Fornos clandestinos para produção de carvão são destruídos no norte do Rio

 

Fornos clandestinos para produção de carvão. Foto de arquivo MMA
Foto de arquivo MMA

 

Uma ação contra o crime ambiental no município de São Francisco de Itabapoana, no norte fluminense, destruiu dezenas de fornos clandestinos e resultou na prisão de três pessoas em blitz ecológica deflagrada ontem (17) no entorno da Estação Ecológica Estadual de Guaxindiba, pela Coordenadoria Integrada de Combate aos Crimes Ambientais (Cicca).

Os fiscais apreenderam ainda 14 pássaros silvestres que estavam em gaiolas, e que foram devolvidos à natureza. Um dos três presos responderá também pelo crime de manter animais silvestres em cativeiro.

A ação teve a participação de 40 homens, entre fiscais do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e policiais do Comando de Policiamento Ambiental (CPAm). Ao percorrem o entorno da estação ecológica, as equipes encontraram dezenas de fornos de carvão clandestinos, que foram destruídos com o auxílio de uma retroescavadeira.

O secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, disse que as operações de combate aos crimes ambientais vão continuar na região. “Estamos empenhados em combater os degradadores do meio ambiente. Não vamos permitir que a Estação Ecológica de Guaxindiba continue a ser carbonizada por fornos ilegais”, garantiu.

Segundo o coordenador da Cicca, José Maurício Padrone, nesse tipo de atividade existe uma série de irregularidades, como poluição causada pela queima da madeira; trabalho semelhante à escravidão, inclusive com a presença de menores; corte ilegal de madeira; e ausência de licença ambiental para o exercício do negócio.

“Quem for flagrado produzindo carvão em desacordo com as determinações legais responderá por crime ambiental, com pena de reclusão de um a dois anos e multa de R$ 500 por metro”, informou.

A Estação Ecológica Estadual de Guaxindiba é o maior e último remanescente de Mata Atlântica do norte do estado do Rio, sendo a cobertura vegetal mais expressiva e importante da região. Antigamente, a região era conhecida como Mata do Carvão, devido à grande quantidade de fornos de carvão que existiam nas redondezas.

Atualmente, a produção de carvão é autorizada somente com licença do Inea. Os critérios para licenciamento são rigorosos, não se permitindo qualquer atividade do gênero próximo a áreas de proteção ambiental.

Edição: Davi Oliveira

Reportagem de Douglas Corrêa, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate, 18/01/2013


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

2 comentários em “Fornos clandestinos para produção de carvão são destruídos no norte do Rio

  1. A indginação se deve ao fato dos fornos estarem instalados e operando e somente agora que a Administração da Estação Ecológica tomou conhecimento.

  2. Esta é uma evidência de que a Mata Atlântica inda esta sendo destruída, a preço de nada

Comentários encerrados.

Top