Aumento de temperaturas na Antártica pode ter efeitos em todo mundo

 

Aumento de temperaturas na Antártica pode ter efeitos em todo mundo

Como resultado do derretimento das camadas de gelo e geleiras, a taxa de aumento global do nível do mar cresceu desde que as medições de altímetro por satélite começaram em 1993, atingindo um novo recorde em 2021

Temperaturas cada vez mais extremas, juntamente com chuvas incomuns e desprendimentos de plataformas de gelo na Antártica, preocupam especialistas da Organização Meteorológica Mundial (OMM).

Para os cientistas, os eventos recentes podem considerados “sinais de alerta” de uma “tendência preocupante”. As camadas de gelo de Antártica vêm perdendo massa desde pelo menos 1990, com a maior taxa de perda durante 2010 –2019, em uma tendência que deve continuar.

As mudanças do clima no continente, geralmente considerado estável, podem ter efeito em todo mundo. Se o gelo da Antártica derreter completamente, por exemplo, o nível do mar poderia subir 60 metros. “Não devemos dar a Antártica como garantida”, alertam os cientistas.

Organização Mundial de Meteorologia

A Antártica, o continente mais frio, ventoso e seco do mundo, tem sido muitas vezes referida como um “gigante adormecido” estável. No entanto, temperaturas cada vez mais extremas, juntamente com chuvas incomuns e mudanças nas plataformas de gelo, lembram-nos que isso não deve ser dado como certo. O alerta foi feito pela Organização Meteorológica Mundial (OMM) na sexta-feira (01).

Durante a terceira semana de março, as estações de pesquisa na Antártica Oriental registraram temperaturas sem precedentes de até 40 graus Celsius acima da média do mês.

A estação russa Vostok, no meio do planalto de gelo da Antártica, atingiu uma alta provisória de -17,7 ℃, quebrando o recorde anterior de -32,6 ℃. ODome Concordia, uma estação de pesquisa ítalo- francesa no topo do planalto antártico, 3.233 metros acima do nível do mar, também experimentou sua temperatura mais alta de todos os meses.

Apenas um dia antes, estações meteorológicas registraram chuva na área costeira mais a montante, e temperaturas bem acima de 0°C.

“A chuva é rara na Antártica, mas quando ocorre, tem consequências nos ecossistemas – principalmente nas colônias de pinguins – e no balanço de massa do manto de gelo”, explicaram os cientistas franceses Etienne Vignon e Christoph Genthon. “Felizmente, não há mais filhotes de pinguim nesta época do ano, mas o fato de isso acontecer agora em março é um lembrete do que está em jogo nas regiões periféricas: vida selvagem e estabilidade do manto de gelo”.

Os especialistas acrescentaram que, embora a temperatura quente no Dome Concordia (Dome C) seja uma fonte de entusiasmo para os climatologistas, “as chuvas na costa em março são uma fonte de preocupação para todos”.

De acordo com a OMM, o calor e a umidade foram impulsionados principalmente pelo que é conhecido como rio atmosférico – uma faixa estreita de umidade coletada de oceanos quentes.

No entanto, para os cientistas, ainda é muito cedo para dizer definitivamente se a mudança climática é a causa.

Recordes quebrados – “Este evento está reescrevendo livros de recordes e nossas expectativas sobre o que é possível na Antártica. Isso é simplesmente um evento estranhamente improvável, ou é um sinal de mais por vir? No momento, ninguém sabe”, twittou o cientista-chefe da Berkeley Earth, Robert Rohde.

Os eventos aconteceram logo após o gelo do Mar Antártico atingir sua extensão mínima após o derretimento do verão e cair abaixo de dois milhões de quilômetros quadrados (772.000 milhas quadradas) pela primeira vez, desde que os registros de satélite começaram em 1979.

A Península Antártica (a ponta noroeste próxima à América do Sul) está entre as regiões de aquecimento mais rápido do planeta, quase 3°C nos últimos 50 anos. A remota Antártica Oriental, por outro lado, foi até agora menos impactada.

imagem de satélite de colapso de plataforma de gele na antártica
O colapso de uma plataforma flutuante do tamanho de Roma ou Nova Iorque foi manchete em todo mundo. Foto: © CopernicusEU

 

Sinal de alerta – Logo antes da onda de calor, a plataforma de gelo Conger da Antártica Oriental – uma plataforma flutuante do tamanho de Roma ou Nova Iorque – se desprendeu do continente em 15 de março de 2022. Seu colapso foi capturado por satélite e ganhou manchetes em todo o mundo.

A OMM explica que é muito cedo para dizer o que desencadeou o colapso, mas parece improvável que tenha sido causado pelo derretimento no nível da superfície.

Embora seja relativamente pequeno em tamanho e improvável de ter qualquer significado global, o colapso da plataforma de gelo é “outro sinal de alerta”.

“Como glaciologistas, vemos o impacto do aquecimento global na Antártica no aumento da perda de gelo com o tempo. E o que acontece na Antártica não fica na Antártica. O aquecimento global está tornando eventos como esse mais prováveis. E à medida que mais e mais plataformas de gelo ao redor da Antártica desmoronarem, a perda de gelo aumentará e, com ela, os níveis globais do mar”, alerta um artigo científico citado pela agência.

O artigo acrescenta que, embora nem tudo o que acontece na natureza se deva apenas ao aquecimento global, o colapso da plataforma de gelo de Conger, entre outros, é a continuação de uma “tendência preocupante”.

De acordo com o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), as duas principais camadas de gelo – Groenlândia e Antártica – vêm perdendo massa desde pelo menos 1990, com a maior taxa de perda durante 2010–2019, em uma tendência que deve continuar.

Aumento do nível do mar – A OMM alerta que, como resultado do derretimento das camadas de gelo e geleiras, a taxa de aumento global do nível do mar cresceu desde que as medições de altímetro por satélite começaram em 1993, atingindo um novo recorde em 2021.

A camada de gelo da Antártica tem até 4,8 km de espessura e contém 90% da água doce do mundo, o suficiente para elevar o nível do mar em cerca de 60 metros se derreter completamente.

“Os recentes extremos de temperatura e colapsos de plataformas de gelo nos lembraram que não devemos dar a Antártica como garantida. Entender e monitorar adequadamente o continente é, portanto, crucial para o futuro bem-estar da sociedade”, disse Mike Sparrow, chefe do Programa Mundial de Pesquisa Climática, copatrocinado pela OMM.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 06/04/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top