Senadores e movimento social defendem divulgação do Relatório Figueiredo, sobre crimes contra índios

 

Brasília, 23/04/2013 – Um grupo de índios xavantes, que vivem na Terra Indígena Marãiwatsédé, no norte de Mato Grosso, entregou a representantes da Comissão Nacional da Verdade um documento em que relatam episódios de violações aos seus direitos ao longo de décadas. Foto de Antonio Cruz/ABr/Portal Terra
Brasília, 23/04/2013 – Um grupo de índios xavantes, que vivem na Terra Indígena Marãiwatsédé, no norte de Mato Grosso, entregou a representantes da Comissão Nacional da Verdade um documento em que relatam episódios de violações aos seus direitos ao longo de décadas. Foto de Antonio Cruz/ABr/Portal Terra

 

Parlamentares e representantes de organizações sociais defendem a divulgação do teor do Relatório Figueiredo, extenso documento produzido pelo Estado brasileiro, durante o regime militar, sobre os crimes e as violações cometidas contra os povos indígenas entre 1946 e 1967. Para eles, o conhecimento das “barbáries” e injustiças cometidas contra os índios em nome de uma visão de desenvolvimento é importante em um momento que, segundo eles, os direitos indígenas estão “sob ataque”.

“É preciso conhecer e estudar a fundo o relatório para que a sociedade evolua em seus conceitos”, disse o vice-presidente do Grupo Tortura Nunca Mais de São Paulo, o historiador Marcelo Zelic, um dos convidados para a audiência pública de ontem (22) na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado.

Zelic foi quem, em abril deste ano, localizou o relatório entre os muitos documentos guardados no Museu do Índio do Rio de Janeiro. Dado como perdido há mais de 40 anos, o relatório de mais de 5 mil páginas foi produzido pelo procurador Jader de Figueiredo Correia (já falecido), por iniciativa do extinto Ministério do Interior. Com uma equipe de técnicos e policiais, Figueiredo percorreu o país apurando denúncias de crimes cometidos contra a população indígena. Em seu relatório, apontou a expulsão e o extermínio de tribos inteiras, o uso de torturas e outras formas de violência – muitas vezes praticadas por servidores do extinto Serviço de Proteção ao Índio, órgão federal que antecedeu a Funai (criada em 1967).

Em um texto intitulado O Eterno Retorno do Mesmo, distribuído e lido durante a audiência, Zelic defende que a divulgação do Relatório Figueiredo ajudará a sociedade a refletir, com base em informações chanceladas pelo próprio Estado brasileiro, sobre como “evitar retrocessos” em relação às garantias constitucionais dos povos indígenas.

Como exemplo do que classifica como retrocessos, Zelic citou a decisão do governo federal de suspender estudos para a demarcação de terras indígenas no Paraná até que outros órgãos, além da Funai, sejam consultados. Entre estes órgãos estão a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o Ministério da Agricultura, conforme anunciou a ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, ao detalhar a proposta.

“A experiência histórica já mostrou que o Ministério da Agricultura tem interesses conflitantes com uma política pública de respeito à cultura, recuperação de áreas subtraídas, demarcação e preservação das áreas de existência das populações indígenas”, comentou Zelic, acrescentou que o relatório apurou denúncias contra os servidores do Serviço de Proteção ao Índio (SPI), a razão pela qual o regime militar extinguiu o órgão e criou a Funai.

Criado em 1946, o SPI era subordinado ao Ministério da Agricultura até 1967, quando foi substituído pela Funai, que passou a ser vinculada ao Ministério do Interior, até 1991. Depois, passou para a competência do Ministério da Justiça, onde permanece até hoje.

“Retornar a questão da demarcação de terras indígenas e as políticas públicas voltadas aos índios à esfera de influência do Ministério da Agricultura é um enorme retrocesso civilizatório”, acrescentou o historiador.

Para a assessora da diretoria de Proteção Territorial da Funai, Érika Yamada, o quadro de violência e de negação de direitos descrito no Relatório Figueiredo se mantém atual. “Temos visto afrontas à dignidade dos povos indígenas. O relatório traz informações que podem proporcionar à sociedade uma consciência sobre a questão indígena. E são esses elementos que vão nos ajudar a decidir que rumos queremos seguir enquanto país, pois isso, eu acho, ainda não está dado”, concluiu.

Ao fim da audiência, a presidenta da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa, senadora Ana Rita (PT-ES), e o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) defenderam que o conteúdo seja amplamente divulgado. “Uma de nossas sugestões será publicarmos um trabalho a partir do relatório. Todos tem que ter conhecimento do que ocorreu para que isso nunca mais se repita”, disse Rodrigues, defendendo a necessidade de maior mobilização popular contra a “ofensiva contra os povos indígenas”.

Procurados pela Agência Brasil, a Secretaria de Direitos Humanos e o Ministério da Justiça não se manifestaram até o momento.

Edição: Carolina Pimentel

Reportagem de Alex Rodrigues, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate, 23/05/2013

Nota do EcoDebate: Sobre o mesmo tema sugerimos que leiam, também, as matérias:

Relatório Figueiredo. ‘Exame de consciência de como o Brasil tratou e trata os povos indígenas’

Relatório que denuncia violência contra indígenas no período militar será analisado na Comissão da Verdade

Agentes do extinto serviço de proteção escravizavam índios, aponta Relatório Figueiredo

Relatório ‘perdido’ expõe genocídio de índios brasileiros


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Top