Mudanças climáticas aceleram correntes oceânicas

 

Mudanças climáticas aceleram correntes oceânicas

As mudanças climáticas estão alterando a mecânica das circulações oceânicas na superfície, tornando-as mais rápidas e mais finas

University of California – San Diego*

Uma equipe internacional liderada por pesquisadores da Scripps Institution of Oceanography da UC San Diego usou simulações de modelos de computador para descobrir que as mudanças climáticas estão alterando a mecânica das circulações oceânicas na superfície, tornando-as mais rápidas e mais finas.

Essas mudanças podem ter um efeito cascata no oceano, afetando o transporte dos nutrientes de que os organismos precisam, bem como o dos próprios microrganismos.

Correntes mais rápidas também podem afetar os processos pelos quais o oceano remove carbono e calor da atmosfera e protege o planeta do aquecimento atmosférico excessivo.

“Ficamos surpresos ao ver que as correntes de superfície aceleram em mais de três quartos dos oceanos do mundo quando aquecemos a superfície do oceano “, disse o principal autor do estudo, Qihua Peng, que recentemente se juntou à Scripps Oceanography como pesquisador de pós-doutorado.

O estudo, publicado em 20 de abril na revista Science Advances , lança luz sobre uma força subestimada por trás da velocidade das correntes oceânicas globais. Ajuda a resolver um debate sobre se as correntes estão acelerando como resultado do aquecimento global.

O vento tem sido o principal fator que os cientistas estudaram para descrever e prever a velocidade das correntes, mas a equipe de pesquisa usou um modelo oceânico global para simular o que acontece quando as temperaturas da superfície do mar também aumentam. Eles descobriram que o aquecimento torna as camadas superiores de água mais leves.

O aumento da diferença de densidade dessas camadas superficiais quentes da água fria abaixo limita as correntes oceânicas rápidas a uma camada mais fina, fazendo com que as correntes superficiais acelerarem em mais de três quartos dos oceanos do mundo.

O aumento da velocidade das correntes oceânicas rotativas conhecidas como giros foi associado a uma desaceleração da circulação oceânica por baixo. A equipe correlacionou diretamente a tendência à presença de níveis cada vez maiores de gases de efeito estufa na atmosfera.

“Nosso estudo aponta para um caminho a seguir para investigar as mudanças na circulação oceânica e avaliar a incerteza”, disse Shang-Ping Xie, modelador climático da Scripps Oceanography.

As correntes são organizadas em giros na maioria dos oceanos que são delimitados por continentes. O Oceano Antártico que circunda a Antártida é uma exceção. Lá, ventos de oeste tornam a Corrente Circumpolar Antártica a maior do mundo em termos de transporte de volume. No ano passado, os cientistas do Scripps detectaram a partir de observações oceânicas e espaciais que a Corrente Circumpolar Antártica está se acelerando.

“A aceleração da Corrente Circumpolar Antártica é exatamente o que nosso modelo prevê à medida que o clima se aquece”, disse Xie.

Os coautores do estudo incluem Dongxiao Wang, da Universidade Sun Yat-Sen, na China, cientistas da Academia Chinesa de Ciências, Woods Hole Oceanographic Institution, em Massachusetts, e UC Riverside.

Referência:

Surface warming–induced global acceleration of upper ocean currents
Science Advances • 20 Apr 2022 • Vol 8, Issue 16 • DOI: 10.1126/sciadv.abj8394
https://doi.org/10.1126/sciadv.abj8394

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 22/04/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top