Relatório da ONU aponta situação precária dos índios Guarani em Mato Grosso do Sul

O Comitê para Eliminação da Discriminação Racial da Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou ontem (21) um relatório sobre as condições de vida dos índios Guarani que vivem em Mato Grosso do Sul. Segundo o relatório, os indígenas enfrentam problemas como exploração, discriminação e violência. Há registro de casos de assassinato, suicídio, desnutrição e alcoolismo entre eles.

A perda das terras, muitas vezes resultante de expulsão, é apontada como o principal desencadeador desses problemas, por ter levado os indígenas a procurar trabalhos temporários nas grandes fazendas e refinarias da região, separando-se dos parentes e de seu modo tradicional de organização social.

“A situação é particularmente grave entre os Guaranis, os quais, após décadas vendo suas terras ancestrais perdidas para o cultivo da cana-de-açúcar, da soja e do chá, para a criação de gado e programas de assentamento do governo, encontram-se em uma das piores condições vividas pelos povos indígenas no Brasil”, diz o texto do documento, produzido pela organização não governamental (ONG) Survival International.

De acordo com o relatório da ONG, o índice de suicídios entre os Guarani é um dos mais altos do mundo. Os dados revelam que, desde 1991, mais de 620 indígenas tiraram a própria vida. Em 2005, o índice de suicídios entre eles foi 19 vezes mais alto do que o índice nacional. O texto diz ainda que a expectativa de vida dos Guaranis do Brasil é mais de 20 anos inferior à média nacional.

A Survival Internatioal faz, no fim do relatório, uma série de recomendações a serem encaminhadas ao governo brasileiro para serem aplicadas na busca de solução para o problema dos Guarani de Mato Grosso do Sul. Uma delas é a finalização, em caráter de urgência, do programa de demarcação de terras dessa etnia.

O estudo recomenda ainda que se agilize a solução para as disputas de terra perante a Corte e que se trate da questão da impunidade por crimes cometidos contra os Guarani. No caso de crimes cometidos pelos indígenas, o relatório defende que eles tenham acesso a representação legal adequada e a audiências em sua própria língua.

A data escolhida para a divulgação do relatório, 21 de março, foi escolhida por se tratar do Dia Internacional para a Eliminação da Discriminação Racial.

Reportagem de Yara Aquino, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate, 22/03/2010

Nota do EcoDebate: como informação complementar sugerimos que leiam, também, as matérias:

Relatório enviado à ONU revela situação estarrecedora em que se encontra o povo Guarani no Brasil

Conselho de direitos humanos constata situação de miséria e preconceito em áreas indígenas em MS

Guarani-Kaiowá. Truculência e omissão. Entrevista especial com Iara Tatiana Bonin

Guarani Kaiowá ocupam terra tradicional à espera de demarcação em Mato Grosso do Sul

Os crimes de ódio contra indígenas no MS não param, por Henrique Cortez

Kaiowá Guarani: um genocídio silencioso?

Dossiê EcoDebate: Demarcação de terras indígenas no Mato Grosso do Sul

Situação do povo Guarani Kaiowá no Mato Grosso do Sul

Cimi denuncia incêndio de moradias de Guarani Kaiowá em Mato Grosso do Sul

Retomada da esperança com os estudos antropológicos para identificação de terras indígenas no MS. Entrevista com Egon Heck

EcoDebate, 22/03/2010

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta utilizar o formulário abaixo. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Participe do grupo Boletim diário EcoDebate
E-mail:
Visitar este grupo

Comentários encerrados.

Top