Ibama retira gado apreendido em área embargada em Novo Progresso, no Pará

 




Gado apreendido pelo Ibama em Novo Progresso é retirado em 12 de agosto de 2011

O Ibama começou a retirar nesta quinta-feira (11/08) as cerca de 900 cabeças de gado apreendidas pela Operação Disparada no final de março em Novo Progresso, no sudoeste do Pará. A primeira leva de animais, que eram criados em uma fazenda ilegalmente desmatada e embargada, saiu da cidade em dois caminhões escoltados por fiscais armados e homens do Batalhão de Polícia Ambiental de Belém. Após a conclusão do processo de de doação junto ao Ibama, os bois serão destinados a uma entidade de apoio a pessoas carentes e sem fins lucrativos do estado.

A saída do gado de Novo Progresso, um dos municípios que mais desmatam na Amazônia, foi precedida de mais de três meses de disputa na Justiça, onde o fazendeiro, autuado por crime ambiental, tentava impedir a doação do rebanho apreendido na área embargada. Neste período, o helicóptero do Ibama que dava apoio à operação Disparada chegou a ser acorrentado e reforços do instituto, da Polícia Federal e da Força Nacional foram enviados à cidade. Nesta quinta-feira, pouco antes da partida dos caminhões com os primeiros bois, houve uma última tentativa frustrada de manter os bois na cidade: uma das pontes de madeira que dá acesso ao município foi sabotada.

“Operações como as que envolvem apreensão de gado requerem paciência, determinação e objetividade. São determinantes para a vitória contra o desmatamento ilegal em toda a Amazônia, se for necessário, nelas empregaremos, todas as nossas energias ”, afirmou o coordenador-geral de Fiscalização Ambiental, Bruno Barbosa.

Pecuária ilegal

Os cerca de 900 animais foram apreendidos na fazenda Jatobá, localizada no município de Altamira, mas dentro da área de influência de Novo Progresso. O histórico da fazenda inclui também outros autos de infração por desmatamento ilegal, impedimento da regeneração, quebra de embargo e notificação de retirada de gado. O último embargo, feito na propriedade em 2010, determinava que o fazendeiro retirasse todo o gado da área, de cerca de 1,3 mil hectares. Na operação Disparada, o fazendeiro, além da apreensão do gado que mantinha ilegalmente na área, foi multado em aproximadamente R$ 7 milhões, por ter impedido a regeneração da floresta, e em R$ 500 mil, por não atender a notificação para retirar o rebanho.

Na frente paraense, outras duas fazendas embargadas tiveram rebanhos apreendidos, desta vez no sudeste do Pará. No total, 1,6 mil cabeças de gado foram apreendidas no estado em Redenção, São Félix do Xingu e Altamira.

A operação Disparada combate a pecuária ilegal simultaneamente em cinco regiões da Amazônia Legal, localizadas no Pará, Mato Grosso e Amazonas. Em toda a Amazônia, o número de gado apreendido até o momento chegou a 5,4 mil animais. A pecuária desenvolvida em áreas ilegais é um dos principais vetores do desmatamento da Amazônia.

Nelson Feitosa, Ascom – Ibama/PA
Fotos: Nelson Feitosa – Ibama/PA

EcoDebate, 19/09/2011

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

Top