Nível do mar sobe cada vez mais rápido no litoral norte de São Paulo ameaçando cidades costeiras

 

Sobe cada vez mais rápido o nível do mar no litoral norte de São Paulo, aponta pesquisa coordenada pelo professor do Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental da Universidade de São Paulo (USP), Paolo Alfredini. Com base nos registros feitos de 1944 a 2007 pela Companhia Docas do Estado de São Paulo, em Santos, Alfredini constatou uma elevação do mar de 74 centímetros por século. Também foi analisada a documentação de outras instituições em Ubatuba, São Sebastião e Caraguatatuba .

Nas últimas décadas, no entanto, o avanço das águas marítimas foi mais rápido. “Nos últimos 20 anos, analisando esses dados, a gente nota que tem havido uma aceleração. Isso aparentemente está ligado ao fato que as temperaturas têm aumentado mais nesse período”, ressaltou o professor. Com isso, a estimativa de Alfredini é que neste século o nível do mar suba cerca de 1 metro.

Um aumento desse nível significa, segundo Alfredini, a perda de 100 metros de praia em áreas com declividades suaves. Essa aproximação das águas pode colocar em risco construções à beira mar. “A quebra da onda vai ficar muito mais próxima das avenidas, onde existem ocupações urbanas. Vai começar a solapar e erodir muros”, disse. “Tubulações que passem perto da praia, como emissários de esgoto, interceptores de águas pluviais, podem vir a ser descalçados e eventualmente até romper”, completou.

Outro fator que ameaça as construções costeiras, verificado no estudo, é o aumento da altura das ondas nas ressacas e tempestades marítimas, além do aumento da frequência desses fenômenos. “Havendo um recrudescimento das ondas, isso também vai provocar mais erosões [nas praias]”, alertou o pesquisador.

A elevação do nível do mar poderá ainda, segundo Alfredini, causar problemas para o abastecimento de água em algumas cidades. Segundo ele, esse processo tende a causar um aumento no volume de água que se infiltra nos rios. “ Portanto, as tomadas de água para abastecimento público e industrial poderão começar a receber água com maior teor de salinidade. E isso pode começar a complicar ou inviabilizar o tratamento da água”.

Para amenizar esses problemas, o pesquisador aponta a necessidade de preparação das cidades afetadas, com a construção, por exemplo, de obras de defesa costeira. “Tem que ter nesses governos municipais, principalmente, que estão em áreas de extremo risco, consciência de que isso é uma realidade”.

Reportagem de Daniel Mello, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate, 29/12/2011

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

3 comentários em “Nível do mar sobe cada vez mais rápido no litoral norte de São Paulo ameaçando cidades costeiras

  1. Prezados

    Água não faz escada e se o nível do mar sobe em Santos ele subirá em todo o planeta.

    A análise do Paulo Alfredini está errada. Se todo o gelo oceânico derreter, o nível do mar não subirá 1 mm, é um problema de física, não se cria pressão do nada.

    Faça uma experiência. Coloque numa jarra transparente água e gelo. Marque o nível e espere que o gelo derreta. Assim que todo gelo derrter o nível estará no mesmo lugar. Esclarecimentos adicionais no e mail abaixo

    Sds Vicente Lassandro Neto
    vilanet@petrobras.com.br

  2. O artigo peca por não contextualizar o dito aumento do nível oceânico (a se comprovar) com os ciclos geológicos/climáticos do planeta. Ao longo do próprio Quaternário, últimos 2 milhões de anos, aconteceram várias e intensas variações climáticas com grandes alterações do nível oceânico.

    No caso o que caberia é uma melhor regulação técnica da ocupação urbana em nossos litorais, proibindo-se a ocupação de faixas sob alcance de notórias flutuações do nível marinho.

    Cartas Geotécnicas para tanto elaboradas seriam instrumentos formidáveis para esse desejado planejamento urbano.

    Obras de proteção são de duvidosa eficiência, podem desorganizar a sedimentação/erosão litorânea, oneram a sociedade. Mas certos governantes e certas empreiteiras de obras de engenharia as adoram.

    Abs
    Geól. Álvaro

  3. Medidas recentes de satélites apontam o nível do mar subindo em torno de 2,7mm/a, sendo que nos últimos 2/3 anos está estável e aponta inclusive queda (satélite Envisat). Arredondando para 3mm/ano, em 100 anos teriamos 300mm o que seria em torno de 30cm/século. Está claro que outros fatores (e geológicos) influem no norte de São Paulo, que não somente a elevação das temperaturas na superfície.

Comentários encerrados.

Top