Aquecimento dos oceanos pode levar à extinção de corais

 

recife de fora, foto enrico marcovaldi concurso coral vivo
Foto: Enrico Marcovaldi – Concurso Coral Vivo

Aquecimento dos oceanos pode levar à extinção de corais

Recifes de corais vibrantes repletos de vida marinha estão diminuindo em todo o Caribe à medida que as temperaturas globais aumentam.

Os recifes de coral são habitats que sustentam a indústria de frutos do mar, são barreiras para as comunidades costeiras contra tempestades, inundações e aumento do nível do mar e são atrações para o turismo. Seu valor econômico líquido em todo o mundo é estimado em dezenas de bilhões de dólares.

No entanto, se as temperaturas atmosféricas e oceânicas continuarem a subir no ritmo atual, os recifes de coral enfrentarão a extinção nos próximos 80 anos, ou até o final deste século.

Pela Louisiana State University*

“Recifes inteiros nos quais eu costumava mergulhar e snorkel se foram. Existem espécies que você não vê mais no recife. A mudança está acontecendo agora”, disse o professor assistente do Departamento de Oceanografia e Ciências Costeiras da LSU, Dan Holstein.

Ele e seus colaboradores desenvolveram um novo modelo computacional de código aberto que é o primeiro a prever como o aquecimento dos mares desestabilizará as populações de corais em todo o Atlântico Ocidental, incluindo Florida Keys, Bahamas e Caribe. Usando projeções existentes de aquecimento dos oceanos , o modelo calcula como as populações de corais se sustentarão e prosperarão, ou começarão a perecer, à medida que as temperaturas dos oceanos aumentarem.

“Este modelo prevê que o aquecimento do oceano reduzirá a capacidade de migração das larvas de coral para reabastecer os recifes que branquearam e morreram. O modelo não sela o destino dos recifes de coral, mas é um grande alerta”, disse Holstein, cujo trabalho é publicado em um novo artigo na revista Coral Reefs .

À medida que o oceano aquece, pode desestabilizar os ecossistemas marinhos, levando a desequilíbrios semelhantes aos extremos de temperatura e clima experimentados em terra.

“O estresse térmico não é o único problema que os corais enfrentam, mas é considerado o maior”, disse Holstein. “E quanto carbono colocamos na atmosfera é algo que podemos decidir. Podemos realmente fazer algo a respeito.”

Os corais são animais marinhos que dependem de uma relação simbiótica saudável com uma alga marinha microscópica para sobreviver. As algas vivem dentro do tecido do coral e produzem açúcares para o coral através da fotossíntese. No entanto, quando o oceano fica muito quente, essa relação simbiótica se desfaz, levando a um fenômeno chamado branqueamento de corais e, eventualmente, o coral pode morrer de fome.

O modelo de Holstein examina como as populações de corais conectadas são resilientes às mudanças de temperatura esperadas em todo o Caribe.

“A conectividade dos recifes de corais através da reprodução sexual e das larvas planctônicas continua sendo um processo crítico para rastrear durante as mudanças climáticas”, disse a coautora Claire Paris, professora da Escola Rosenstiel da Universidade de Miami.

O novo modelo usa informações de conectividade derivadas do Sistema de Modelagem de Conectividade de código aberto desenvolvido por Paris.

Embora o modelo sugira um resultado terrível para os recifes de corais e especificamente para o coral estrela de pedregulhos amplamente difundido, mas ameaçado, usado no modelo, dada a trajetória atual, Holstein não acredita que a extinção dos recifes de coral seja inevitável.

Consumidores e formuladores de políticas ainda podem alterar a quantidade de carbono emitida na atmosfera. Os países que mais estão em jogo e aqueles que são os maiores emissores de carbono precisam trabalhar juntos para reverter o curso.

“A gestão dos recifes de coral e a mitigação deste futuro terrível requer cooperação através das fronteiras e escalas espaciais para gerenciar habitats críticos. É uma das conclusões óbvias. Se não fizermos isso, todo o nosso esforço corre o risco de ser ineficaz, “, disse Holstein.

O estudo, intitulado “Predicting coral metapopulation decline in a changing thermal environment“, foi publicado on-line em 12 de abril na revista Coral Reefs . Os autores do artigo incluem Holstein, professor associado de pesquisa de ciências marinhas da Universidade das Ilhas Virgens, Tyler Smith, o cientista assistente Ruben van Hooidonk no Laboratório Oceanográfico e Meteorológico da NOAA e Paris.

Referência:

Holstein, D.M., Smith, T.B., van Hooidonk, R. et al. Predicting coral metapopulation decline in a changing thermal environment. Coral Reefs (2022). https://doi.org/10.1007/s00338-022-02252-9

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 18/05/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top