Dengue e Controle de Pragas, artigo de Bruno Peron Loureiro

[EcoDebate] A desinformação e o consequente despreparo da população ao lidar com situações de risco de saúde ensejam o brotamento de doenças que prejudicam o cenário humano na América Latina. O ressurgimento do cólera a todo vapor no Haiti e o alastramento da dengue em vários países latino-americanos preocupam os profissionais e as instituições da saúde.

A Organização Panamericana de Saúde (OPS) informou que a dengue tirou a vida de 1.167 pessoas de 1,8 milhão de casos registrados na América Latina em 2010. É uma doença considerada endêmica (ou que ocorre constantemente numa região determinada) nos três continentes mais pobres: América (Latina), África e Ásia.

Estes dados sobre a doença são alarmantes em regiões onde a educação há muito tempo é uma deficiência nas políticas públicas, que priorizam o crescimento econômico, embora a boa vontade de secretarias e ministérios de saúde tenha promovido visitas recorrentes de instrutores e fiscalizadores de focos do mosquito em residências e estabelecimentos comerciais.

A OPS alerta que a fêmea do mosquito Aedes aegypti, transmissora da dengue, vive em zonas urbanas e desova suas larvas em recipientes de água parada. A proliferação do mosquito, ainda, depende das condições climáticas, pluviais e de temperatura. As chuvas incessantes e torrenciais na América do Sul, portanto, têm agravado o risco de transmissão da doença.

Que direção tomam as políticas públicas no Brasil para combater a dengue?

O Ministério da Saúde diagnosticou que 19 estados tupinicas estão com risco alto de epidemia de dengue em 2011. A situação é mais grave nos estados do Norte e Centro-Oeste: Acre, Rondônia, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. O ministro Alexandre Padilha, por esta razão, busca parcerias com empresas públicas e privadas para prevenção contra a doença, segundo a Agência Brasil, dos setores de aviação, alimentos, comunicação, finanças e telefonia.

É procedente que o Estado recorra à cooperação com instituições privadas a fim de sanar um problema de interesse público, uma vez que estas são amiúde mais acessíveis e porosas frente à sociedade. O que não seria admissível é a delegação de atributos e a isenção de responsabilidade governamental diante desta espécie petulante de mosquito.

Vários desta estirpe sobrevoaram e agonizaram seus povos e os de outrem: Zine El Abidine Ben Ali, na Tunísia; Hosni Mubarak, no Egito; George W. Bush, nos Estados Unidos; Bebê Doc, no Haiti; e Benjamin Netanyahu, em Israel. Que prevaleça a democracia real sobre a democracia fictícia, do poder vitalício, e do discurso que prega uma coisa e faz outra!

Para isso existe o controle de pragas! Umas ainda resistem às manifestações populares, contudo. É o que vemos com o efeito dominó no mundo árabe, insatisfeito com os ditadores de plantão.

Registraram-se, nas primeiras seis semanas de 2011, 46.592 casos confirmados ou suspeitos de dengue na América Latina. Das 31 pessoas que morreram da doença neste período recente, 14 foram no Peru, 8 na Colômbia, 5 no Paraguai e 4 na Bolívia. O número maior no Peru advém de uma variedade mais agressiva de vírus.

Os desafios naturais que nos têm aparecido incitam o sentimento de pertencimento a uma coletividade, que muitos resistem a aceitar, e a urgência de se tomar a educação seriamente como um requisito de desenvolvimento.

Quanto mais esperarmos e nada fizermos, mais propícias serão as condições de alastramento de doenças há algum tempo atrás tidas por erradicadas (cólera) e controladas (dengue).

Este quadro de desmanche da saúde pública na América Latina, salvo em países onde ela é levada mais a sério e não como negócio, é um retrocesso em políticas sociais e sintoniza, deste modo, a nossa região como foco de problemas graves de saúde.

A dengue se combate evitando água parada em latas, vasos, pneus e recipientes, que atraem os mosquitos causadores de doença. Os governantes atrozes, por sua vez e já que citei alguns, destituem-se com a conscientização frente ao significado de democracia. Fiquemos atentos.

* Colaboração de Bruno Peron, mestre em Estudos Latino-americanos, para o EcoDebate, 23/02/2011


Compartilhar

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

Top