Mudanças climáticas ameaçam a diversidade funcional das florestas tropicais

 

Mudanças climáticas ameaçam a diversidade funcional das florestas tropicais

O desenvolvimento humano e as mudanças climáticas ameaçam a capacidade das florestas de funcionar adequadamente

Pela Arizona State University*

Sob as copas verdes de árvores altas, cores vivas piscam em asas estendidas, enquanto sob os pés, um pequeno sapo verde salta sobre uma folha grande. Ao longe, um chimpanzé pega uma fruta pendurada acima de sua cabeça. Esta é uma floresta tropical, rica em vida e repleta de biodiversidade.

Embora cubram apenas cerca de 6% da superfície da Terra, as florestas tropicais suportam mais de 80% das espécies documentadas do mundo . E esses ecossistemas são um dos mais antigos do planeta.

No entanto, o desenvolvimento humano e as mudanças climáticas ameaçam a capacidade das florestas de funcionar adequadamente.

Para proteger e restaurar as florestas tropicais, pesquisadores da Arizona State University se juntaram a um estudo liderado pela Universidade de Oxford para descobrir informações críticas sobre as florestas e sua capacidade de responder aos impactos das mudanças climáticas.

O estudo analisou a diversidade funcional, ou a gama de características funcionais que um ecossistema precisa para operar. No estudo , publicado em 16 de maio na Nature Ecology and Evolution, a equipe de pesquisadores mapeou a diversidade funcional das florestas. As descobertas demonstram que as florestas mais secas são menos diversificadas funcionalmente, o que significa que podem ser menos resilientes diante de secas crescentes.

“Para milhares de árvores distribuídas pelos trópicos, coletamos informações de certas características que lhes permitem responder a mudanças no ambiente, como o aumento das secas, que chamamos de ‘traços funcionais’”, disse Jesús Aguirre-Gutiérrez , autor principal do estudo e pesquisador sênior do Environmental Change Institute da Universidade de Oxford . “Usando essas informações, construímos modelos para entender se e como a diversidade de características funcionais aumenta a resiliência das florestas às mudanças climáticas.”

Abrangendo 74 locais e quatro continentes, a equipe usou dados climáticos locais nos últimos 50 anos combinados com dados de 16 diferentes características de plantas amostradas de 2.461 árvores individuais. Essa combinação de dados permitiu à equipe obter uma visão geral das mudanças na floresta, especificamente como as respostas das florestas às mudanças climáticas diferem com base na secura do ecossistema. No geral, as florestas tropicais mais secas são menos diversificadas funcionalmente e mais redundantes funcionalmente – muitas espécies desempenham as mesmas funções.

“Esta pesquisa informa os esforços de conservação, identificando regiões mais suscetíveis às mudanças climáticas, permitindo que gestores e formuladores de políticas tomem ações mais direcionadas e educadas”, disse Greg Asner , coautor do estudo e diretor do Centro de Descoberta Global e Ciência da Conservação . “Devemos descobrir onde e como investir para a resiliência do ecossistema a longo prazo.”

Previsões globais de diversidade funcional em florestas tropicais e subtropicais, secas e úmidas de folhas largas
Previsões globais de diversidade funcional em florestas tropicais e subtropicais, secas e úmidas de folhas largas. Reproduzido de “Functional susceptibility of tropical forests to climate change”, por JAGutiérrez, 2022, Nature Ecology and Evolution

 

Referência

Aguirre-Gutiérrez, J., Berenguer, E., Oliveras Menor, I. et al. Functional susceptibility of tropical forests to climate change. Nat Ecol Evol (2022). https://doi.org/10.1038/s41559-022-01747-6

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 18/05/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top