Governo abriga demandas ruralistas no texto do Código Florestal

Documento da Casa Civil propõe a isenção de responsabilidade penal a desmatamentos.

Em blitz no Congresso para garantir “consenso” em sua coalizão parlamentar para votar a reforma do Código Florestal, o governo defendeu ontem pontos amplamente rejeitados por ambientalistas. E abriu algumas deserções em sua base parlamentar.

Um inédito documento da Casa Civil, entregue por ministros a líderes partidários e obtido pelo Valor, propõe a isenção de “responsabilidade penal” aos desmatamentos com compromisso de regularização e dispensa a recuperação da vegetação obrigatória (reserva legal) quando a lei fixava áreas menores. Também permite a exploração de margens de cursos d’água (APPs) por “interesse social” e “baixo impacto”, dispensa APPs em açudes e prevê o “uso sustentável” das reservas legais. Reportagem no Valor Econômico.

A proposta do governo também autoriza recuperação de apenas metade das APPs em “áreas consolidadas”, libera a compensação dessas áreas fora do Estado da origem da devastação e consente plantios perenes (café, uva e frutas) em “APPs de relevo”, além de hortaliças em áreas com declividade até 45 graus. Prevê, ainda, a recuperação de metade das reservas legais com “espécies exóticas” imóveis até 150 hectares ou quatro módulos fiscais (de 20 a 400 hectares, segundo a região).

A reunião de ontem foi tensa. O relator do código, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), discutiu asperamente com o líder do PT, Paulo Teixeira (SP). Ambos divergiram sobre a data de votação no plenário da Câmara. Teixeira defendeu o adiamento para meados de maio. Rebelo insistiu em um acordo anterior e quer votar na próxima semana.

Na busca de uma “saída honrosa” para sua base ambientalista, sobretudo de deputados do PT, o governo rejeitou, no encontro, dois pontos defendidos pelos ruralistas: a redução, de 80% para 50%, da área de reserva legal (RL) nos cerrados da Amazônia Legal e a isenção de recomposição dessas RLs em áreas de até quatro módulos fiscais – 20 a 400 hectares, segundo a região do País.

Mas o consenso buscado pelo governo ainda parece bastante frágil. “Esse quase consenso não existe”, afirmou o deputado Ivan Valente (PSOL-SP). A reunião da “comissão de negociação”, criada para ampliar o debate na Câmara, ouviu ontem dirigentes da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) que defenderam o adiamento da votação por dois anos. Os cientistas entregaram à comissão extenso documento onde questionam as bases científicas usadas pelo Congresso na proposta de reforma do código. Ambientalistas e ruralistas voltaram a divergir nos principais pontos da reforma. “Temos que ouvir a ciência. Isso aqui (documento) é música para meus ouvidos”, afirmou o deputado Ricardo Trípoli (PSDB-SP). Em resposta, o ruralista Valdir Colatto (PMDB-SC) disse que as discussões foram “exaustivas” e cobriram todo o País. “Viajamos por todos os Estados, fizemos 62 reuniões e ouvimos cientistas e ambientalistas. Agora, é hora de votar”, defendeu.

A reunião também avançou em temas até agora evitados pelo governo. A delegação de poderes para Estados legislarem em questões ambientais foi a principal. Essa proposta está contida no projeto de lei complementar em tramitação no Senado. E o governo não se manifestou sobre o assunto. Outro ponto polêmico é a obrigação de georreferenciamento para inscrição de áreas no cadastro de regularização fundiária. O plantio em áreas alagadas, conhecida como cultura de vazante, poderia ser admitido em casos de “interesse social” de pequenos produtores, segundo estuda o governo.

EcoDebate, 28/04/2011

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

Um comentário em “Governo abriga demandas ruralistas no texto do Código Florestal

  1. Depois de tantos problemas causados ao meio ambiente deste país, os nossos deputados deveriam ter a capacidade de compreender e a humildade de reconhecer, que para a aprovação do Código Florestal, eles não estão preparados. Esta questão não pode ser resolvida sem o auxílio de quem realmente sabe das consequências que podem vir de determinadas ações.
    Espero que os senadores, reconheçam todo mal que pode vir desta aprovação e, se tiverem interesse e se quiserem agir pelo Brasil, que leiam por favor a
    Carta Aberta sobre o “Novo” Código Florestal do
    Conselho do Centro de Ciências Biológicas/UFSC e pensem no bem estar de seus próprios netos.

Comentários encerrados.

Top