Fumaça de incêndios florestais afeta a camada de ozônio por meses

 

queimada

Fumaça de incêndios florestais afeta a camada de ozônio por meses

Pesquisadores alertam que, se os grandes incêndios se tornarem mais frequentes com as mudanças climáticas, a radiação ultravioleta mais prejudicial atingirá o solo.

Químicos atmosféricos da Universidade de Waterloo descobriram que a fumaça dos incêndios florestais australianos de 2019 e 2020 destruiu o ozônio atmosférico no Hemisfério Sul por meses. O escudo de ozônio é uma parte da camada estratosfera da atmosfera da Terra que absorve os raios UV do sol.

Os pesquisadores usaram dados do satélite Atmospheric Chemistry Experiment (ACE) da Agência Espacial Canadense para medir os efeitos das partículas de fumaça na estratosfera. Os resultados aparecem na revista Science .

“Os incêndios australianos injetaram partículas de fumaça ácida na estratosfera, interrompendo a química do cloro, hidrogênio e nitrogênio que regula o ozônio”, disse Peter Bernath, professor pesquisador do Departamento de Química de Waterloo e principal autor deste estudo. “Esta é a primeira grande medição da fumaça, que mostra que ela converte esses compostos reguladores de ozônio em compostos mais reativos que destroem o ozônio”.

Semelhante aos buracos nas regiões polares, esse dano é um efeito temporário, e os níveis de ozônio retornaram aos níveis pré-incêndio quando a fumaça desapareceu da estratosfera. Mas um aumento na prevalência de incêndios florestais significaria que a destruição acontece com mais frequência.

“O satélite ACE é uma missão única com mais de 18 anos contínuos de dados sobre a composição atmosférica. O ACE mede uma grande coleção de moléculas para fornecer uma imagem melhor e mais completa do que está acontecendo em nossa atmosfera”, disse Bernath. “Os modelos ainda não podem reproduzir a química da fumaça atmosférica, então nossas medições fornecem uma visão única da química nunca vista antes.”

As operações do satélite ACE são baseadas na Universidade de Waterloo, e Bernath é o principal cientista da missão. O artigo Wildfire smoke destroys stratospheric ozone foi publicado na edição de 18 de março da revista Science .

Referência:

Wildfire smoke destroys stratospheric ozone
Peter Bernath, Chris Boone, Jeff Crouse
Science • 17 Mar 2022 • Vol 375, Issue 6586 • pp. 1292-1295 • DOI: 10.1126/science.abm5611

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 18/03/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top