Governo federal quer estimular manejo florestal entre comunidades tradicionais e assentados

O ministro do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel, o diretor geral do Serviço Florestal Brasileiro, Antonio Carlos Hummel, e o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, divulgam a atualização do número de florestas públicas e anunciam o primeiro Plano Anual de Manejo Florestal que irá beneficiar quilombolas, ribeirinhos, indígenas e assentados da reforma agrária (22/12/2009) Foto: Marcello Casal Jr./ABr
O ministro do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel, o diretor geral do Serviço Florestal Brasileiro, Antonio Carlos Hummel, e o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, divulgam a atualização do número de florestas públicas e anunciam o primeiro Plano Anual de Manejo Florestal que irá beneficiar quilombolas, ribeirinhos, indígenas e assentados da reforma agrária (22/12/2009) Foto: Marcello Casal Jr./ABr

Populações quilombolas, ribeirinhas, indígenas e assentados da reforma agrária que vivem na Amazônia vão receber apoio do governo federal para desenvolver seus planos de manejo florestal. O primeiro Plano Anual de Manejo Florestal Comunitário foi apresentado hoje (22) pelos ministros do Meio Ambiente, Carlos Minc, e do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel. A previsão é de que 18 mil famílias sejam beneficiadas.

Dar a essas comunidades a oportunidade de realizar o manejo florestal era uma antiga revindicação dos movimentos sociais, segundo Cassel. Um plano de manejo organiza a exploração de madeira em uma área ou propriedade para reduzir os danos à floresta.

“Nunca se fez antes porque é difícil, não basta querer ajudar o desenvolvimento sustentável. Exige técnica e tempo. O Estado nunca foi capaz de criar uma cultura de fazer manejo florestal comunitário”, afirmou Cassel.

Entre as ações previstas no plano para auxiliar as comunidades estão a capacitação técnica e uma linha de financiamento de R$ 17 milhões via Pronaf Florestal para agricultores familiares. A ideia é que as comunidades tenham um primeiro contato com as técnicas de manejo florestal para que possam elaborar seus planos.

A etapa 2010 vai abranger 85 municípios em sete estados: Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia e Maranhão. Segundo Minc, outros biomas também serão beneficiados nos próximos anos.

“Esse plano significa que a população tenha uma alternativa de sobrevivência sem destruir a floresta. É oferecer madeira legal, explorada de maneira que não destrua o bioma”, explicou.

Outra ação prevista no plano, para garantir a renda dessas populações e a exploração sustentável da madeira, é a construção de 700 quilômetros de estradas e de 4 mil casas para assentados da reforma agrária. O volume total de recursos envolvidos no plano de 2010 é de R$ 40,7 milhões.

Reportagem de Amanda Cieglinski, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate, 23/12/2009

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta utilizar o formulário abaixo. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

Participe do grupo Boletim diário EcoDebate
E-mail:
Visitar este grupo

Comentários encerrados.

Top