Máscaras cirúrgicas descartadas inadequadamente ameaçam o ecossistema marinho

 

Máscaras cirúrgicas descartadas inadequadamente ameaçam o ecossistema marinho

As máscaras cirúrgicas fazem parte da proteção individual essencial durante a pandemia de Covid-19. No entanto, o descarte inadequado de máscaras cirúrgicas pode causar grave poluição microplástica, equivalente a poluir mais de 54.800 piscinas olímpicas de água do mar anualmente, descobriram pesquisadores da Universidade da Cidade de Hong Kong (CityU) .

Isso também pode afetar o crescimento e a reprodução de organismos marinhos e a cadeia alimentar. A equipe de pesquisa instou o público a descartar adequadamente suas máscaras usadas e destacou a importância de uma melhor gestão ambiental, formulando políticas correspondentes e aplicação da lei para garantir o descarte adequado de máscaras cirúrgicas.

University of Hong Kong (CityU)*

A equipe de pesquisa foi liderada pelo Dr. Henry He Yuhe , Professor Assistente na Escola de Energia e Meio Ambiente da CityU (SEE) e membro do Laboratório Chave do Estado de Poluição Marinha (SKLMP). As descobertas foram publicadas na revista acadêmica Environmental Science and Technology Letters , intitulada “ Liberação de Microplásticos de Máscaras Cirúrgicas Descartadas e Seus Impactos Adversos no Copepod Marinho Tigriopus japonicus ”.

As barras verdes no gráfico mostram a quantidade de microplásticos liberados e as barras laranja são os dados do experimento de controle
A equipe coletou máscaras descartadas e as embebeu em água do mar por nove dias. As barras verdes no gráfico mostram a quantidade de microplásticos liberados e as barras laranja são os dados do experimento de controle. (Número DOI: 10.1021/acs.estlett.1c00748)

Material plástico é amplamente utilizado em máscaras cirúrgicas

A equipe de pesquisa citou uma estimativa de uma organização de proteção ambiental dos EUA de que a demanda global por máscaras cirúrgicas atingiu 129 bilhões por mês até 2020. E algumas pesquisas estimaram que, devido à falta de políticas adequadas de coleta e gerenciamento, 1,56 bilhão de máscaras foram lançadas inadequadamente no oceano em 2020.

“O polipropileno (PP) é o principal material amplamente utilizado nas máscaras cirúrgicas. É um tipo de plástico commodity que pode se decompor sob os efeitos do calor, vento, radiação ultravioleta e correntes oceânicas, eventualmente formando microplásticos”, disse He. Os microplásticos geralmente são menores que cinco milímetros e podem levar centenas de anos para se degradar no oceano.

Um passeio com seu cachorro na praia despertou o interesse do Dr. He em conduzir a pesquisa. “Vi uma máscara presa entre as rochas na costa e outra flutuando na superfície da água. Como todas as máscaras são feitas de plástico e podem estar liberando microplásticos, as máscaras descartadas inadequadamente afetarão o ambiente marinho. Acredito que esse problema continuará por muitos anos na era pós-pandemia”, disse o Dr. He.

Para descobrir a extensão e magnitude desse problema de poluição e seu impacto potencial, He e sua equipe coletaram máscaras descartadas de uma praia em Hong Kong para investigar a liberação de microplásticos de máscaras cirúrgicas de polipropileno na água do mar.

A poluição da água do mar por microplásticos de máscaras cirúrgicas pode encher mais de 54.800 piscinas anualmente

A equipe realizou experimentos em laboratório para imitar o processo natural de liberação de microplásticos de máscaras descartadas. Eles mergulharam as máscaras em uma garrafa com água do mar artificial e as agitaram continuamente usando um agitador mecânico por nove dias. Sob um microscópio, eles observaram danos significativos nas fibras da máscara.

Após análise, a equipe descobriu que uma máscara pesando cerca de três gramas liberava cerca de 3.000 microplásticos. Eles estimaram que 0,88 milhão a 1,17 milhão de microplásticos seriam liberados durante a decomposição completa de uma máscara.

Como cerca de 1,56 bilhão de máscaras acabaram no oceano em 2020, a equipe estimou que mais de 1.370 trilhões de microplásticos foram liberados no ambiente marinho costeiro de todas as máscaras cirúrgicas descartadas indevidamente durante o ano. “Essa quantidade de microplásticos pode poluir seriamente 137 milhões de metros cúbicos de água do mar, o que equivale a encher mais de 54.800 piscinas olímpicas”, acrescentou He.

Microplásticos se acumulam na cadeia alimentar

A equipe também avaliou a toxicidade crônica de microplásticos em copépodes (Tigriopus japonicus), um pequeno crustáceo marinho. Em seu experimento, os copépodes foram expostos a água do mar artificial contendo até 100 microplásticos por mL. Os microplásticos foram ingeridos e acumulados nos intestinos dos copépodes marinhos. Comparado aos copépodes não expostos a microplásticos, a fecundidade de reprodução daqueles que foram expostos a 100 microplásticos por mL foi reduzida em até 22%, e o tempo de desenvolvimento de maturação foi 5,6% maior.

O Dr. He explicou que, como uma das classes mais abundantes de zooplâncton e a principal fonte de alimento de outros pequenos animais no ambiente marinho, os copépodes desempenham um papel crítico na bioacumulação de contaminantes na cadeia alimentar.

Os microplásticos podem entrar nos corpos de organismos marinhos de nível superior, como peixes e camarões, se consumirem copépodes com microplásticos acumulados em seus corpos. Quanto mais altos os animais estão na cadeia alimentar, mais microplásticos se acumulam, resultando em efeitos potencialmente nocivos.

Além disso, a redução da fecundidade dos copépodes pode levar à redução dos recursos alimentares para organismos marinhos superiores, ameaçando o equilíbrio do ecossistema marinho.

He destacou que os microplásticos liberados das máscaras também podem atuar como vetores para outros poluentes, como plastificantes, no ambiente marinho e podem ter um efeito cumulativo em organismos marinhos.

A equipe acredita que seus resultados de pesquisa demonstram significativamente que o descarte inadequado de máscaras cirúrgicas pode ter um efeito dominó de longo prazo nos ecossistemas marinhos costeiros, o que requer mais atenção e estudos mais aprofundados. Para minimizar o risco dessa ameaça emergente, é necessário um melhor gerenciamento ambiental, políticas e aplicação da lei para garantir o descarte adequado de máscaras cirúrgicas. A equipe de pesquisa pede a todos que descartem adequadamente suas máscaras usadas para evitar a poluição de microplásticos no ecossistema marinho.

O autor correspondente do artigo é o Dr. He. O primeiro autor é Sun Jiaji , estudante de doutorado, SEE e SKLMP. Os colaboradores são o Professor Kenneth Leung Mei-yee , Professor Catedrático do Departamento de Química e Diretor do SKLMP; Yang Shiyi , estudante de mestrado, SEE e SKLMP; Dr. Zhou Guangjie , Postdoc, SKLMP; Dr. Zhang Kai , Pós-doutorado, SKLMP; Lu Yichun , estudante de doutorado, SEE e SKLMP; Dr. Jin Qianqian , Pós-doutorado, SEE e SKLMP; e o professor Paul Lam Kwan-sing , ex-diretor da SKLMP.

Referência:

Release of Microplastics from Discarded Surgical Masks and Their Adverse Impacts on the Marine Copepod Tigriopus japonicus
Jiaji Sun, Shiyi Yang, Guang-Jie Zhou, Kai Zhang, Yichun Lu, Qianqian Jin, Paul K. S. Lam, Kenneth M. Y. Leung, and Yuhe He
Environ. Sci. Technol. Lett. 2021, 8, 12, 1065–1070
https://doi.org/10.1021/acs.estlett.1c00748

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 13/02/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top