Código Florestal: Gilberto Carvalho diz que Dilma analisará com ‘serenidade’ possibilidade de veto

 

Brasília - O secretário-Geral da Presidência da República, ministro Gilberto Carvalho, participa das discussões denominadas Diálogos Sociais Rumo à Rio+20, a conferência que ocorre de 13 a 22 de junho, no Rio de Janeiro, quando será o desenvolvimento sustentável com inclusão social. Foto de Wilson Dias/ABr
Brasília – O secretário-Geral da Presidência da República, ministro Gilberto Carvalho, participa das discussões denominadas Diálogos Sociais Rumo à Rio+20, a conferência que ocorre de 13 a 22 de junho, no Rio de Janeiro, quando será o desenvolvimento sustentável com inclusão social. Foto de Wilson Dias/ABr

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, ressaltou ontem (26) que o texto do Código Florestal, aprovado, na noite de 25/4, na Câmara dos Deputados, não foi o esperado pelo governo e lembrou que a presidenta tem direito ao veto e irá analisar a possibilidade com “serenidade”.

“É público e notório que nós esperávamos um resultado que desse sequência àquilo que foi acordado no Senado”, disse. “Como nos é dado também pela Constituição o direito ao veto, a presidenta vai analisar com muita serenidade, sem animosidade, sem adiantar nenhuma solução. Vamos analisar com calma”, completou após participar da abertura do debate Diálogos Sociais: Rumo à Rio+20.

O ser perguntado se a aprovação do texto representou uma vitória da bancada ruralista, Gilberto Carvalho respondeu que se trata de uma “correlação de forças” no Congresso. “Agora nós vamos, com sangue-frio e tranquilidade, analisar”, destacou.

O ministro disse ainda que a decisão da presidenta Dilma levará em conta aspectos além da repercussão que o Código Florestal possa ter na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20). “Muito mais importante que a Rio+20 é o nosso cuidado com a preservação e com o modelo de desenvolvimento sustentável que pregamos.”

O texto base do novo Código Florestal foi aprovado ontem (25) na Câmara dos Deputados com as mudanças propostas pelo relator da matéria, deputado Paulo Piau (PMDB-MG), que agradaram aos ruralistas.

O governo e os ambientalistas defendiam o texto aprovado pelos senadores e enviado à Câmara para nova votação, com o argumento que, no Senado, a proposta havia sido acordada com o setor produtivo e com os ambientalistas, e que também contou com a aprovação de deputados.

Reportagem de Yara Aquino, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate, 27/04/2012

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

Top