Áreas de florestas de São Paulo aumentaram quatro pontos percentuais em dez anos

Mata Atlântica, em Sao Paulo. Foto de arquivo
Mata Atlântica, em Sao Paulo. Foto de arquivo

A cobertura vegetal do estado de São Paulo aumentou em 94 mil hectares em sete anos, de 2001 a 2008. O levantamento foi feito durante 15 meses pelo Instituto Florestal do estado utilizando o sistema de satélite japonês Alos, que tem maior resolução do que o brasileiro usado anteriormente.

As fotografias também mostraram que a vegetação nativa cobre uma área 1 milhão de hectares maior do que se havia estimado anteriormente. De acordo com os dados, 17% do estado é coberto por mata, em vez dos 13% apontados no levantamento de dez anos atrás.

Segundo o secretário estadual de Meio Ambiente, Xico Graziano, a expansão da área com vegetação é resultado da redução no ritmo de destruição das florestas aliada aos bons resultados das ações de recuperação. “Nós conseguimos comprovar, nos últimos levantamentos, as duas coisas: cai o desmatamento, hoje ele é muito pequeno. E a recuperação ambiental está mais forte do que nós mesmos imaginávamos”, disse.

O resultado positivo na recuperação das florestas paulistas ajuda a preservar as espécias de flora e fauna nativa, além de ajudar a combater os efeitos das mudanças climáticas. “Isso [aumento da cobertura vegetal] é muito importante, porque a recuperação das florestas não só é bom para a biodiversidade, mas também promove a retirada de CO2 [gás carbônico] da atmosfera”, explicou Graziano.

A nova tecnologia de satélite permitirá, de acordo com ele, uma melhor fiscalização do desmatamento e elaborar estratégias de recuperação mais eficientes. “Agora nós temos uma melhor capacidade de controle dessas áreas, nós as enxergamos melhor, conseguimos fazer uma fiscalização melhor e, mais ainda, nós temos como trabalhar no sentido de fazer a conectividade.”

Segundo Graziano, trabalhar com o replantio de árvores em áreas de vegetação natural permite aumentar as regiões contínuas de floresta, o que é importante para o desenvolvimento da fauna e flora. “Porque pequenas áreas isoladas têm um efeito. E se nós conseguirmos juntar essas áreas com replantio de florestas, aí, formamos florestas maiores. Então, esse dado é muito importante para a biodiversidade”, destacou o secretário.

A meta do estado de São Paulo é recuperar 1 milhão de hectares em matas ciliares, que margeiam os rios, em um período de 25 anos. Segundo Graziano, 250 mil hectares já estão em processo de recuperação, mas ainda não podem ser vistos pelo satélite por serem muito recentes. “As florestas jovens, de até cinco anos, a fotografia de satélite não permite a leitura dessas áreas, só quando elas atingem uma idade um pouco maior”.

O inventário da cobertura vegetal do estado deverá ser atualizado a cada três anos.

Reportagem de Daniel Mello, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate, 19/03/2010

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta utilizar o formulário abaixo. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Participe do grupo Boletim diário EcoDebate
E-mail:
Visitar este grupo

Comentários encerrados.

Top