Cassel afirma que novo índice de produtividade será absolutamente confortável para o agricultor

O ministro do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel, participa de audiência pública na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado (13/10/2009) Foto: Wilson Dias/Abr
O ministro do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel, participa de audiência pública na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado (13/10/2009) Foto: Wilson Dias/Abr

O índice de produtividade a ser apresentado pelo governo para servir de parâmetro na classificação de propriedades rurais improdutivas no país será “absolutamente confortável” para o produtor rural brasileiro, a ponto de ser enxergado como um “índice de transição”.

O ministro do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel, fez a afirmação ontem (13) durante audiência pública na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado Federal.

Segundo ele, esse índice levará em consideração o produto, a região em que ele foi plantado e a média de produtividade dos últimos anos. “No máximo dobrará o índice atual, mas apenas em algumas localidades onde a média recente é bastante superior ao que será definido como novo índice”, explicou.

“O índice que apresentaremos é absolutamente confortável [para os produtores]”, disse. “Isso foi feito até para criar um ambiente de discussão no país, sem polarização ou implicâncias”, completou Cassel.

O ministro afirmou ainda, que, de tão baixo, o índice de produtividade a ser apresentado pelo governo “está mais para um índice de transição”. A proposta já está pronta e aguarda a assinatura do ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, para ser apresentada.

Reportagem de Pedro Peduzzi, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate, 14/10/2009

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta utilizar o formulário abaixo. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

Participe do grupo Boletim diário EcoDebate
E-mail:
Visitar este grupo

Comentários encerrados.

Top