Diante das mudanças ambientais globais, as ciências sociais querem maior integração com as ciências naturais

 

Relatório ressalta a importância de se respeitarem os diferentes valores, visões de mundo e crenças como uma das respostas às mudanças climáticas

 

Relatório do Fórum Mundial de Ciências Sociais 2013: Mudanças Ambientais Globais

 

As ciências sociais são importantes no entendimento e enfrentamento das mudanças ambientais globais, mas precisam de maior integração com as ciências naturais. A ideia foi enfatizada pelos participantes de sessão especial em que Françoise Calloids, da International Social Science Council (ISSC), apresentou o “Relatório do Fórum Mundial de Ciências Sociais 2013: Mudanças Ambientais Globais“.

Dentro da programação do 6º Fórum Mundial de Ciência (FMC), que prossegue no Rio de Janeiro até o dia 27, a sessão foi realizada na segunda-feira, dia 25, e teve a participação da representante da Unesco, Wendy Watson-Wright e de Elisa Reis, vice-presidente regional da Academia Brasileira da Ciências.

Françoise apresentou um sumário do relatório, que aborda a questão das mudanças ambientais globais, entre elas as mudanças climáticas, e as suas causas, que muitas vezes se devem às atividades humanas, tais como o uso do combustível fóssil, o desmatamento, a intensificação da agricultura, a urbanização, a pesca predatória, e a produção de dejetos.

De acordo com o texto, essas mudanças podem acarretar graves consequências para o bem estar e a segurança da população mundial. Para se enfrentar essas mudanças, o texto aponta a necessidade da promoção de políticas inovadoras e a transformação social, com a participação das ciências sociais na reflexão e na busca de respostas para esse desafio.

O relatório reuniu mais de 150 autores, sendo 18 da América Latina. Françoise explicou que o texto teve como objetivo dar uma resposta à urgência das mudanças climáticas que, segundo ela, “ameaça nosso planeta, nossa única casa”. O documento procura trazer conhecimentos indispensáveis para a proteção dos recursos do planeta em prol da humanidade, valorizando a colaboração entre diferentes campos científicos e com grupos da sociedade, de modo a produzir conhecimento confiável e legítimo que sirvam para resolver os problemas do mundo real.

A pesquisadora ressaltou que os problemas ambientais e sociais são indissociáveis. Não se dão isoladamente. “O econômico não é o centro dos problemas, é mais um dos problemas. São as pessoas que estão no centro das mudanças ambientais. Estas afetam pessoas e pessoas afetam o meio ambiente”, disse.

O relatório apresenta as complexidades e consequências das mudanças ambientais em diferentes contextos, geográfico, cultural e pessoal. Ressalta a importância de se respeitar os diferentes valores, visões de mundo e crenças, mas também de criar condições para mudanças no comportamento individual e coletivo.

São também discutidas questões éticas e de justiça em relação ao desenvolvimento de soluções políticas, e para isto traz novas abordagens sobre governança e tomada de decisão, como por exemplo, o papel dos movimentos sociais e ambientais na mobilização da opinião pública, na denúncia de impactos ambientais e na cobrança por mudanças na legislação.

Constatou-se, no entanto, que o conhecimento das ciências sociais sobre a mudança ambiental global não está onde seria mais necessário. A Europa Ocidental e a América do Norte são as regiões que têm o maior número de publicações sobre o tema. Os motivos para isso parecem ser, segundo o relatório, a carência de fundos, de apoio institucional de incentivos para a pesquisa e de interesse dos próprios especialistas em ciências sociais.

Para minimizar esta desigualdade regional, o relatório propõe que se fortaleça a capacidade em ciências sociais, e que se acelere a transição para estudos interdisciplinares. O texto discute as repercussões, diretas e indiretas, que as mudanças ambientais globais provocam na sociedade, tais como o aumento da frequência de perigos já conhecidos como também surgimento de novos riscos e vulnerabilidades.

A proposta é de que as pesquisas em ciências sociais contribuam no fomento à economia verde, na análise das possibilidades e riscos da adoção de novas tecnologias, como a nanotecnologia e a química verde; no entendimento e facilitação da mudança de comportamento, no engajamento de tomadores de decisão. Além disso, as ciências sociais devem valorizar a interdisciplinaridade, construindo pontes entre os diferentes tipos de conhecimento.

No que se refere à governança e tomada de decisão, o documento aborda a concepção e elaboração de conhecimentos e políticas que permitam enfrentar estes problemas e questiona em que nível deve estar o poder de decisão para solucionar problemas locais, regionais e globais. De acordo com o texto, a solução deve ser buscada em conjunto por especialistas, políticos, organizações comunitárias, movimentos sociais, e setor privado. Para isso, no entanto, o relatório aponta a necessidade do estabelecimento de novos procedimentos mais inclusivos e participativos.

O “Relatório do Fórum Mundial de Ciências Sociais 2013: Mudanças Ambientais Globais” pode ser acessado em
http://www.worldsocialscience.org/activities/world-social-science-report/the-2013-report/

Matéria no Jornal da Ciência / SBPC, JC e-mail 4862, com informações de Beatriz Bulhões

 

EcoDebate, 27/11/2013


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Top