A água subterrânea está se tornando ‘casa da Mãe Joana’, artigo de Álvaro Rodrigues dos Santos

aquifero
Fonte DAE-Bauru

[EcoDebate] Especialmente nas áreas urbanas as intervenções diretas e indiretas (poluição, extração, depleção) sobre a água subterrânea têm atingido níveis alarmantes, com conseqüências gravíssimas tanto sobre o próprio recurso hídrico, entendido como manancial de boa água para a sociedade, como sobre o comportamento geotécnico dos terrenos afetados por variações do Nível d’Água advindas de sobre-exploração do recurso ou de operações de rebaixamento forçado do lençol associadas à implantação de obras civis.

As intenções dos diversos níveis responsáveis da administração pública em regulamentar e controlar as ações que de alguma forma interferem com a água subterrânea no meio urbano não têm ido além de discursos e promessas vazias. Difícil hoje não se encontrar motéis, hotéis, academias de ginástica, grandes empreendimentos civis das mais variadas naturezas que, legal ou ilegalmente, instalam e operam poços profundos de extração de água subterrânea. Técnicos da área de saneamento já estimam a participação da água subterrânea no abastecimento da metrópole paulista em algo próximo a 9 m³/s, um volume considerável em relação ao montante da água produzida e distribuída pela SABESP, em torno de 67 m³/s, que já não atende uma demanda firme de mais de 73 m³/s. Claro, diante das dificuldades em se viabilizar novos mananciais superficiais para o abastecimento metropolitano, há um conveniente fechar de olhos para o incremento subterrâneo, seja ele regular ou não. Agravando o problema, considere-se que se a instalação dos poços na maior parte das vezes já não se faz de forma legal e regulamentada, pior acontece com o controle do regime de sua operação (vazões máximas/tempo permitidas).

De forma ainda mais anárquica projetam-se e operam-se ações de rebaixamento forçado do lençol subterrâneo na construção de edifícios e outros empreendimentos civis. Pior, esse tipo de rebaixamento que é concebido para ser hidrogeologicamente localizado e temporário (apenas pelo tempo de construção de pavimentos subterrâneos de um edifício, por exemplo), com muita frequência torna-se permanente, uma vez que o devido estanqueamento dos pisos subterrâneos é negligenciado e as conseqüentes infiltrações são solucionadas pela instalação de sistemas permanentes de bombeamento/exaustão.

São sobejamente conhecidas as conseqüências geotécnicas do rebaixamento do lençol freático, especialmente em terrenos de características geológicas aluvionares com presença de camadas mais argilosas. Com a retirada da água de seus interstícios há um natural reacomodamento interno dos constituintes dos solos, o que leva, inexoravelmente à redução de seu volume e conseqüentes recalques em superfície e sub-superfície. São didáticos os casos de edificações afetadas estruturalmente por recalques advindos dos rebaixamentos associados à construção de linhas subterrâneas de metrô ou à construção de novos edifícios, como está a ocorrer no momento, e generalizadamente, nos bairros paulistanos de Pinheiros, Itaim Bibi, Moema, Ibirapuera, historicamente assentados sobre terrenos de baixa consistência.

A crescente impermeabilização da cidade, com incrível redução da taxa de infiltração das águas de chuva, agrava tremendamente as conseqüências das operações de rebaixamento do lençol freático. Para que não percamos o bom humor, lembremos que notórios profissionais nos garantem que, no caso paulistano, o fenômeno somente não é pior devido aos vazamentos das redes subterrâneas da SABESP.

Um caso particular da gravidade do não controle da exploração e manejo da água subterrânea acontece na região noroeste da região metropolitana de São Paulo, no âmbito e nos entornos do município de Cajamar, onde são comuns corpos calcários cársticos (com cavidades subterrâneas naturais). Nessas condições, o rebaixamento do lençol decorrente da operação de bombeamentos forçados constitui o agente potencializador e deflagrador de abatimentos geológicos de grande porte, como aconteceu, por exemplo, no conhecido caso do Buraco de Cajamar. Nesse contexto, onde um plano de radical ordenação e regulação de bombeamentos da água subterrânea se coloca como uma primária exigência de gestão de riscos geotécnicos, absolutamente nada se faz, deixando-se temerária e irresponsavelmente à mão do destino a eventualidade da ocorrência de gravíssimos acidentes.

Enfim, o problema é sobejamente conhecido, como também é conhecida a tradicional inação dos órgãos públicos naturalmente responsáveis por sua solução e equacionamento. Frente a esse quadro penso que responsabilidade maior cabe no momento às associações de classe e técnico-científicas de alguma forma ligadas à geologia e à engenharia brasileira. Há já algumas iniciativas dadas nessa direção, a proposta seria constituir um Grupo Técnico de envergadura com a responsabilidade de elaborar os termos de uma ação reguladora e fiscalizadora das intervenções sobre a água subterrânea em áreas urbanas. O resultado desse trabalho seria levado por essas associações, com seu peso político, às autoridades públicas maiores do Estado e do País.

Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro{at}uol.com.br)
Geólogo formado pela USP – Universidade de São Paulo em 1968
Ex-Diretor de Planejamento e Gestão do IPT e Ex-Diretor da Divisão de Geologia
Autor dos livros “Geologia de Engenharia: Conceitos, Método e Prática”, “A Grande Barreira da Serra do Mar”, “Cubatão” e “Diálogos Geológicos”
Consultor em Geologia de Engenharia, Geotecnia e Meio Ambiente

EcoDebate, 24/08/2009

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta utilizar o formulário abaixo. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

Participe do grupo Boletim diário EcoDebate
E-mail:
Visitar este grupo

3 comentários em “A água subterrânea está se tornando ‘casa da Mãe Joana’, artigo de Álvaro Rodrigues dos Santos

  1. Excelente comentário do geólogo Álvaro dos Santos.
    O Buraco de Cajamar, mesmo ocorrendo sobre o aqüífero Guarani, com seu enorme potencial de água subterrânea, indica que a exploração da água do subsolo deve ser feita com critérios bem definidos para evitar que aconteça algo semelhante ao que aconteceu na cidade do México.
    O estanqueamento de pisos subterrâneos por meio de bombeamento constante do lençol freático é algo duplamente inaceitável: pelo consumo excessivo de energia elétrica e pela retirada contínua e desnecessária de água do subsolo. Felizmente, os vazamentos nas tubulações da Sabesp promovem uma recarga do lençol subterrâneo com água de qualidade superior.
    E pensar que há defensores da idéia de que o Nordeste deva promover a exploração intensa de seu subsolo para obter a água que lhe falta para suas atividades econômicas!

Comentários encerrados.

Top
Betway Casino Roulette Image Banners
Betway Casino Roulette Image Banners