Povos indígenas ameaçam guerra contra exploração de petróleo e gás no Vale do Javari

 

Brasília, 28/11/2013 - O leilão de blocos de petróleo e gás sobrepostos a terras indígenas e unidades de conservação foi tema de audiência pública na Comissão de Legislação Participativa da Câmara.
Brasília, 28/11/2013 – O leilão de blocos de petróleo e gás sobrepostos a terras indígenas e unidades de conservação foi tema de audiência pública na Comissão de Legislação Participativa da Câmara. E/D: A Coordenadora de licenciamento da Funai, Maria Janete C. Carvalho, representante da articulação dos povos indígenas do Brasil, Jader Comapa Franco, Deputada Janete Capiberibe, presidente da Organização Geral dos Mayuruna, Raimundo Mean Mayuruna, o representante da Comissão Guarany Yvyrupá, Ilson Soares e o coordenador adjunto do Centro de Trabalho Indigenista, Conrado R. Octávio. Foto de Antonio Cruz/Agência Brasil.

 

Em audiência na Câmara, maior reclamação foi contra a exploração de gás pelo método de fratura hidráulica. Agência Nacional de Petróleo não veio.

Luis Macedo / Câmara dos Deputados
Audiência pública sobre o leilão de blocos de petróleo e gás sobrepostos a terras indígenas e unidades de conservação. Representante da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), Jader Comapa Franco
Jader Comapa Franco, da Articulação dos Povos Indígenas: “A gente vai pra guerra”.

Os povos indígenas, principalmente os que habitam o Vale do Javari, no extremo oeste do Amazonas, ameaçam entrar em guerra com as empresas que iniciarem a exploração de petróleo e gás na região. Em audiência na Comissão de Legislação Participativa da Câmara dos Deputados, eles denunciaram danos ambientais que poderão ocorrer caso seja levada adiante, por exemplo, a exploração de gás não convencional, o chamado gás de xisto, pelo método de fratura hidráulica.

A fratura hidráulica consiste no jateamento de rochas do subsolo com água e substâncias químicas capazes de induzir a fratura e liberar o gás. A técnica, empregada em larga escala nos Estados Unidos, onde provocou o que está sendo chamado de uma revolução energética, é condenada pelos ambientalistas e foi proibida na França por lei validada em outubro último pelo Conselho Constitucional.

Funai não é ouvida
Nesta quinta (28) e sexta (29), a Agência Nacional do Petróleo (ANP) está leiloando 240 novos blocos de exploração de petróleo e gás, sendo que 110 deles em áreas isoladas, chamadas de “novas fronteiras”. Ocorre que a Fundação Nacional do Índio (Funai) já detectou que alguns destes blocos estão muito próximos de áreas indígenas ou invadem terras em processo de demarcação.

Maria Janete de Carvalho, coordenadora de Licenciamento da Funai, disse que um relatório sobre o assunto foi enviado à agência, mas apenas uma recomendação foi acatada, a de que o Vale do Javari teria que estar 25 quilômetros afastado dos blocos a serem leiloados. Além de contar com uma biodiversidade praticamente intocada, a região teria pelo menos 16 populações indígenas isoladas.

Segundo Maria Janete, “ninguém pediu uma opinião prévia da Funai, o que já vem se tornando rotina. Muitas vezes a consulta é feita, no caso de alguns empreendimentos, muito mais para legitimar uma tomada de decisão que já foi feita”. Por isso ela considera que outro desafio órgão é “a intervenção em momentos de planejamento, para que este ordenamento territorial realmente seja feito de uma maneira participativa”, reclamou.

Luis Macedo / Câmara dos Deputados
Audiência pública sobre o leilão de blocos de petróleo e gás sobrepostos a terras indígenas e unidades de conservação. Dep. Janete Capiperibe (PSB-AP)
Janete Capiberibe: cientistas pediram moratória para gás de xisto.

A ANP foi convidada, mas não enviou representantes para a audiência. A deputada Janete Capiberibe (PSB-AP) disse que a técnica de fratura hidráulica, prevista para a retirada de gás em alguns blocos, vem sendo condenada pelos especialistas: “A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência já recomendou a moratória a esse tipo de exploração do gás, através do método de força hidráulica, que polui os lençóis freáticos, polui o solo. Então é uma questão muito séria”.

“Matar ou morrer”

Os representantes dos povos indígenas afirmaram que não querem a exploração petrolífera na região e já estão mobilizados desde 2003, porque também o Peru vem concedendo licenças na fronteira. Jader Franco, da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, explicou que eles já procuraram órgãos como o Itamaraty e o Ministério Público federal. “Não temos recursos para vir conversar todo dia, ficar insistindo. A gente dá o recado. Se não formos atendidos, nós estamos dizendo que a gente vai para a guerra, a gente vai para a luta. É matar ou morrer”, ameaçou ele.

Os deputados da comissão e os participantes da audiência resolveram encaminhar um documento para diversas autoridades, entre elas a presidente Dilma Rousseff.

Reportagem – Sílvia Mugnatto
Edição – Dourivan Lima

Matéria da Agência Câmara de Notícias, publicada pelo EcoDebate, 29/11/2013


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Top