Crescimento das cidades coloca em risco o meio ambiente global

[Por David DeFusco, em EcoDebate] O crescimento explosivo das cidades em todo o mundo ao longo das próximas duas décadas apresenta sérios riscos às pessoas e ao meio ambiente global, de acordo com uma metanálise publicada hoje no PlosOne.

Pesquisadores de Yale, Estado do Arizona, Texas A&M e Stanford prevêem que até 2030 as áreas urbanas se expandirão por 590.000 milhas quadradas —quase o tamanho da Mongólia — para servir às necessidades de 1.47 bilhões de pessoas que vivem nas áreas urbanas.

“É provável que essas cidades sejam desenvolvidas em locais que são os mais diversos biologicamente,“ disse Karen Seto, o autor-líder do estudo e professor associado no ambiente urbano na Yale School de Estudos Ambientais & de Silvicultura. “Eles continuarão crescendo e expandindo-se em florestas, pontos quentes biológicos, savanas, linhas costeiras – locais vulneráveis e sensíveis.”

As áreas que encontraram foram se expandindo mais rapidamente ao longo das costas. “De todos os lugares para as cidades crescerem, as costas são as mais vulneráveis.

As pessoas e as infra-estruturas estão sob risco de inundações, tsunamis, furações e outros desastres ambientais,” disse Seto.

O estudo fornece uma estimativa inicial de quão rápido as áreas urbanas mundialmente estão crescendo e quão rápido elas podem crescer no futuro. “Sabemos bastante sobre os padrões globais de crescimento da população urbana, mas sabemos muito menos sobre como as áreas urbanas estão mudando”, disse ela. “

“Alterações na cobertura da terra associadas à urbanização conduzem muitas mudanças ambientais, desde perdas de habitat e conversão de terras agrícolas até alterações nos climas locais e regionais.”

Os pesquisadores examinaram estudos revisados por especialistas que usaram dados de satélites para crescimento de mapas urbanos e descobriram que de 1970 a 2000, a área ocupada urbana mundial tinha aumentado em, pelo menos, 22.400 milhas quadradas – metade do tamanho de Ohio.

“Este número é significativo, mas, na verdade, a expansão de áreas urbanas foi de longe muito maior do que nossa análise mostra, porque só consideramos os estudos publicados que usaram os dados de satélite,” disse Seto. “Descobrimos que 48 das áreas urbanas mais populosas foram estudadas usando os dados de satélite, com descobertas em jornadas revisadas por especialistas. Isso significa que não estamos acompanhando a expansão física de mais da metade das maiores cidades do mundo.”

Metade da expansão de terras urbanas na China é conduzida por uma classe média em ascensão, considerando que o tamanho das cidades na Índia e na África é impulsionado inicialmente pelo crescimento da população. “As rendas crescentes se traduzem no aumento da demanda por maiores casas e mais terras para o desenvolvimento urbano, que tem grandes implicações para a conservação da biodiversidade, perda de reservatórios de carbono e uso de energia.”

A Meta-Analysis of Global Urban Land Expansion
Seto KC, Fragkias M, Güneralp B, Reilly MK, 2011 A Meta-Analysis of Global Urban Land Expansion. PLoS ONE 6(8): e23777. doi:10.1371/journal.pone.0023777

Tradução de Fernanda Medeiros, da MR Tradutores Associados para o EcoDebate.

Texto de David DeFusco, da Yale University, publicado pelo EcoDebate, 23/08/2011
[T]
[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

Um comentário em “Crescimento das cidades coloca em risco o meio ambiente global

  1. a questão da expansão da cidade passa pelo compromisso com o ser humano e com a qualidade de vida e ambienta e não com o capital ou como ele determina os espaços.

Comentários encerrados.

Top