 1.100 metros cúbicos por segundo, em virtude da seca que atinge a região.

De acordo com resolução publicada ontem (2) no Diário oficial da União, a medida, que vem sendo adotada desde abril 2013, considera a importância dos reservatórios de Sobradinho, Itaparica (Luiz Gonzaga), Apolônio Sales (Moxotó), Complexo de Paulo Afonso e Xingó, para a produção de energia do Sistema Nordeste e para o atendimento dos usos múltiplos da bacia do rio São Francisco.

Ainda conforme a resolução, a Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf) estará sujeita a fiscalização da ANA e deverá apresentar documentos relativos à operação dos reservatórios. A empresa também deverá dar publicidade das informações técnicas aos usuários da bacia e ao Comitê de Bacia, durante o período de vazões defluentes mínimas reduzidas.

Por Ivan Richard, da Agência Brasil.

Publicado no Portal EcoDebate, 03/02/2015


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Um comentário em “ANA reduz saída de água de reservatórios do rio Paraíba do Sul e do rio São Francisco

  1. É PRECISO MUDAR SEM SE CONFRONTAR.

    Os seres vivos que ainda habitam o planeta Terra necessitam, urgentemente, de que sejam adotadas, pelas grandes lideranças planetárias, com apoio da intelectualidade e dos artistas, medidas que unifiquem a administração do planeta – para evitar que as guerras continuem e se alastrem – e que promovam a abolição do capitalismo, e, através da educação, façam com que as crendices religiosas sejam extintas.
    Mais do que nunca, em toda a história da espécie humana, se faz necessária a implantação do sistema socialista, que evolua para o comunismo, como instrumento de salvação da espécie humana e de todas as espécies que ainda sobrevivem.
    Como disse acima, a iniciativa para essa tão gigantesca transformação deve ser das grandes lideranças, por dois motivos: 1º) as classes oprimidas não conseguirão se organizar e confrontar o poder dominante; 2º) mesmo que as classes oprimidas conseguissem empreender essa luta, seria travada uma guerra planetária que levaria ao fim da existência da vida no planeta e das condições ambientais para que a vida se renovasse. É isso que eu acho.

Comentários encerrados.

Top