Revista Brasileiros de Raiz abre novo canal de voz para as comunidades indígenas

O mercado editorial brasileiro contará a partir do próximo dia 19 de abril, Dia do Índio, com uma publicação pioneira: Brasileiros de Raiz, revista concebida para ser um canal de voz das comunidades indígenas do País. Embora ocupem 12,64% do território nacional, tenham quase um milhão de habitantes distribuídos por 220 etnias que falam 180 línguas diferentes, têm seus direitos sob permanente ameaça e pouco espaço para defendê-los.

“É pena que hoje o imaginário de boa parte da população brasileira, perpetuado pela própria escola, é de um índio folclórico que na realidade não existe. A revista pretende colaborar para corrigir esta distorção”, diz o jornalista Cid Furtado Filho, diretor de conteúdo e idealizador da publicação editada pela RRCK Comunicação e Marketing, com o apoio das ONG’s Sociedade Nheengatu de Documentação, Preservação e Divulgação de Cultura e Esporte Indígena e Portal do Xingu.

O interesse pela questão indígena surgiu quando Cid atuou como assessor de imprensa da Fundação Nacional do Índio (Funai), onde permaneceu entre os anos 2000 e 2002. “Quando se tem a oportunidade de conhecer como realmente é o índio brasileiro, sua cultura, história e atualidade, a gente se apaixona”, diz o jornalista.

Até o momento, apenas duas publicações e assim mesmo governamentais voltaram-se especificamente para o assunto: as revistas Brasil Indígena e Atualidade Indígena, editadas pela Funai entre os anos 1970 e 2000 e já extintas. “Nosso diferencial é que enquanto ambas tinham foco oficial, conforme os interesses da Funai, a Brasileiros de Raiz parte do ponto de vista dos indígenas”, adianta Cid.

Destaques da 1ª edição

O destaque do primeiro número é uma reportagem especial sobre a polêmica que envolve a construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no Pará, sua implicação social, política, econômica, ambiental e jurídica. Entre outros assuntos, a revista traz ainda matérias sobre os 50 anos do Parque Indígena do Xingu; a realidade dos Apinajé, que vivem no norte do Tocantins e estão ameaçados por grandes empreendimentos; o projeto Arca de Noé, que resgata sementes de alimentos desaparecidos entre os povos indígenas; e a Lei Federal 11.645, que prevê a obrigatoriedade do ensino da história e da cultura afro-brasileira e indígena nas escolas de educação básica.

A revista é bimestral, seu projeto gráfico é moderno e sua especialidade com certeza não são as notícias “quentes” amplamente exploradas pelos sites e blogs noticiosos, emissoras de rádio, TVs e jornais. Seu propósito é esclarecer o leitor sobre as questões abordadas, trazer assuntos relegados ao segundo plano pela grande mídia e dar voz aos índios, para que contem eles próprios suas histórias, aventuras, pontos de vista e mostrem sua cultura riquíssima.

A primeira edição de Brasileiros de Raiz, com tiragem de dez mil exemplares, será distribuída em locais como Presidência da República, ministérios, Congresso Nacional, tribunais superiores, Ministério Público Federal, universidades, bibliotecas e secretarias estaduais de educação, estas últimas com o objetivo de chegar às escolas, para ser utilizada como material de trabalho pelos professores e alunos. A revista também poderá ser encontrada na Livraria Cultura dos municípios de São Paulo, Campinas, Porto Alegre, Recife, Brasília, Fortaleza e Salvador.

Lançamento
Data: 19 de Abril, Dia do Índio, 19h
Local: Chocolat Glacê, SRTVS 701, Ed. Centro Empresarial Brasília, Brasília-DF

Mais informações: (61) 3202-3092, 3037-30 92, redacao@brasileirosderaiz.com.br , pauta@brasileirosderaiz.com.br , cid.furtado@brasileirosderaiz.com.br

EcoDebate, 12/04/2011

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

Top