Vírus Influenza A(H1N1) pode estar se transformando e adquirindo patologia semelhante à do vírus da influenza sazonal

Transformação viral - Logo após o aparecimento dos primeiros casos da gripe suína, no México, em abril de 2009, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês), nos Estados Unidos, divulgou que a doença poderia se transformar em uma pandemia – o que de fato ocorreu. Um ano e meio depois, os cientistas do CDC continuam tentando entender a patologia

Influenza A(H1N1): Parlamentares europeus exigem a instalação de comissão de inquérito para investigar tratamento dado à gripe suína

Além dos lucros, fabricantes de vacinas receberam subvenções Europeus querem investigar "alerta falso" de pandemia da gripe suína - Deputados das maiores bancadas do Parlamento Europeu exigem a instalação de uma comissão de inquérito para investigar tratamento dado à gripe suína. Governo alemão admite subsídio milionário à indústria farmacêutica. O alerta de uma possível pandemia levou diversos Estados-membros da União Europeia (UE) a gastar "uma enorme quantidade de dinheiro" para a vacinação

Influenza A(H1N1): O que aconteceu com a gripe?

A OMS estimou que haveria 150 milhões de mortos e foram 15 mil. Mais de 250 mil pessoas morrem por ano de gripe normal. A pandemia está em fase de declínio, mas os especialistas dizem que pode haver uma segunda onda. Não sabem se será mais nociva. A gripe A é uma pandemia benévola e de fácil transmissão que se encontra em fase de declínio. Até o momento morreram por causa

Influenza A(H1N1): Obesos e diabéticos têm 7 vezes mais chances de morrer pela nova gripe

Estudo realizado pelo Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde aponta que portadores de doença metabólica crônica, como obesidade, diabetes e colesterol elevado, têm 7,58 vezes mais chances de morrer se contraírem a gripe A H1N1 (suína) do que pessoas que não apresentam essas condições. O resultado é fruto da análise de 10.249 casos da doença notificados pelos municípios paulistas, até sete de dezembro de 2009, no

Influenza A(H1N1): ‘Influenza’ dos laboratórios

Foto: R7 Notícias Quatorze membros da Assembleia Parlamentar europeia asseguram que as companhias farmacêuticas influíram sobre os responsáveis da saúde pública para promover suas vacinas. Um especialista da OMS admitiu que seu instituto é financiado por um laboratório. A reportagem é de Pedro Lipcovich, publicada no sítio Página/12, 15-01-2010. A tradução é de Vanessa Alves. 23790

Influenza A(H1N1): O grande negócio da pandemia de influenza, artigo de Reinaldo Guimarães

Cerca de 40% do custo dos remédios correspondem a despesas de marketing [Valor Econômico] Quanto à pandemia de gripe, o que temos hoje? Boas vacinas, que são a principal ferramenta no combate às doenças virais de comportamento epidêmico explosivo (como as transmitidas de pessoa a pessoa). No Brasil, a partir de maio, o SUS estará vacinando os grupos populacionais sob maior risco de formas graves e de morte pela doença. Temos

Bioterápicos homeopáticos usados em Cuba para combater a Influenza A(H1N1), artigo de Américo Canhoto

[EcoDebate] Antes tarde do que nunca. Essa notícia nos deixa na expectativa de que em Cuba, possam colher bons resultados contra a H1N1 da mesma forma que os já alcançados em algumas cidades brasileiras, em especial em Macaé (RJ) e Belém (PA) onde a Homeopatia já está sendo usada no tratamento e prevenção da Dengue. Agrupamos a notícia sobre o trabalho com Homeopatia em Cuba com um artigo que escrevemos em 25/09/09

Secretaria da Saúde de São Paulo começa este mês a distribuir 41 milhões de doses de vacina contra a Influenza A(H1N1)

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo começará a distribuir a partir deste mês 41 milhões de doses da vacina contra a gripe A H1N1, popularmente conhecida como gripe suína, que serão utilizadas em campanha nacional de imunização contra a doença neste ano. Segundo a Secretaria, os primeiros lotes chegaram ao Instituto Butantan, órgão da pasta, na semana passada e já foram colocados à disposição do Ministério da Saúde. Pelos

Influenza A (H1N1): Como a indústria farmacêutica lucra com a gripe suína

Outrora menosprezadas pelas companhias farmacêuticas como arriscadas e pouco lucrativas, as vacinas para combater doenças como a gripe suína são atualmente um negócio em crescimento para a Novartis e outras empresas. A Novartis, uma gigante do setor farmacêutico, deu um impulso aos esforços dos Estados Unidos para combater gripes pandêmicas com a inauguração em 24 de novembro da maior instalação do país para cultura de células em grande escala. Situada em

Influenza A(H1N1): Uma gripe à espera de mais discussão, artigo de Washington Novaes

[O Estado de S.Paulo] Com os presidentes Oscar Arias, da Costa Rica, e Álvaro Uribe, da Colômbia, além do chefe das Forças Armadas e dois ministros colombianos, já atacados pela gripe suína, e o presidente da Bolívia, Evo Morales, recebendo tratamento preventivo - também se têm recomendado cuidados especiais ao presidente Lula, que com eles teve contatos a portas fechadas -, esse novo mal, que já era conhecido nos Estados

Influenza A(H1N1): Paciente informado e não alarmado

Diante das críticas à "epidemia de medo", os especialistas creem que saber mais ajuda a se preparar para a gripe A. Opor-se a uma comunicação exaustiva delata uma medicina paternalista "Está se criando um alarme e uma angústia exagerada em torno da gripe A." A Organização Médica Colegial, entidade que representa os colégios de médicos, rompeu na semana passada a prudência que tinha demonstrado desde o início da expansão do vírus

Brasil sempre considerou as gripes como simples resfriados, diz médico

O presidente da Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro, Celso Ramos, disse ontem (3) que o país sempre considerou os diversos tipo de gripe como “um simples resfriado”. Ele lembrou, por exemplo, que governo e profissionais de saúde só passaram a se preocupar com a vacinação de adultos há cerca de dez anos. Ao participar de audiência pública na Câmara dos Deputados, Ramos revelou que em boa

Top