Petição exige que Coca, Pepsi e ABF acabem com injustiças em cadeia de produção de açúcar

 

Petição da Oxfam e da Change.org: Coca-Cola, PepsiCo e ABF, acabem com a apropriação injusta de terras em suas cadeias de fornecimento de cana-de-açúcar!

 

ciber ação

 

A petição demanda que as três gigantes de alimentos e bebidas garantam que o açúcar usado em seus produtos não seja originário de terras envolvidas em disputas


Muitas vezes, o açúcar utilizado na produção do seu alimento ou bebida favoritos é produzido a um custo alto: a expulsão dos agricultores de suas terras. A apropriação injusta de terras é o amargo segredo de indústria do açúcar. Mas você pode mudar isso”, diz a petição.

A petição (http://www.change.org/canajusta ) dá destaque ao caso de Edilza Duarte, 23, da comunidade indígena de Jatyvary, município de Ponta Porã, Mato Grosso do Sul, para ilustrar os impactos nocivos da explosão da produção de açúcar sobre a vida de pequenas comunidades em todo o mundo. Durante séculos, a comunidade Guarani-Kaiowá de Edilza caçava, pescava e plantava alimentos em suas terras em Ponta Porã – mas, há 40 anos, elas foram tomadas injustamente para o cultivo da cana-de-açúcar. Hoje, Edilza, seus dois filhos, e sua comunidade enfrentam a fome e graves problemas de saúde.

Nas palavras de Edilza: “Eles deveriam parar de fazer isso; já nos prejudicaram o suficiente.

É por isso que precisamos recuperar nossas terras; para que possamos plantar e comer. Queremos nossas terras de volta.”

A ação é um desdobramento do relatório inédito O GOSTO AMARGO DO AÇUCAR – O direito à terra e as cadeias de fornecimento de açúcar das maiores empresas de alimentos e bebidas, em que a Oxfam aponta as amargas relações entre o açúcar e os conflitos de terra em todo o mundo, com destaque para Brasil e Camboja.

A petição informa que, conforme aumenta a demanda por açúcar da indústria de alimentos, aumenta a disputa pela terra em todo o mundo. A Oxfam conclui que as empresas que fornecem açúcar para a Coca-Cola, PepsiCo, Associated British Foods e outros gigantes da indústria de alimentos e bebidas estão expulsando os pequenos agricultores de suas terras e roubando-lhes os seus direitos – deixando muitos desabrigados e com fome.

A mensagem encaminhada pelos assinantes às três empresas diz que elas devem:

• Saber como o açúcar utilizado na fabricação dos seus produtos impacta o acesso de comunidades à terra – e se elas e suas fornecedoras respeitam estes direitos;

• Revelar de onde vêm os ingredientes em seus produtos – e quem os cultiva;

• Agir, comprometendo-se com um nível de tolerância zero quanto a apropriações de terras em todas as suas cadeias de fornecimento e suas próprias operações. Trabalhar com governos – e outros – para que façam o mesmo.

Fazer-se ouvir não significa boicotar os seus produtos preferidos.

No documento, a Oxfam e a Change.org convidam o público a exigir a mudança desta realidade:

“Você pode mudar isso. As grandes empresas de alimentos e bebidas se importam com o que você pensa. Diga à Coca-Cola, à PepsiCo e à ABF que façam o que é bom para a Edilza. Diga à Coca-Cola, à Pepsi, à ABF e a todas as outras que garantam que o açúcar em seus produtos não vêm de apropriações injustas de terras”, diz a petição.

O relatório e a petição integram a campanha Por trás das Marcas, da Oxfam – por meio da qual mais de 120.000 pessoas em todo o mundo já demandaram que as maiores empresas de alimentos do mundo mudem a sua forma de fazer negócios.

 

 

MAIS INFORMAÇÕES:

PETIÇÃO:
http://www.change.org/canajusta

SITE CAMPANHA POR TRAS DAS MARCAS:
http://www.oxfam.org.br/portrasdasmarcas

FAN PAGE CAMPANHA:
http://https://www.facebook.com/campanhacresca

EcoDebate, 07/10/2013


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Top