Aumento de temperatura e de secas prejudicam as árvores tropicais

 

Floresta Nacional de Caxiuanã
A Floresta Nacional de Caxiuanã – um dos locais de coleta de anéis de árvores do estudo – ao nascer do sol. A foto foi tirada no topo de uma torre alta para medir o clima e o fluxo de dióxido de carbono que atravessa a floresta. Foto de Peter Groenendijk

 

Aumento de temperatura e de secas prejudicam as árvores tropicais

O crescimento do tronco das árvores tropicais é reduzido nos anos em que a estação seca é mais longa e mais quente do que o normal

Por muito tempo, os ecologistas presumiram que os anéis das árvores estavam ausentes nas árvores tropicais devido à temperatura e às flutuações de chuva no ambiente das árvores. Mas nas últimas décadas, a formação de anéis de crescimento foi comprovada para centenas de espécies de árvores tropicais, que são sensíveis à seca e geralmente experimentam pelo menos um mês ou dois de chuvas ligeiramente reduzidas a cada ano.

University of Arizona*

Quando os cientistas entenderem melhor como as árvores tropicais respondem a condições excepcionalmente secas e quentes, eles poderão prever melhor como essas árvores serão afetadas pelas mudanças climáticas.

Um novo estudo , de coautoria de pesquisadores da Universidade do Arizona e publicado na Nature Geoscience, descobriu que o crescimento do tronco das árvores tropicais é reduzido nos anos em que a estação seca é mais longa e mais quente do que o normal. O estudo define os trópicos de uma forma que também inclui os sub-trópicos – ou qualquer coisa entre 30 graus de latitude norte e 30 graus de latitude sul.

Os pesquisadores também descobriram que o efeito de anos mais secos e quentes é mais dramático em regiões mais áridas ou quentes nos trópicos. Isso sugere que as mudanças climáticas podem aumentar a sensibilidade das árvores tropicais às flutuações climáticas. Espera-se que as temperaturas nos locais de estudo aumentem em meio grau Celsius por década no futuro.

Os resultados do estudo ajudam a explicar as grandes flutuações na absorção de carbono pela vegetação tropical globalmente. Simulações de modelos mostram que durante os anos mais quentes ou mais secos, a vegetação tropical cresce menos e, portanto, absorve menos dióxido de carbono da atmosfera. Mas as medições reais do crescimento da vegetação estão faltando até agora.

Pesquisas mostram que o crescimento mais lento aumenta o risco de morte de árvores tópicas, de modo que a vegetação tropical pode se tornar mais frequentemente uma fonte de dióxido de carbono em vez de absorver esse gás de efeito estufa que causa as mudanças climáticas.

“Esses anéis de árvores (tropicais) contêm uma riqueza de informações sobre o histórico de crescimento das árvores”, disse o principal autor do estudo, Pieter Zuidema, da Wageningen University & Research, na Holanda. “Neste estudo, exploramos esse potencial. Pela primeira vez, obtemos uma imagem pantropical de como o crescimento das árvores tropicais reage às flutuações climáticas.”

O estudo foi um esforço colaborativo internacional que incluiu a dendrocronologia da Universidade do Arizona Valerie Trouet , professora do Laboratório de Pesquisa em Anel de Árvore , e Flurin Babst , professora assistente de pesquisa na Escola de Recursos Naturais e Meio Ambiente do UArizona . As descobertas são baseadas em uma nova rede global, criada pelos colaboradores, de mais de 14.000 séries de dados de anéis de árvores de 350 locais em 30 países tropicais e subtropicais.

Os autores ficaram surpresos ao descobrir que durante a estação seca, o clima teve um efeito mais forte no crescimento das árvores do que durante a estação chuvosa.

“Sabemos que a fotossíntese e a produção de madeira de árvores tropicais geralmente atingem o pico durante a estação chuvosa”, disse Trouet. “Então, por que as flutuações ano a ano no crescimento do tronco dependem da estação seca? , a estação de crescimento é mais longa. Isso leva a um maior crescimento do tronco.”

O estudo também preenche uma lacuna importante nos dados de anéis de árvores.

“Mapas mundiais que mostram os locais dos estudos de anéis de árvores normalmente têm um buraco no meio, nos trópicos”, disse Zuidema. “Nossa rede preenche essa lacuna de dados tropicais.”

Os dados de anéis de árvores de mais de 100 locais de estudo foram carregados no International Tree-ring Databank, o banco de dados global para dados de anéis de árvores.

“Dessa forma, os dados de anéis de árvores que reunimos estarão disponíveis gratuitamente para todos”, disse Zuidema.

Referência:

Zuidema, P.A., Babst, F., Groenendijk, P. et al. Tropical tree growth driven by dry-season climate variability. Nat. Geosci. (2022). https://doi.org/10.1038/s41561-022-00911-8

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 04/04/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top