Governo quer estimular siderúrgicas a usar carvão de reflorestamento feito pelas próprias empresas

Carvoaria ilegal, em foto do Ibama
Carvoaria ilegal, em foto do Ibama

Uma das propostas do governo para reduzir as emissões de gases de efeito estufa é fazer com que em oito anos as siderúrgicas passem a usar carvão vegetal de reflorestamento feito pelas próprias empresas. A ideia é convencer o setor das vantagens do chamado “aço verde”, de acordo com a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff.

Para estimular o setor siderúrgico a operar nesse modelo seria firmado um acordo para concessão de incentivos ao setor, sem a necessidade de leis, de acordo com a avaliação de ministros. O selo “aço verde” poderia representar inclusive um diferencial de competitividade no exterior, segundo Dilma.

“Seria muito mais no sentido de criar incentivos financeiros, incentivos de todas as formas, inclusive essa percepção de que [o produto] é competitivo lá fora. Um aço carimbado de verde tem outra característica”, afirmou Dilma.

O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, citou como exemplo o caso da Moratória da Soja para mostrar a viabilidade de um acordo com o setor de siderurgia. Com a moratória, assinada em 2007 e renovada duas vezes, as empresas se comprometeram a não comprar soja produzida em áreas desmatadas.

Segundo Minc, o compromisso tem dado bons resultados e isso também pode acontecer com o setor siderúrgico sem necessidade de leis. “Estamos muito avançados com a siderurgia para fechar um acordo de que em aproximadamente oito anos eles plantem todas as árvores que precisam para o carvão vegetal. Um acordo sem necessidade de lei”, disse Minc.

Os ministros falaram à imprensa após reunião com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para tratar da proposta brasileira a ser levada para a Conferência da Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-15), que ocorrerá em Copenhage, Dinamarca, em dezembro.

Além do setor siderúrgico, devem ser tomadas medidas nas áreas de energia, agropecuária e redução do desmatamento da Amazônia e de outros biomas para reduzir as emissões nacionais de gases do efeito estufa.

Reportagem de Luana Lourenço e Yara Aquino, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate, 04/11/2009

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta utilizar o formulário abaixo. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

Participe do grupo Boletim diário EcoDebate
E-mail:
Visitar este grupo

5 comentários em “Governo quer estimular siderúrgicas a usar carvão de reflorestamento feito pelas próprias empresas

  1. Escrevi, há pouco, um artigo no jornal Estado de Minas,muito bem aceito por produtores de gusa, falando sobre a oportunidade de descentralizar a produção de carvão vegetal, incentivando pequenos produtores e diminuindo as grnades extensões reflorestadas. Mas os governantes acham que são donos da verdade e não gostam de ouvir especialistas. Acabam metendo os pés pelas mãos. Estarão incentivendo as empresas a criar aquilo que o próprio Minc combate tanto, as monoculturas extensivas. Brigam com a cana e querem incentivar os eucaliptais. Dá para entender?

  2. Minc isto se chama reforma agraria, o monopolio da terra, e o monopolio da madeira, a mono cultura. Ministro, este projeto foi elaborado pela equipe do dr suborno,e a dr propina,ou é apenas uma recaída de cumunista quando conta dinheiro.

Comentários encerrados.

Top