O mundo precisa de seis mil árvores para cada ser humano

 

O mundo precisa de seis mil árvores para cada ser humano, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

Reverter o desmatamento, plantar árvores e restaurar a vida selvagem é não só um dever ético, mas também uma tábua de salvação para a própria humanidade

“A floresta precede os povos. E o deserto os segue”
François-René Chateaubriand (1768-1848)

O Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado todo 05 de junho, foi estabelecido pela Assembleia Geral das Nações Unidas, marcando a abertura da Conferência de Estocolmo sobre Meio Ambiente Humano, em 1972. Entre os objetivos das comemorações estão: “a) Mostrar o lado humano das questões ambientais; b) Capacitar as pessoas a se tornarem agentes ativos do desenvolvimento sustentável; c) Promover a compreensão de que é fundamental que comunidades e indivíduos mudem atitudes em relação ao uso dos recursos e das questões ambientais; d) Advogar parcerias para garantir que todas as nações e povos desfrutem um futuro mais seguro e mais próspero”.

Nos últimos 50 anos, nunca se falou tanto em meio ambiente. Contudo, a situação ambiental do Planeta piorou e, no rumo atual, pode estar caminhando para um colapso, caso não haja uma mudança de rumo. O homo sapiens surgiu há cerca de 200 mil anos na África e se espalhou por todos os cantos do Planeta. Na medida em que o número de habitantes crescia e as atividades antrópicas aumentavam o grau de dominação e exploração, a natureza definhava. A biodiversidade e as áreas selvagens do mundo estão perdendo espaço e direitos, enquanto as civilizações humanas foram se tornando onipresentes em um meio ambiente degradado.

A Revolução Industrial e Energética que teve início no final do século XVIII possibilitou um grande crescimento demoeconômico. Nos últimos 250 anos, a economia global cresceu 135 vezes, a população mundial cresceu 9,2 vezes e a renda per capita cresceu 15 vezes. Este elevado crescimento demoeconômico foi maior do que o de todo o período dos 200 mil anos anteriores, desde o surgimento do Homo sapiens. Mas todo o crescimento e enriquecimento humano ocorreu às custas do encolhimento e empobrecimento do meio ambiente. O conjunto das atividades antrópicas ultrapassou a capacidade de carga da Terra e a Pegada Ecológica da humanidade extrapolou a Biocapacidade do Planeta. A dívida do ser humano com a natureza tem crescido enquanto se destrói a base ecológica que sustenta a economia e a sobrevivência humana.

A cobertura vegetal é uma das principais vítimas da expansão humana. Estima-se que havia 6 trilhões de árvores no mundo antes da Revolução Industrial, quando a população mundial era de menos de 1 bilhão de habitantes (6 mil árvores por pessoa). Mas o rápido crescimento da produção de bens e serviços provocou a destruição da metade das florestas do Planeta. O número de árvores no mundo caiu de 6 trilhões para 3 trilhões de unidades, segundo o estudo publicado na prestigiosa revista acadêmica Science (Bastin et. al. 05/07/2019). E o pior, os seres humanos estão destruindo 15 bilhões de árvores por ano, enquanto o aparecimento de novas unidades e o reflorestamento acrescenta somente 5 bilhões de árvores. Ou seja, o Planeta está perdendo 10 bilhões de árvores por ano e pode eliminar todo o estoque de 3 trilhões de árvores em 300 anos.

O gráfico abaixo, do site Our World in Data, no início do Holoceno (há cerca de 10 mil anos) havia 10,6 bilhões de hectares cobertas por florestas, arbustos, pastagens e outros espaços selvagens – representando 71% da superfície terrestre do Planeta. O restante – 29% da superfície terrestre do Planeta – é coberta por gelo, rochas, desertos e terras estéreis.

nossos ancestrais destruíram um terço das antigas florestas

 

No final da última grande era glacial, estima-se que 57% das terras habitáveis do mundo eram florestadas. Desde então, pessoas em todas as regiões do mundo queimaram e derrubaram florestas. A área florestal diminuiu de 6 para 4 bilhões de hectares. Isso significa que nossos ancestrais destruíram um terço das antigas florestas – uma área florestal com o dobro do tamanho dos EUA foi perdida.

Existem duas grandes razões pelas quais os humanos destruíram as florestas e continuam a fazê-lo: a necessidade de terra e a necessidade de madeira. O crescimento da civilização necessita madeira para muitos propósitos: como material de construção para casas, infraestrutura ou navios, para transformá-la em papel e – o mais importante – como fonte de energia. A queima de madeira é uma importante fonte de energia onde há árvores, mas não há fontes de energia modernas disponíveis.

Sem embargo, de longe, o maior motor da destruição das florestas são a agricultura e a pecuária. A humanidade derruba florestas principalmente para dar espaço para os campos cultivarem e pastagens para criar gado. Também derrubamos florestas para dar lugar a assentamentos ou mineração, mas são pequenas em comparação com a agricultura. O uso da terra para a agricultura não ocorreu apenas às custas das florestas do mundo, mas também levou ao enorme declínio de outros espaços selvagens do mundo, os arbustos e as pastagens, segundo o site Our World in Data (Max Roser, 20/04/2022).

As tentativas de deter o desmatamento não têm obtido sucesso. Artigo de Mark Kinver (BBC News, 12/09/2019) mostra que um acordo global histórico destinado a interromper o desmatamento falhou. Uma avaliação da Declaração de Nova York sobre Florestas (NYDF) diz que ela não cumpriu as promessas-chave. Lançado na cúpula climática da ONU em 2014, visava reduzir à metade o desmatamento até 2020 e atingir o desmatamento zero até 2030. No entanto, o desmatamento continua a um ritmo alarmante e ameaça agravar as mudanças climáticas perigosas.

Desde que o NYDF foi lançado há cinco anos, o desmatamento não apenas continuou, como também acelerou. A quantidade anual de emissões de gases de efeito estufa resultantes do desmatamento em todo o mundo é equivalente aos gases de efeito estufa produzidos pela União Europeia. Em média, uma área de cobertura de árvores do tamanho do Reino Unido foi perdida todos os anos entre 2014 e 2018. A perda de florestas tropicais representa mais de 90% do desmatamento global, com o hotspot localizado nas nações da Bacia Amazônica da Bolívia, Brasil, Colômbia e Peru.

O relatório “Protecting and Restoring Forests: A Story of Large Commitments” (Five-Year Assessment Report, September 2019) mostra que o desmatamento está piorando, cinco anos depois que países e empresas prometeram impedi-lo. Se existiam dúvidas sobre os números do desmatamento (como mostrou Fred Pearce, Yale 360, 09/10/2018), os dados atuais são claros em mostrar o grau de degradação da cobertura vegetal global. O mundo tem cada vez mais gente e cada vez menos árvores. Antes da Revolução a relação era de 6 mil árvores para cada ser humano (cerca de 6 trilhões de árvores para 1 bilhão de seres humanos).

O artigo “Deforestation and world population sustainability: a quantitative analysis”, publicado na revista Nature (Bologna, Aquino, 06/05/2020) mostra a insustentabilidade do crescimento demoeconômico global e conclui: “Com base nas taxas atuais de consumo de recursos e na melhor estimativa de crescimento da taxa tecnológica, nosso estudo mostra que temos uma probabilidade muito baixa, menos de 10% na estimativa mais otimista, de sobreviver sem enfrentar um colapso ambiental catastrófico”.

Evidentemente, não basta deter o desmatamento e ampliar a área verde para evitar uma crise climática. Para controlar o aquecimento global é preciso cortar radicalmente as emissões de gases de efeito estufa. Contudo, o avanço das florestas seria fundamental como fonte de sequestro do carbono que já está na atmosfera.

No artigo, Bologna e Aquino dizem o caminho da redução da cobertura verde é insustentável e apocalíptico: “Em conclusão, nosso modelo mostra que um colapso catastrófico da população humana, devido ao consumo de recursos é o cenário mais provável da evolução dinâmica com base nos parâmetros atuais. Adotando um modelo combinado determinístico e estocástico, concluímos do ponto de vista estatístico que a probabilidade de nossa civilização sobreviver é inferior a 10% no cenário mais otimista.

Os cálculos mostram que, mantendo a taxa real de crescimento populacional e consumo de recursos, em particular o consumo da floresta, temos algumas décadas restantes antes de um colapso irreversível de nossa civilização. Para agravar a situação, ressaltamos mais uma vez que não é realista pensar que o declínio da população em situação de forte degradação ambiental seria um declínio não caótico e bem ordenado. Esta consideração leva a um tempo restante ainda mais curto”.

Em 2021, o Brasil foi líder na perda de florestas tropicais no mundo, sendo responsável por 40% da derrubada, segundo dados da Global Forest Watch, ferramenta da organização não governamental WRI (World Resources Institute) em parceria com a Universidade de Maryland, nos EUA. Ao todo, as perdas de florestas tropicais primárias somam 3,75 milhões de hectares (37,5 mil quilômetros quadrados). No Brasil, segundo a plataforma, a perda foi de 1,5 milhão de hectares, ou 15 mil quilômetros quadrados, a maior entre todos os países, como mostra o gráfico abaixo. Isto é preocupante, pois o país abriga a maior floresta tropical do planeta. Além disso, o Brasil tem em seu território aproximadamente 33% das florestas tropicais primárias de todo o mundo.

o brasil foi líder na perda de florestas tropicais no mundo

 

Desta forma, reverter o desmatamento, plantar árvores e restaurar a vida selvagem é não só um dever ético, mas também uma tábua de salvação para a própria humanidade. Mas de nada adianta plantar árvores se o ser humano continuar na sua marcha louca e insensata para colocar mais gente no mundo e, em média, cada novo habitante vai aumentar o consumo per capita de água, alimentos, moradia, transporte, lazer, etc., o que eleva a Pegada Ecológica bem acima dos limites da Biocapacidade da Terra.

Reservar metade do Planeta para a natureza é uma forma de evitar o ecocídio e o suicídio civilizacional. O mundo precisa de algo como seis mil árvores para cada ser humano para evitar um aquecimento global catastrófico, manter a Terra habitável e garantir a sobrevivência da biodiversidade do Planeta.

José Eustáquio Diniz Alves
Doutor em demografia, link do CV Lattes:
http://lattes.cnpq.br/2003298427606382

Referências:

ALVES, JED. Países com maiores áreas e percentagens de floresta, Ecodebate, 06/09/2019
https://www.ecodebate.com.br/2019/09/06/paises-com-maiores-areas-e-percentagens-de-floresta-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. Mais árvores e menos gente, Ecodebate, 02/10/2019
https://www.ecodebate.com.br/2019/10/02/mais-arvores-e-menos-gente-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. Um mundo pode ficar mais verde se metade da Terra for para a natureza, Ecodebate, 16/12/2020
https://www.ecodebate.com.br/2020/12/16/o-mundo-pode-ficar-mais-verde-se-metade-da-terra-for-para-a-natureza/

BASTIN, Jean-François et. al. The global tree restoration potential, Science, Vol. 365, Issue 6448, pp. 76-79, 05 Jul 2019:
https://science.sciencemag.org/content/365/6448/76

BOLOGNA, Mauro; AQUINO, Gerardo. Deforestation and world population sustainability: a quantitative analysis. Nature, Scientific Reports volume 10, Article number: 7631, 06/05/2020
https://www.nature.com/articles/s41598-020-63657-6

Mark Kinver. World ‘losing battle against deforestation’, BBC News, 12/09/2019
https://www.bbc.com/news/science-environment-49679883

Narendra Modi. “Population explosion a worry”, TOI, 15/08/2019
http://timesofindia.indiatimes.com/articleshow/70693821.cms?utm_source=contentofinterest&utm_medium=text&utm_campaign=cppst

Fred Pearce. Conflicting Data: How Fast Is the World Losing its Forests? Yale 360, 09/10/2018
https://e360.yale.edu/features/conflicting-data-how-fast-is-the-worlds-losing-its-forests

Max ROSER. Humans destroyed forests for thousands of years – we can become the first generation that achieves a world in which forests expand, Our World in Data, 20/04/2022
https://ourworldindata.org/global-forest-transition

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 01/06/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top