Aquecimento global acelera o ciclo hidrológico

 

Aquecimento global acelera o ciclo hidrológico

Esta aceleração do ciclo hidrológico é causada pelo aumento da evaporação da água dos mares e oceanos resultante do aumento da temperatura.

A aceleração do ciclo hidrológico pode levar a uma desestabilização do sistema climático global, uma intensificação de tempestades em áreas específicas e uma aceleração do derretimento do gelo nos polos.

Institut de Ciències del Mar (ICM-CSIC)*

Pesquisadores do Institut de Ciències del Mar (ICM-CSIC) em Barcelona descobriram que o aquecimento global está acelerando o ciclo hidrológico, o que pode ter consequências significativas no sistema climático global, de acordo com um artigo publicado recentemente na revista Scientific Reports .

Esta aceleração do ciclo hidrológico é causada pelo aumento da evaporação da água dos mares e oceanos resultante do aumento da temperatura.

Como resultado, mais água está circulando na atmosfera em sua forma de vapor, 90% da qual irá eventualmente precipitar de volta ao mar, enquanto os 10% restantes irão precipitar sobre o continente.

“A aceleração do ciclo hidrológico tem implicações tanto no oceano quanto no continente, onde as tempestades podem se tornar cada vez mais intensas. Essa maior quantidade de água circulando na atmosfera também pode explicar o aumento das chuvas que está sendo detectado em algumas áreas polares, onde o fato de chover em vez de nevar está acelerando o derretimento”, explica Estrella Olmedo , principal autora do estudo.

O trabalho também mostra que a diminuição do vento em algumas áreas do oceano, que favorece a estratificação da coluna d’água, ou seja, a água não se mistura na direção vertical, também pode estar contribuindo para a aceleração do ciclo hidrológico.

“Onde o vento não é mais tão forte, a água da superfície aquece, mas não troca calor com a água abaixo, permitindo que a superfície fique mais salina do que as camadas inferiores e que o efeito da evaporação seja observado com medições de satélite” , destaca Antonio Turiel , também autor do estudo.

Nesse sentido, Turiel acrescenta que “isto diz-nos que a atmosfera e o oceano interagem de uma forma mais forte do que imaginávamos, com consequências importantes para as zonas continentais e polares”.

Satélites são fundamentais para estudos oceanográficos

Para realizar o estudo, os pesquisadores analisaram dados de salinidade da superfície do oceano – que são medidos por satélites. Ao contrário dos dados de salinidade do subsolo – obtidos com instrumentos in situ – os dados de satélite permitiram detectar essa aceleração do ciclo hidrológico e, pela primeira vez, o efeito da estratificação em regiões muito extensas do oceano. Segundo eles, isso se deve à capacidade dos satélites de medir dados continuamente, independentemente das condições ambientais e da acessibilidade de diferentes áreas do oceano.

“Conseguimos ver que a salinidade superficial está mostrando uma intensificação do ciclo hidrológico que a salinidade subsuperficial não. Especificamente, no Pacífico vimos que a salinidade superficial diminui mais lentamente do que a salinidade subsuperficial e, nesta mesma região, temos observaram aumento da temperatura da superfície do mar e diminuição da intensidade dos ventos e da profundidade da camada de mistura”, detalha Olmedo.

Estas descobertas são o resultado do uso de algoritmos e outros produtos de análise de dados que o Barcelona Expert Center (BEC), anexo ao ICM-CSIC, vem gerando nos últimos anos a partir da missão espacial SMOS da Agência Espacial Europeia (ESA ), projetado para adquirir observações da salinidade oceânica, que é essencial para entender a circulação oceânica, um dos fatores-chave para entender o clima global.

Essa circulação depende basicamente da densidade da água, que é determinada por sua temperatura e salinidade. Portanto, mudanças nesses dois parâmetros, por menores que sejam, podem acabar tendo consequências importantes no clima global, o que torna fundamental monitorá-los de perto.

Para isso, Turiel conclui que “os modelos oceânicos devem padronizar a assimilação dos dados de salinidade dos satélites, pois as informações que eles fornecem complementam os dados in situ, e isso é crucial, especialmente no atual momento de crise climática, onde as mudanças estão ocorrendo muito mais rapidamente do que antes “.

Increasing stratification as observed by satellite sea surface salinity measurements
Painel superior esquerdo: Diferenças entre as tendências SSS do satélite e as tendências do modelo NSS em 2011–2018. Painel superior direito: tendências de profundidade de camada mista em 2011–2018. Linha inferior: tendências da velocidade do vento (esquerda) e tendências da temperatura da superfície do mar no mesmo período (direita). Os locais com tendências diferentes de zero com um nível de confiança de 95%. Os mapas são plotados com Panoply v 4.12.0 ( https://www.giss.nasa.gov/tools/panoply/ )

Referência:

Olmedo, E., Turiel, A., González-Gambau, V. et al. Increasing stratification as observed by satellite sea surface salinity measurements. Sci Rep 12, 6279 (2022). https://doi.org/10.1038/s41598-022-10265-1

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 02/05/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top