Tribo paiter suruí, de Rondônia, obtém certificado para gerar créditos de carbono, mas falta regulamentação

 

notícia

Tribo obtém certificado, mas falta regulamentação – Os paiter suruí receberam qualificação para gerar créditos de carbono, mas lei não saiu e agora estão sob alvo dos madeireiros

Há cinco meses, quando obteve dois importantes certificados internacionais, a tribo paiter suruí, de Rondônia, qualificou-se de forma exemplar para gerar créditos no mercado de carbono. Os acordos, porém, não saíram do papel. À espera de regulação específica para o setor, o projeto de compensação ambiental em terras indígenas mais bem acabado do País é ameaçado pela extração ilegal de madeira. Matéria de Bruno Deiro, em O Estado de S.Paulo.

Almir Narayamoga Suruí, líder da Associação Metareilá do Povo Indígena Suruí, afirma que as invasões se intensificaram nos últimos três meses. “Não dá para proteger nosso território se não tivermos apoio. A preservação depende de políticas públicas, como leis de fiscalização e apoio ao desenvolvimento sustentável”, afirma.

Jurado de morte pelos madeireiros, o cacique anda escoltado por membros da Força Nacional de Segurança Pública (FNSP) desde junho. Nas últimas semanas, reuniu-se com representantes da Polícia Federal e do Ministério Público, que prometeram investigar o problema.

“É preciso criar iniciativas que não sejam só imediatistas, como prender madeireiros. Estamos dialogando com essas instituições para buscar alternativas conjuntas”, reclama Suruí, que em 2010 teve de se refugiar em Genebra, na Suíça, para fugir das ameaças. “Temos de buscar soluções específicas para melhorar e reconhecer os projetos de florestas em pé.”

A Fundação Nacional do Índio (Funai), uma das entidades que apoiam a iniciativa da tribo, garante que tem auxiliado na fiscalização da área.

“Recentemente, demos suporte a uma equipe que veio de Brasília para fazer uma operação sigilosa”, afirma Vicente Batista Filho, coordenador regional em Ji-Paraná, cidade próxima a Cacoal, onde se localiza a área indígena.

Em junho deste ano, a Funai tentou reforçar a proteção às áreas do País ocupadas por tribos ao lançar a Política Nacional de Gestão Ambiental e Territorial de Terras Indígenas (PNGATI). Almir Suruí, no entanto, acusa o governo federal de provocar um clima favorável às invasões. “A indefinição sobre o Código Florestal e a portaria da AGU que permite exploração de área indígena incentivam os madeireiros ilegais”, afirma.

Desmatamento. O plano de Redução de Emissões por Desmatamento (Redd) dos paiter suruís levou quatro anos para ser criado. Com o nome de Projeto de Carbono Florestal Suruí, é o único do País que recebeu os selos VCS (Verified Carbon Standard) e CCB (Climate, Community and Biodiversity).

“Nosso projeto foi validado pelos dois principais selos. Mas essa validação não é constante e só tem a certificação efetivada quando a área passar a ser monitorada e obter resultados”, explica Mariano Cenamo, pesquisador do Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas (Idesam), que ajudou a tribo na formatação e certificação do empreendimento.

Emperrado em meio à discussão sobre o novo Código Florestal, o mercado de venda de crédito de carbono ainda não tem regulamentação definida no País. Enquanto isso, a tribo paiter suruí vê o potencial do projeto cada vez mais colocado em risco.

A falta de leis provoca insegurança entre os investidores, que no momento evitam colocar dinheiro no projeto. Mesmo com empresas interessadas, não há recursos próprios para a criação dos postos de fiscalização previstos no projeto original.

As constantes invasões de madeireiros, dizem os especialistas, pode afetar os estoques de carbono da área e gerar emissões não calculadas. “Nossa previsão era de gerar algo em torno de 350 mil toneladas de CO2 em um primeiro momento, mas isto já pode não ser possível por causa desse desmatamento”, diz Cenamo, que afirma que o projeto deve passar nos próximos meses por sua primeira verificação por parte das entidades internacionais.

O projeto em Cacoal foi o primeiro do País a receber apoio oficial de entidades como a Funai e a Advocacia-Geral da União. Há outras dezenas que têm seus contratos investigados: há duas semanas, o Ministério Público Federal abriu inquérito para investigar um contrato de US$ 90 milhões firmado entre a empresa irlandesa Celestial Green Ventures e a comunidade indígena mundurucu no interior do Pará.

“O caso da tribo paiter suruí é de certificação voluntária e conformidade com a lei. Enquanto isso, várias outras tribos vêm sofrendo assédio de empresas estrangeiras, sem critério nenhum”, afirma Cenamo.

EcoDebate, 31/08/2012

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Um comentário em “Tribo paiter suruí, de Rondônia, obtém certificado para gerar créditos de carbono, mas falta regulamentação

  1. A noticia, inicial e aparentemente boa em termos ambientalista, como ativista que sou, tem várias nuances e insights a conjecturar.
    Prefiro que as boas regras de preservação e manutenção da qualidade de vida e de sustentabilidade desta, no planeta, se dê por NORMAS DIRETIVAS E FISCALIZADORAS PARA COMPROMISSO DE FAZER, em alçadas primeiramente nacionais e com reforço por acordos internacionais em foro apropriado, e não por regras de mercado de um capitalismo – agora selvagem mesmo – que, tal como Caramuru mas em dimensões incomparavelmente superiores, quebrará a tutela hegemônica do pais sobre seu território, permitindo que indígenas negociem a preservação das florestas por dinheiro e não por princípios e à revelia do Governo Federal.
    Acho que já á passada a hora, mas a tempo de recuperar o mérito, de reformar a constituição e integrar os territórios indígenas à Federação, como unidades federadas, com todos os formatos de um novo tipo de estado, com inovadora gestão que respeite tanto os direitos territoriais indigenas como, e também, os deveres de unidade nacional e de sua organização democrática.
    Os “Certificados de Crédito de Carbono” será um estímulo à continuidade de práticas anti-ambientais de um lado, a persistir apenas pelo poder de compra que o capitalismo e o mercado global abre em oportunidades de se “inocentar dos males que causa” desde que compensado com a conservação do ambiente “dos outros”,
    A teoria dos certificados de crédito de carbono é mais uma bem elaborada forma de continuidade dos descalabros das poluições e degradações em um lugar a ser compensada com a manutenção ambiental correta em outros.
    Não me enganem porque “eu não gosto”!
    O degradar aqui ou acolá desde que se “pague” a preservação em outro lugar, tem a mesma equação de como “continuar a promover a morte” de seres humanos desde que mantenha uma maternidade em quantidade equivalente e em qualquer localidade. O mesmo com a vida animal. O mesmo com a vida vegetal. O empreendedor capitalista que e seja um predador, adorará o custeio da alternativa. Ou seja, para ele, o Crédito de Carbono é a pré-absolvição de seus crimes ambientais contra a natureza e o Planeta. Dá o que pensar…não?

Comentários encerrados.

Top