Recuperação de região húngara afetada pelo vazamento de lama tóxica vermelha demorará anos

Centenas de afetados, dezenas de hectares contaminados, rios devastados: o derramamento tóxico que afetou o sudoeste da Hungria está se confirmando como uma catástrofe ecológica de enormes proporções, que implicará em muitos anos para que a natureza e a agricultura consigam se recuperar.

Uma camada de lodo vermelho de dois centímetros de espessura, carregada de metais pesados, está esparramada por 40 quilômetros quadrados, incluindo áreas cultiváveis, e segue avançando em direção ao rio Raab, que desemboca no Danúbio.

O secretário de Estado para o Meio Ambiente, Zoltán Illés, classificou o fato como “catástrofe ecológica” e advertiu que haverá de retirar a terra na região afetada para que possa voltar a cultivar-se, o que poderia levar pelo menos um ano.

Por sua vez, o responsável da WWF/Adena na Hungria, Gábor Figeczky, afirmou à Agência Efe que esta é a “maior catástrofe ecológica da história da Hungria”, e que a natureza demorará anos para recuperar-se. Reportagem da Agência EFE.

[Leia na íntegra]A ruptura de uma bolsa de acumulação de uma empresa fabricante de alumínio provocou na segunda-feira o vazamento de 1 milhão de metros cúbicos de lodo altamente tóxico. Quatro pessoas, entre elas uma criança, morreram no acidente e outras seis estão desaparecidas.

Mais de 120 pessoas tiveram de ser hospitalizadas e 400 casas foram afetadas pela onda de barro vermelho.

Zsolt Szegfalvi, presidente do Greenpeace na Hungria, ressaltou que se trata “da maior catástrofe da Europa relacionada com o chamado barro vermelho”, por isso que ninguém tem experiência sobre como tratar a situação.

As autoridades declararam o estado de emergência nas três províncias contaminadas ao oeste do país.

Agora, o principal temor é que se estenda em cadeia a partir do rio Marcal, onde já não é possível encontrar rastros de vida corrente, em direção aos cursos d’água do Raab, o Mosoni Duna e o Danúbio, a pouco mais de cem quilômetros do lugar do acidente.

Szegfalvi confiou em que “as substâncias tóxicas que já estão próximas do rio Marcal, não cheguem até o Danúbio” e as autoridades trabalham na construção de diques para evitar que o vazamento se estenda.

O chefe de Governo húngaro, Viktor Orbán, afirmou que os afetados serão indenizados e anunciou que será aberta uma investigação para esclarecer a catástrofe ambiental.

A Companhia Húngara de Produção e Comércio de Alumínio (MAL), dona do reservatório, classificou o episódio de “catástrofe meteorológica” ao atribuir a ruptura do reservatório às fortes chuvas. A imprensa local informou que a companhia dispõe de um seguro de apenas 37 mil euros.

Embora até o momento não tenha sido possível calcular o tamanho do prejuízo causado pelo vazamento, o secretário de Estado do Meio Ambiente Illés falou em declarações à imprensa local em dezenas de milhões de dólares.

Desde a tragédia está proibida a pesca e a caça nas áreas afetadas. O Greenpeace pediu precaução para que as tarefas de limpeza não causem ainda mais danos.

“É preciso atuar com muito cuidado para que não ocorram mais danos”, ressaltou Szegfalvi à Efe, ao explicar que ainda não se sabe os efeitos das substâncias que serão utilizadas para neutralizar os tóxicos derramados na segunda-feira.

Reportagem da Agência EFE, no UOL Notícias.

EcoDebate, 07/10/2010

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Comentários encerrados.

Top