A natureza como solução para as enchentes no Rio de Janeiro

 

enchentes no Rio de Janeiro
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

A natureza como solução para as enchentes no Rio de Janeiro

Já se sabe que a natureza é capaz de prover inúmeros benefícios adicionais, além da prevenção de enchentes, que superam significativamente os custos da recuperação vegetal

A solução para o problema das enchentes no Rio de Janeiro pode ser mais simples do que se pensava: as ‘Soluções baseadas na Natureza’ visam solucionar problemas da sociedade com base na proteção e recuperação de áreas naturais.

Um estudo recente aponta que justamente estas soluções baseadas na regeneração da vegetação no Estado do Rio de Janeiro podem ser capazes de reduzir consideravelmente o risco de enchentes frente a um futuro incerto de mudanças climáticas.

As enchentes estão entre os maiores problemas ambientais no Estado do Rio de Janeiro. Apenas na capital, estima-se que mais de 450 mil pessoas vivem em áreas de risco de enchentes. Em 2011, enchentes na região Serrana do Estado deixaram mais de 35 mil moradores desabrigados e dezenas mortos, acumulando mais de R$4,8 bilhões em perdas econômicas. Esta semana, a chuva em Petrópolis em menos de 6 horas foi maior que o esperado para o mês inteiro, trazendo prejuízos catastróficos.

De forma preocupante, o risco de enchentes no Estado está previsto para aumentar em um futuro de mudanças climáticas. As mudanças climáticas, além de aumento considerável na temperatura do planeta, vão aumentar a frequência e intensidade de eventos extremos de precipitação, causando um aumento nas enchentes.

No estudo, as pesquisadoras avaliaram o risco de enchentes considerando estes eventos extremos de precipitação caso nenhuma ação seja implementada. Surpreendente, os resultados mostram que o risco de enchentes não é proporcional a quantidade de aumento de chuva: um evento extremo máximo com intensidade da chuva 10 vezes maior que a média atual pode levar a aumentos de até 70 vezes no risco de enchentes em um futuro de mudanças climáticas. Isto ocorre porque a capacidade de retenção da água no solo nestes eventos sofre uma queda de mais da metade, sendo incapaz de conter o imenso volume de chuvas.

Entretanto, o estudo revela que as Soluções baseadas na Natureza possuem enorme potencial para reduzir este risco. As pesquisadoras analisaram as vantagens de diferentes proporções de recuperação da vegetação e identificaram a que possuía melhor custo-benefício para o Estado. Seus resultados apontam que a recuperação apenas de áreas de regeneração natural com prioridade alta-média, onde a cobertura vegetal passaria a representar apenas 30% da área do Estado, há retenção de mais de 100 milhões de metros cúbicos de água.

A cidade de Petrópolis esta semana presenciou um evento extremo de chuvas que resultou em 260 milímetros de chuva, maior do que a média mensal. O estudo calculou o risco para a cidade de Petrópolis, onde um evento extremo de chuvas de 100 milímetros por hora resulta em uma diminuição de 52% na capacidade de retenção de água no solo. Entretanto, a solução com melhor custo-benefício é capaz de reter mais de 38 milhões de metros cúbicos de água, reduzindo consideravelmente o risco de enchentes futuras.

E os benefícios não param por aí. Já se sabe que a natureza é capaz de prover inúmeros benefícios adicionais, além da prevenção de enchentes, que superam significativamente os custos da recuperação vegetal. As pesquisadoras contabilizaram benefícios financeiros de pagamentos por serviços ambientais para a recuperação destas áreas no estado, e apenas incluindo alguns dos benefícios (a contabilização de sequestro de carbono, produção de madeira e frutos de palmeiras), os potenciais benefícios superam os custos de implementação e manutenção em mais de R$8 milhões por ano.

Estudos acerca do potencial das Soluções baseadas na Natureza são essenciais para promover um futuro que englobe melhoria social, econômica e natural, em prol da sustentabilidade. Percebe-se pelos desastres recentes, que precisamos unir esforços para implementar estas soluções o mais rápido possível. O estudo provê uma contribuição importantíssima, visto que estudos deste tipo ainda são escassos no Brasil, especialmente nos grandes centros urbanos, tema principal do seu grupo de pesquisa.

As pesquisadoras responsáveis pelo estudo são Stella Manes, doutoranda do programa de Ecologia da UFRJ, e Aliny P. F. Pires, professora do departamento de Ecologia da UERJ. Este trabalho, intitulado “Prevenção de enchentes no Rio de Janeiro: As Soluções Baseadas na Natureza como adaptação à eventos climáticos extremos”, acaba de ser premiado pelo Instituto Estadual do Ambiente (INEA), no concurso “II Prêmio INEA Soluções baseadas na Natureza para o Desenvolvimento Sustentável”, a ser publicado pela Revista Ineana do instituto em 2022. O objetivo do concurso era premiar trabalhos acadêmicos que propusessem soluções e que pudessem ser colocados em prática para melhoria do Estado. As pesquisadoras vêm desenvolvendo diversos trabalhos sobre o potencial das Soluções baseadas na Natureza e como estas podem reverter os riscos climáticos às contribuições da natureza para as pessoas (como água, alimentos, proteção contra desastres, recreação e conexões culturais) em seu grupo de pesquisa. Este trabalho vem sendo desenvolvido com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ) através da bolsa de pesquisa Doutorado Nota 10 e financiamentos de Auxílio à Pesquisa (APQ1) no projeto “Água: Integrando biodiversidade à segurança hídrica do Estado do Rio de Janeiro”, além de parcerias com os institutos Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável (FBDS), Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (BPBES) e Rede Brasileira de Pesquisas sobre Mudanças Climáticas Globais (Rede-Clima).

Citações gerais:

Stella Manes, autora principal do estudo e pesquisadora da Universidade Federal do Rio de Janeiro, disse:

É de extrema importância avaliar a efetividade de estratégias de Soluções baseadas na Natureza e priorizar as com melhor custo-benefício, especialmente aquelas já desenvolvidas para o Estado mas que ainda não foram implementadas. A proposta do INEA de recuperação da vegetação tem potencial enorme de reduzir o problema das enchentes no Rio de Janeiro.”

Os municípios que tradicionalmente vem sendo mais atingidos pelas enchentes, como a região Norte Fluminense, região Metropolitana e região Serrana do Estado, estão entre os mais beneficiados. Os custos de apenas um evento de enchente na região Serrana em 2011 foram maiores que os custos previstos para recuperar a vegetação em todo o Estado. As enchentes desta semana em Petrópolis teve prejuízos até o momento imensuráveis. Isto evidencia que ações preventivas utilizando Soluções baseadas na Natureza devem ser urgentemente implementadas no Rio de Janeiro.”

Aliny Pires, orientadora do estudo, professora e pesquisadora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, disse:

As Soluções baseadas na Natureza têm o maior potencial para lidar com enchentes e a crise hídrica no Estado, integrando as agendas climática e da biodiversidade com objetivos sociais, como os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. As pesquisas desenvolvidas no nosso grupo de pesquisa visam explorar justamente a integração entre estes fatores.”

Através da avaliação do potencial de ações já propostas de Soluções baseadas na Natureza e os seus benefícios obtidos sob melhor custo-benefício, estabelecemos uma ponte entre a ciência, os órgaos ambientais e os tomadores de decisão, impulsionando que estas ações sejam postas em prática para melhoria efetiva do Estado do Rio de Janeiro.”

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 17/02/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top