O mundo chegará a 8 bilhões de habitantes no dia 15 de novembro de 2022

 

O mundo chegará a 8 bilhões de habitantes no dia 15 de novembro de 2022, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

A população mundial atingiu 7 bilhões de habitantes em 31 de outubro de 2011 e vai alcançar 8 bilhões em 15 de novembro de 2022, de acordo com as novas projeções populacionais da Divisão de População da ONU, divulgadas na segunda-feira 11 de julho, data comemorativa do Dia Mundial de População. Em 11 anos o mundo ganhou 1 bilhão de novas pessoas.

As novas projeções da ONU trazem um conjunto enorme de informações para todos os países e regiões do mundo. A base de dados é riquíssima. Uma novidade trazida nesta revisão 2022 é uma desaceleração do ritmo de crescimento populacional e, pela primeira vez, está previsto um decrescimento da população global no final do atual século.

A população mundial era de 2,5 bilhões de habitantes em 1950 e tinha um crescimento anual de pouco mais de 40 milhões de pessoas em meados do século passado, conforme mostra o gráfico abaixo. Em 1990, a população mundial chegou a 5,3 bilhões de habitantes e apresentou o maior aumento anual, com o acréscimo de 92,5 milhões de pessoas. Em 2019, a variação anual foi de 81,2 milhões de pessoas e caiu para 65,8 milhões em 2022 por conta da pandemia que aumentou o número de mortes e diminuiu o número de nascimentos. Mas a estimativa é que o número volte a subir para 73 milhões anuais em 2025. A partir da segunda metade dos anos 2020 o acréscimo anual da população vai começar a diminuir consistentemente até o valor de 247 mil pessoas em 2086, que será o último ano de variação positiva da população mundial. A partir de 2087 haverá decrescimento da população global que chegará em 2100 com uma diminuição de 10 milhões de pessoas por ano.

variação anual da população mundial

 

Nas projeções anteriores da ONU a população mundial estava prevista para cerca de 11 bilhões de habitantes em 2100. Mas na projeção atual a estimativa caiu para 10,3 bilhões de habitantes. Esta diminuição do ritmo de crescimento populacional é uma boa notícia para a luta pela redução da pobreza e pela batalha em defesa do meio ambiente e da biodiversidade. O menor número de pessoas é um passo fundamental para diminuir a Pegada Ecológica global que já ultrapassou a capacidade de carga da Terra.

A figura abaixo, do relatório da Divisão de população da ONU (World Population Prospects 2022: Summary of Results, p. 10), mostra que os países com maiores taxas de crescimento demográfico apresentam maior percentagem de pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza. A crescente concentração do crescimento populacional nas regiões menos desenvolvidas pode colocar desafios à capacidade dos países de alcançar o progresso no bem-estar.

O rápido crescimento da população de um país pode exacerbar o desafio de erradicar a pobreza (meta número 1 dos ODS), potencialmente prendendo as comunidades em um ciclo vicioso, enquanto o crescimento econômico acompanha o crescimento populacional, a pobreza pode privar os indivíduos de oportunidades e escolhas, limitando sua capacidade para controlar sua fecundidade, perpetuando altos níveis de procriação muitas vezes começando cedo na vida e gerando o rápido crescimento continuado da população.

Reduzir a pobreza no contexto do rápido crescimento populacional continua sendo um desafio formidável. Em muitos casos, embora as estratégias de redução da pobreza possam tirar um grande número de pessoas da miséria, a proporção da população que vive abaixo da linha da pobreza pode estagnar ou até aumentar. A população em muitos países da África Subsaariana está projetada para dobrar entre 2022 e 2050, colocando pressão adicional sobre recursos já escassos e políticas desafiadoras destinadas a reduzir as carências de renda e as desigualdades.

crescimento da população mundial e a taxa de pobreza

 

 

Por exemplo, Angola tem registrado taxas de crescimento populacional acima de 3% ao ano desde o início da década de 1970 devido ao efeito combinado de níveis persistentes de fecundidade e reduções notáveis ??na mortalidade infantil, em particular durante as últimas duas décadas. Em 2018, cerca de metade da população daquele país vivia em extrema pobreza (figura acima). De 2008 a 2018, o aumento do número de pessoas vivendo em extrema pobreza (109%) superou o aumento do crescimento da população total (44%).

Durante a primeira década do atual milênio, Uganda fez progressos notáveis ??na redução da pobreza extrema em um contexto de rápido crescimento populacional. Desde 2010, no entanto, o número de pessoas que vivem abaixo da linha de pobreza aumentou mais rapidamente do que toda a população. Em Madagascar, a população vem crescendo a uma taxa de cerca de 3% ao ano há várias décadas. O país continua sendo um dos países mais pobres do mundo, com mais de 70% de sua população vivendo abaixo da linha de pobreza internacional de pobreza.

Por conseguinte, a diminuição do ritmo de crescimento populacional e a perspectiva do decrescimento demográfico são fatores favoráveis para que a humanidade consiga vencer a chaga da pobreza e evitar um colapso ambiental catastrófico.

A redução do ritmo de crescimento populacional também contribui para reduzir a fome. Como mostrei em artigo aqui no Ecodebate (Alves, 17/04/2013) a fome é mais prevalente nos países com altas taxas de fecundidade e uma estrutura etária jovem, como mostra o gráfico abaixo.

taxa de fecundidade total e índice global da fome

 

Neste momento em que o mundo convive com a tempestade perfeita, conhecida como CCC – Clima, Covid e Conflitos – a pobreza e a fome estão aumentando no mundo e o pleno bem-estar social e ambiental está cada vez mais difícil de ser alcançado. A sobrecarga da Terra se amplia e a inclusão da discussão sobre o decrescimento demoeconômico global é cada vez mais urgente.

José Eustáquio Diniz Alves
Doutor em demografia, link do CV Lattes:
http://lattes.cnpq.br/2003298427606382

 

Referências:

ALVES, JED. Alta fecundidade, fome e biodiversidade, Ecodebate, 17/04/2013
http://www.ecodebate.com.br/2013/04/17/alta-fecundidade-fome-e-biodiversidade-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. Demografia e Economia nos 200 anos da Independência do Brasil e cenários para o século XXI (com a colaboração de GALIZA, F), ENS, maio de 2022
https://ens.edu.br:81/arquivos/Livro%20Demografia%20e%20Economia_digital_2.pdf

ALVES, JED. Crescimento demoeconômico no Antropoceno e negacionismo demográfico, Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, e5942, maio 2022
https://revista.ibict.br/liinc/article/view/5942/5595

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 11/07/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top