EUA e União Europeia respondem pela maior parte da insustentável extração global de recursos

 

EUA e União Europeia respondem pela maior parte da insustentável extração global de recursos

As nações de alta renda são responsáveis por 74% do excesso global na extração de recursos no período 1970-2017, impulsionado principalmente pelos EUA e pelos países da União Europeia.

Isso é demonstrado em um estudo internacional liderado por Jason Hickel, pesquisador do Instituto de Ciência e Tecnologia Ambiental da Universitat Autònoma de Barcelona (ICTA-UAB), que determina a responsabilidade nacional pela degradação ecológica calculando até que ponto cada nação ultrapassou seu quinhão de limites de uso sustentável de recursos.

Universitat Autònoma de Barcelona*

Os impactos humanos nos processos do sistema da Terra estão ultrapassando várias fronteiras planetárias, não apenas em termos de emissões de CO2 e mudanças climáticas, mas também em mudanças no uso da terra, perda de biodiversidade, poluição química e fluxos biogeoquímicos. Esse colapso ecológico está sendo causado em grande parte pela extração global de recursos, que aumentou rapidamente ao longo do último meio século e agora excede dramaticamente os níveis seguros e sustentáveis.

Estima-se que a economia mundial consuma mais de 90 bilhões de toneladas de materiais por ano, bem acima do que os ecologistas industriais consideram o limite sustentável.

Este novo estudo propõe um novo método para determinar a responsabilidade nacional pela degradação ecológica. “Nem todas as nações são igualmente responsáveis por essa tendência; algumas nações usam substancialmente mais recursos per capita do que outras por meio de extração de materiais, produção, consumo e resíduos”, explica o pesquisador do ICTA-UAB Jason Hickel.

Entre 1970 e 2017, quase 2,5 trilhões de toneladas de materiais foram extraídos globalmente, com países de alta e média renda usando a grande maioria desses recursos. Destes, 1,1 trilhão de toneladas estavam acima do corredor sustentável.

O estudo mostra que os países de alta renda (com 16% da população mundial) são responsáveis por 74% do excesso de uso global de recursos no período 1970-2017, impulsionado principalmente pelos Estados Unidos (27%) e países de alta renda em a União Europeia (25%). A Espanha ocupa o 11º lugar na lista de 15 países que ultrapassam o limite planetário sustentável de uso de matéria-prima. A Espanha é responsável por 2% do excesso, atrás de países como Japão, Alemanha, França, Reino Unido, Canadá e Itália, entre outros.

A China, um país de renda média alta, ocupa o segundo lugar globalmente e é responsável por 15% do uso global de material excedente. O restante do Sul Global (ou seja, países de baixa e média renda da América Latina e Caribe, África, Oriente Médio e Ásia) é responsável por apenas 8%. Da mesma forma, 58 países do Sul global, representando 3,6 bilhões de pessoas e incluindo a Índia, permanecem dentro de níveis sustentáveis.

A pesquisa, publicada na revista Lancet Planetary Health , analisou a extração doméstica, bem como os materiais envolvidos nos fluxos comerciais globais de recursos como combustíveis fósseis, madeira, metais, minerais e biomassa, usando dados do painel internacional de recursos da ONU e cálculos extrapolados .

A responsabilidade nacional mudou ao longo do período analisado. Embora o excedente dos Estados Unidos tenha crescido consistentemente em termos absolutos, sua participação no excedente global diminuiu gradualmente nas últimas duas décadas, uma tendência semelhante para a Europa e outros países de alta renda. Essa mudança se deve principalmente ao aumento do uso de recursos na China, que é composto principalmente de materiais de construção. A superação da China começou apenas em 2001, mas cresceu rapidamente nos anos seguintes.

“Os resultados mostram que as nações ricas têm a esmagadora responsabilidade pelo colapso ecológico global e, portanto, têm uma dívida ecológica com o resto do mundo”, explica Jason Hickel, que enfatiza que “essas nações precisam assumir a liderança em fazer reduções radicais na seu uso de recursos para evitar maior degradação, o que provavelmente exigirá abordagens transformadoras de pós-crescimento e decrescimento”.

Excesso médio anual per capita dos 15 maiores excessos absolutos
Excesso médio anual per capita dos 15 maiores excessos absolutos, 1970–2017. In https://doi.org/10.1016/S2542-5196(22)00044-4

Referência:

National responsibility for ecological breakdown: a fair-shares assessment of resource use, 1970–2017
Prof Jason Hickel, PhD, Daniel W O’Neill, PhD, Andrew L Fanning, PhD, Huzaifa Zoomkawala, BS
The Lancet Planetary Health – Volume 6, ISSUE 4, e342-e349, April 01, 2022
DOI:https://doi.org/10.1016/S2542-5196(22)00044-4

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 11/04/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top