Leitores de manchetes, artigo de Montserrat Martins

 

jornais
Foto: Marcos Santos/USP Imagens

 

[EcoDebate] Bolsa do governo federal para prostituição, você ouviu falar? Está na internet, como também está que a Marina “defendeu” o Feliciano, duas “notícias” que tem em comum serem falsas, “anti-campanhas” políticas criadas na internet, espalhando falsas versões dos fatos. Porque isso se prolifera tanto aqui, nosso esporte nacional é mesmo a fofoca?

Lembro minha surpresa na Alemanha encontrando nas bancas revistas sobre programas de TV, tipo as revistas brasileiras sobre novelas; surpresa porque eu imaginava que esse tipo de “informação” era um fenômeno tipicamente brasileiro. Tá bom, pode até ser universal, mas vamos dizer que a fofoca aqui tem vida mais fácil que em países mais sisudos, pode ser?

Vivemos numa cultura de manchetes: ler os títulos sem ler os textos, ouvir falar e fazer suas próprias associações. Sei de um adolescente que escreveu uma redação indignada porque o Ronaldo Fenômeno ganhou milhões “do governo” para emagrecer, até lhe lembrarem que quem pagou foi a Globo. Sim, o dinheiro público também vai para as grandes empresas (ta aí o Eike), mas aquele adolescente não estava pensando nisso, só trocando dados, com sua justa indignação.

O Brasil se destaca entre o público do Facebook, um fenômeno mundial que agora é a ‘coqueluche nacional’ (ou ‘dengue nacional’, atualizando a gíria?). Não é por acaso, redes sociais são perfeitas para informações assim, tipo memes. Estes, por definição, são pequenos pedaços de informação que se propagam como vírus. O conceito de “meme” foi criado por um cientista neo-darwinista, por analogia com os genes: assim como os seres vivos tendem a reproduzir seus gens, suas idéias também tendem a se difundir, em pequenos fragmentos de fácil memorização.

Memes não tem o menor compromisso com a verdade: assim como vírus, sua tendência é a propagação, são “amorais” (prévios à moral) porque se propagam automaticamente, por sua própria natureza. O uso político que se faz deles, claro, é outra coisa. Campanhas difamatórias são a base da velha política, do tipo mais rasteiro, aquele de caluniar seus adversários. Essa prática é imoral, mas a maior parcela da população nem pensa nisso, reproduz automaticamente esses memes – por essa característica de se reproduzir sem que as pessoas pensem antes de os adotarem é que são memes. Tente criar um ‘meme’ complexo, não há como: memes são superficiais, por sua própria natureza de fragmentos de memória de fácil memorização e difusão.

Esse é o cenário do século XXI e é nele que temos de viver – no Brasil então nem se fala, um ambiente cultural propício para “leitores de manchetes”, em que saímos repetindo o que não sabemos bem. Sem esquecer que não é fenômeno só nosso, mas universal, calcado em características humanas, que merecem ser melhor compreendidas. Um belo tema para trabalhos científicos nessa área, das ciências humanas e sociais.

Montserrat Martins, Colunista do Portal EcoDebate, é Psiquiatra.

 

EcoDebate, 20/05/2013


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Top