‘Apenas a agricultura camponesa vai alimentar o mundo no momento de crise’, diz especialista

 

Seminário debate os conceitos e negócios por trás do modelo que será defendido pela ONU na Rio+20 e expoe os riscos da Economia Verde para a qualidade de vida no planeta.

Durante o seminário Por um outra economia, Pat Mooney, diretor da ONG canadense ETC Group, ressaltou a importância da agricultura familiar e camponesa no momento de crise social e ambiental pelo qual passa o planeta. “Sem nenhuma sombra de dúvidas, apenas a agricultura camponesa irá alimentar o mundo. Hoje ela já alimenta 70% da população mundial”, disse Mooney, ressaltando a grande diversidade da agricultura familiar, ao contrário do que demonstram as práticas do agronegócio. “O sistema de agricultura industrial trabalha com, no máximo, 150 variedades de alimentos. No entanto, o foco principal deles está em 12 variedades. Eles alegam que se puderem fazer uma engenharia dessas 12 variedades, resolvem a questão da alimentação. Enquanto isso, a rede mundial de agricultura camponesa trabalha com sete mil espécies. Então, quem vocês acham que vai nos dar as maiores chances de nos alimentar diante das mudanças climáticas?”, questionou.

A ETC Group realiza uma série de estudos sobre os mecanismos das multinacionais para tentar privatizar a biodiversidade do planeta. Segundo o pesquisador, desde a Conferência de Estocolmo, em 1972, as indústrias do sistema agroalimentar produziram 80 mil variedades de plantas. Entretanto, 59% dessas variedades são de espécies ornamentais. “Comparado a essas 80 mil variedades que as indústrias produziram, a agricultura camponesa mundial produziu 2,1 milhões de variedades. Então, quem tem a flexibilidade para suportar as mudanças climáticas?”, ponderou. De acordo com Mooney, na criação de animais a desproporção na diversidade de produção do agronegócio e da agricultura camponesa se mantém – na criação de peixes, por exemplo, o agronegócio cria 363 espécies, já a produção artesanal dos camponeses trabalha com 22 mil espécies.

Mooney também apresentou dados sobre a preservação dos solos. “As empresas de fertilizantes conseguem destruir 70 bilhões de toneladas da camada fértil do solo por ano. Já os sistemas camponeses de produção conservam 140 bilhões de toneladas dessa camada do solo”, informou. O pesquisador disse ainda que as empresas do agronegócio tentam buscar nos territórios dos camponeses a diversidade preservada por eles para que possam realizar cruzamentos em laboratório. Segundo Mooney, as empresas estão em busca de espécies silvestres existentes nos territórios camponeses ou nas zonas próximas e nas florestas ao redor dos territórios camponeses, que contabilizam uma diversidade de 50 a 60 mil espécies silvestres.

Campo de batalha na Rio+20

Para Mooney, a pressão sobre o Brasil duplicou com a escolha recente de um brasileiro como secretário executivo do Secretariado da Convenção sobre Diversidade Biológica da ONU, o ex-secretário nacional de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente, Bráulio Dias. Segundo Mooney, a Conferência Rio+20 será um campo de batalha sobre a biodiversidade do planeta, que já perdeu para as corporações 23,8% das espécies. “O que o capitalismo vem buscar aqui são os 76,2% que restam. Essa é a batalha do Rio. Com a crise das hipotecas em 2007, nós já demos aos banqueiros 14 trilhões de dólares. Agora, se aceitarmos essa nova proposta de financeirização da natureza, o que estamos dizendo para aqueles mesmos bancos é que eles podem vir e brincar em nosso jardim. Seremos insanos se aceitarmos isso”, finalizou.

Matéria de Raquel Júnia – Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz)

EcoDebate, 07/02/2012

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

2 comentários em “‘Apenas a agricultura camponesa vai alimentar o mundo no momento de crise’, diz especialista

  1. Esperamos que a agricultura familiar não seja inviabilizada pela força avassaladora dos transgênicos da MONSANTO com suas sementes “cativas e dominantes” que se proliferam por todo o mundo. Este é um risco imediato que pode comprometer de forma irreversível o processo natural que multiplica em quantidade e qualidade a vida planetária. Tristemente vêm empresas como MONSANTO, BULGLE, ALÉM DE OUTRAS, para esterilizar e inviabilizar esse processo natural, sábio e maravilhoso de multiplicar a vida em abundância! A Revolução Verde deles só trouxe miséria em grande escala no aspecto socioambiental. Estas empresas merecem ser eliminadas do mercado brasileiro, porque roubam a riqueza do solo, a água, empurram veneno e deixa um rastro sanguinolento de miséria. No entanto constatamos que o governo não tem peito para isso! Como na mão dos grandes empreendedores do agronegócio brasileiro que vivem atrelados a esse processo desnaturalizante, cruel e contra a vida em todas as suas formas multifárias. Essses são os crimes de lesa-humanidade que são praticados sem qualquer intervenção por parte do Poder Público como um todo!

    Luiz

  2. Vandana Shiva tem um ótimo trabalho sobre as privatizações de sementes, solo e conhecimentos no mundo, principalmente na Índia: Monoculturas da mente.
    Vale a pena ser lido e tem tudo a ver com o assunto, inclusive dando nomes aos bois.
    Outra sugestão é o filme O Veneno esta na mesa, divulgado aqui no Ecodebate quando de seu lançamento, aproximando da realidade brasileira.

Comentários encerrados.

Top