O desmatamento da Amazônia e o possível fim da floresta até o ano de 2270, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

 

desmatamento e degradação florestal no bioma amazônia

 

[EcoDebate] Desde 1988, o Ministério do Meio Ambiente (MMA), em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) monitora, via satélite, o desmatamento na Amazônia. Um dos sistemas utilizados é o Programa de Monitoramento da Floresta Amazônica Brasileira por Satélite (Prodes), utilizado para identificar visualmente os polígonos de desflorestamento por meio de imagens.

Os dados são assustadores. O Brasil gastou 500 anos para destruir 93% da Mata Atlântica. Mas, no ritmo atual, a destruição da Amazônia (que ocupa 60% do território brasileiro) vai ocorrer em um espaço de tempo menor.

A Amazônia Legal brasileira possui(a) uma área de 5.217.423 km². De 1988 a 2012, os dados do Prodes mostram que o desmatamento atingiu o montante de 396.772 km². Essa área desflorestada é maior do que a soma dos territórios dos estados de São Paulo (248.209 km²), Rio de Janeiro (43.696 km²), Espírito Santo (46.078 km²), Alagoas (27.768 km²) e Sergipe (21.910 km²). No total, as cinco Unidades da Federação possuem uma área de 387.661 km², menor portanto do que os 397 mil km² destruídos da Floresta Amazônica entre 1988 e 2012. Outros 400 mil km² foram destruídos entre 1965 e 1988.

Na média dos 25 anos de dados do Prodes o desmatamento foi de 15.871 km², ao ano. Isto significa, que mantendo-se está média anual a amazônia brasileira vai ser totalmente destruída em um período de 329 anos (5,2 milhões dividido por 15,8 mil). Porém, como cerca de 20% da floresta já foi abatida ao longo da história recente, só temos cerca de 270 anos para derrubar o resto.

Ou seja, as atividades antrópicas desenvolvidas na amazônia para atender ao consumo da população brasileira e global estão promovendo a extinção da maior área de biodivesidade do Planeta. A Amazônia está sendo destruída pelas madeireiras, pelas mineradoras, pelo garimpo, pelas hidrelétricas, pelas cidades, pelas estradas, pela plantação de soja, pela criação da gado, pelo tráfico de espécies vegetais e animais e pela cobiça e egoísmo humano.

Algumas pessoas otimistas olharam os dados de 2004 a 2012 e perceberam uma diminuição do desmatamento de 27 mil km², em 2004, para 4,5 mil km², em 2012. Isto alimentou o sonho de que o desmatamento líquido da Amazônia pudesse chegar a zero ou até mesmo haver uma taxa de desmatamento negativa ou de reflorestamento positivo.

Todavia, os dados parciais de 2013 mostram uma aceleração da destruição. Dados de junho mostram que o desmatamento na Amazônia Legal, em junho de 2013, aumentou 437% em relação a junho de 2012. Se esta tendência continuar nos próximos meses, nenhuma esperança vai sobreviver, nem mesmo o Novo Código Florestal.

Para complicar a situação, o desmatamento detectado, em junho de 2013, comprometeu 3,5 milhões de toneladas de CO2 equivalente. No acumulado do período (agosto 2012 a junho de 2013) as emissões de CO2 equivalentes comprometidas com o desmatamento totalizaram 97 milhões de toneladas, o que representa um aumento de 90% em relação ao período anterior (agosto de 2011 a junho de 2012).

Desta forma, se nada for feito para mudar o ritmo de destruição da Amazônia, o futuro do Brasil e do mundo será marcado por menor biodiversidade e maiores níveis de aquecimento global. O Antropoceno – era de dominação da ganância humana – poderá ser conhecido, talvez pelos extraterrestres, como o período em que uma espécie mesquinha provocou a destruição em massa da vida na Terra.

Referências:

  • INPE. Taxas anuais do desmatamento – 1988 até 2012

http://www.obt.inpe.br/prodes/prodes_1988_2012.htm

  • Miriam Leitão. Amazônia: O desmatamento continua e Novo Mundo. O Globo. Jul 2013

http://oglobo.globo.com/pais/noblat/posts/2013/07/17/desmatamento-continua-503761.asp

http://oglobo.globo.com/economia/miriam/posts/2013/07/21/novo-mundo-504093.asp

  • EcoDebate. Desmatamento na Amazônia Legal aumentou 437% em relação a junho de 2012

http://www.ecodebate.com.br/2013/07/19/desmatamento-na-amazonia-legal-aumentou-437-em-relacao-a-junho-de-2012/

  • ALVES, JED. Amazônia não é nossa! EcoDebate, Rio de Janeiro, 21/03/2012

http://www.ecodebate.com.br/2012/03/21/a-amazonia-nao-e-nossa-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

  • ALVES, JED. A destruição da Amazônia, EcoDebate, Rio de Janeiro, 01/02/2013

http://www.ecodebate.com.br/2013/02/01/especismo-e-ecocidio-a-destruicao-da-amazonia-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado em Estudos Populacionais e Pesquisas Sociais da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

 

EcoDebate, 02/08/2013


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

3 comentários em “O desmatamento da Amazônia e o possível fim da floresta até o ano de 2270, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  1. Já passou da hora de acontecer uma nova revolução mundial, a Ecorevolução, a favor de uma Ecoeconomia.

  2. Já passou da hora, e muito. E a revolução está diretamente relacionada com a redução planetária da população humana.

Comentários encerrados.

Top