Soluções baseadas na natureza para as mudanças climáticas

 

áreas naturais urbanas

Soluções baseadas na natureza para as mudanças climáticas

Em meio às crises do clima e da biodiversidade, as soluções baseadas na natureza são cada vez mais vistas como importantes para reduzir os impactos das mudanças climáticas, bem como para proteger os ecossistemas e a biodiversidade. 

O que exatamente são soluções baseadas na natureza e como elas estão fazendo a diferença? Pedimos a Garo Batmanian, Especialista Líder em Meio Ambiente do Banco Mundial, que explicasse.

World Bank

O que são soluções baseadas na natureza?

As soluções baseadas na natureza são ações para proteger, gerenciar de forma sustentável ou restaurar ecossistemas naturais, que abordam desafios sociais como mudanças climáticas, saúde humana, segurança alimentar e hídrica e redução de risco de desastres de forma eficaz e adaptativa, proporcionando simultaneamente o bem-estar humano e a biodiversidade benefícios. Por exemplo, um problema comum são as inundações em áreas costeiras que ocorrem como resultado de tempestades e erosão costeira. Esse desafio, tradicionalmente enfrentado com infraestrutura artificial (cinza), como paredões ou diques, inundações costeiras, também pode ser enfrentado por ações que aproveitem os serviços ecossistêmicos, como o plantio de árvores.Plantar árvores que prosperam nas áreas costeiras – conhecidas como manguezais – reduz o impacto das tempestades nas vidas humanas e nos ativos econômicos e fornece um habitat para peixes, pássaros e outras plantas que sustentam a biodiversidade.

As soluções baseadas na natureza ajudam a combater as mudanças climáticas?

As estimativas sugerem que as soluções baseadas na natureza podem fornecer 37% da mitigação necessária até 2030 para atingir as metas do Acordo de Paris. Como isso pode ser feito? Se você plantar árvores, elas vão absorver carbono. Por exemplo, restaurar a mata nativa nas margens do rio para evitar deslizamentos de terra também pode atuar como sumidouro de carbono. A agricultura inteligente para o clima é outro exemplo que permite que os agricultores retenham mais carbono em seus campos à medida que produzem. Diminuir o desmatamento é outra maneira de se beneficiar de soluções baseadas na natureza – por exemplo, pagar aos agricultores para não derrubar a floresta preserva os serviços ecossistêmicos, como sequestro de carbono, fornecimento de água potável e redução da sedimentação do rio a jusante.

As soluções baseadas na natureza também desempenham um papel fundamental na adaptação às mudanças climáticas e na construção de resiliência em paisagens e comunidades. Várias soluções baseadas na natureza estão sendo usadas pelo Banco Mundial para ajudar a gerenciar o risco de desastres e reduzir a incidência e o impacto de inundações, deslizamentos de terra e outros desastres.Eles são uma maneira econômica de abordar as mudanças climáticas, ao mesmo tempo em que abordam a biodiversidade e a degradação da terra. Você pode resolver vários problemas ao mesmo tempo.

Mas não é automático que tudo o que você planta se torne uma solução baseada na natureza que contribui para a biodiversidade – por exemplo, plantar árvores que não são da região e são tóxicas para os animais locais não geraria benefícios para a biodiversidade.

As estimativas sugerem que as soluções baseadas na natureza podem fornecer 37% da mitigação necessária até 2030 para atingir as metas do Acordo de Paris.

Onde estão os projetos do Banco Mundial incorporando soluções baseadas na natureza?

No EF20, o portfólio de soluções baseadas na natureza do Banco Mundial incluiu 70 projetos – muitos deles com foco na gestão de riscos hídricos e de desastres. Gostaríamos que mais projetos incluíssem soluções baseadas na natureza também em outras áreas temáticas. Para isso, estamos realizando treinamento para funcionários do Banco Mundial, com o objetivo de ampliar o apoio em nível de país. O Banco Mundial está empenhado em abordar as duas crises globais que se cruzam que o mundo está enfrentando: a crise climática e a crise da biodiversidade.

Deixem-me dar alguns exemplos: no Burundi, as florestas foram desmatadas e as colheitas foram cultivadas em encostas íngremes sem controlar a erosão. Como resultado, o país experimentou deslizamentos de terra e inundações mais frequentes, agravados pelas chuvas torrenciais e secas associadas às mudanças climáticas. Estamos apoiando um projeto que está construindo cerca de 8.000 hectares de terraços em encostas, usando vegetação em pontos críticos para controlar a erosão do solo, aumentar a umidade do solo e reduzir o escoamento. Os agricultores estão plantando árvores, gramíneas estabilizadoras do solo e culturas forrageiras para proteger o solo superficial e tornar a terra mais produtiva para a agricultura.

Em Colombo, Sri Lanka , estamos apoiando um projeto pioneiro no uso de zonas úmidas urbanas como uma solução baseada na natureza. As zonas húmidas reduzem o risco de inundação ao reter o excesso de água, mas a capacidade de retenção das zonas húmidas de Colombo caiu 40% ao longo de uma década.Ao mesmo tempo, as mudanças climáticas e o aumento do nível do mar aumentaram a vulnerabilidade da cidade às inundações. O projeto utilizou infraestrutura verde e cinza para restaurar e proteger o pantanal e manter sua integridade hidráulica. Isso reduziu o risco de inundação para mais de 200.000 moradores da cidade e proporcionou a toda a cidade uma melhor qualidade de vida. As áreas úmidas também sequestram carbono e regulam o clima local, o que tem ajudado a reduzir o uso de ar condicionado próximo às áreas úmidas. O projeto melhorou a qualidade da água e o tratamento de águas residuais, e o pântano de Beddagana da cidade foi transformado em um parque e santuário de vida selvagem.

No Lago Zhejiang Qiandao e na Bacia do Rio Xin’an, na China, estamos apoiando a gestão integrada da poluição e das bacias hidrográficas, para ajudar a aumentar o acesso a um melhor abastecimento de água. O lago é a principal fonte de água potável para muitas cidades ao longo da bacia hidrográfica, mas o rápido desenvolvimento, a produção agrícola e o crescimento do turismo aumentaram a poluição da água. O projeto está implementando soluções baseadas na natureza, como agricultura inteligente em termos climáticos, manejo florestal ambientalmente sustentável, restauração de áreas úmidas e florestas degradadas, como algumas das intervenções que buscam melhorar a qualidade da água no lago.

Todos os caminhos para alcançar o Acordo de Paris incluem proteção de florestas e conservação, restauração e uso sustentável de ecossistemas naturais. As soluções baseadas na natureza oferecem uma maneira de lidar com as crises climáticas e de biodiversidade de maneira sinérgica e econômica.

Como medimos os resultados de soluções baseadas na natureza?

Uma abordagem baseada em evidências para gerenciar e medir resultados de soluções baseadas na natureza é fundamental. Isso significa monitoramento e avaliação ao longo do ciclo de intervenção, com base na ciência e nos dados, bem como no conhecimento local e indígena. O que exatamente precisa ser medido? Isso depende dos desafios sociais que a solução baseada na natureza se propõe a enfrentar. Se o objetivo é mitigar as mudanças climáticas, as equações, os protocolos e os sistemas estão bem estabelecidos para medir os resultados – sendo o dióxido de carbono (CO 2 ) a métrica básica utilizada. Uma tonelada de CO 2 equivalente sequestrada em um projeto de restauração no Brasil tem o mesmo efeito na concentração de gases de efeito estufa na atmosfera que uma tonelada de CO 2 sequestrada em um projeto de reflorestamento na Rússia.

O que é fundamental é olhar além do clima e também medir (e monetizar – por exemplo, por meio de mercados ambientais) os outros benefícios que a solução baseada na natureza está oferecendo. Por exemplo, quando se trata de medir o impacto na biodiversidade, a tarefa é mais complicada e multidimensional. Os ecossistemas são sistemas altamente complexos e dinâmicos; e não há uma única métrica de alto nível ou uma meta global sobre biodiversidade equivalente a manter o aquecimento global abaixo de 1,5°C acima dos níveis pré-industriais no domínio climático. No entanto, os projetos têm uma série de indicadores disponíveis, como tendências nas populações de espécies (ameaçadas) e a prestação de serviços ecossistêmicos críticos – por exemplo, qualidade da água e previsibilidade em uma bacia hidrográfica que se beneficiou da restauração do reflorestamento.

Para o Banco Mundial, a perda de biodiversidade e serviços ecossistêmicos é uma questão de desenvolvimento e por isso a instituição investe na natureza há mais de três décadas. Atualmente, estamos trabalhando com outros bancos multilaterais de desenvolvimento para melhorar a forma como os benefícios da biodiversidade são avaliados nas carteiras de desenvolvimento e nos mercados financeiros mais amplos. As apostas são altas. Os riscos que as mudanças climáticas representam para o desenvolvimento global são significativos, assim como os riscos da biodiversidade global e da perda de ecossistemas.Todos os caminhos para alcançar o Acordo de Paris incluem proteção de florestas e conservação, restauração e uso sustentável de ecossistemas naturais. As soluções baseadas na natureza oferecem uma maneira de lidar com as crises climáticas e de biodiversidade de maneira sinérgica e econômica.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 12/06/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top