Um olhar sobre o correr das águas pelo Brasil

 

artigo

Um olhar sobre o correr das águas pelo Brasil, artigo de Osvaldo Ferreira Valente

Este artigo é uma ligeira reflexão sobre o comportamento dos recursos hídricos brasileiros, que vão da escassez ao excesso. E não só ao longo do ano, mas, ao mesmo tempo, em diversas regiões de nosso imenso país.

Podemos, claro, já estar diante de mudanças na distribuição e na alteração de períodos chuvosos, pelo aquecimento global, mas estiagens regionalizadas não são e nunca foram novidade. As cheias e inundações também não. Veranicos, por exemplo, sempre estiveram presentes na vida de muitos brasileiros em diferentes pontos do nosso território. Por que, então, o sentimento atual de que tais ocorrências não estejam apenas sendo agravadas, mas sejam fenômenos com características inteiramente atuais? Vamos discutir um pouco isso.

Em primeiro lugar, temos de considerar o crescimento rápido da população. Crescimento que pressiona o ambiente por demanda de produtos e pela alteração das superfícies, interferindo num equilíbrio que foi construído por muitos e muitos anos; até mesmo por séculos ou milênios. Onde estão, por exemplo, as antigas e decantadas garoas da cidade de São Paulo? Foram engolidas pela intensa ocupação territorial e consequente formação da ilha de calor, capaz de inibir quaisquer tentativas de condensação. A ocupação territorial também impermeabilizou as superfícies, interferindo no ciclo hidrológico, e invadiu as margens, tomando os espaços que a natureza criou para os cursos d’água escoarem os maiores volumes de água gerados pelas chuvas intensas de verão. Foi colocada, também, uma grande região metropolitana nas cabeceiras de rios, demonstrando ausência de preocupação com o futuro abastecimento de água. E olha que as represas da Cantareira já não enchem mais, pois a retirada de água está além dos volumes recebidos por elas.

Em segundo lugar, no caso das cidades, a ocupação sempre foi feita com base em ações não planejadas ou em urbanismo apenas estético, sem nenhum respeito ao ciclo hidrológico. Em muitos casos, a própria engenharia de ocupação demonstrou, e continua a demonstrar, ausência de conhecimento dos ecossistemas hidrológicos que coexistem nos espaços ocupados. Com isso foram criadas as condições para formação de fortes enxurradas e menosprezadas as suas forças demolidoras. No caso recente das enchentes em Minas Gerais, por exemplo, eu vi a informação de que 70% de uma pequena cidade, que foi inundada, está concentrada nas margens de um rio que vem de longo percurso por região montanhosa e, portanto, naturalmente sujeito a aumentos repentinos de vazão. Seria altamente desejável, nesse caso, pensar em replanejamento urbano.

Em terceiro lugar, precisamos reconhecer que o crescimento da demanda de alimentos causou a expansão pouco inteligente de áreas de produção agrícola. Pouco inteligente porque faltavam informações sobre os cuidados necessários para o bom cultivo de áreas tropicais. Mas hoje, com os conhecimentos científicos acumulados e com a implantação do Código Florestal, já temos condições de consertar uma boa parte dos estragos feitos. Infelizmente não dá para termos a mesma esperança com as áreas urbanas. Elas parecem alheias às mudanças necessárias, quer por dificuldades técnicas ou sociais, quer por incompetência política, gerando inapetência administrativa.

Mas uma coisa precisa ficar bem clara, trabalhar com recursos hídricos exige um bom conhecimento dos ecossistemas hidrológicos. Conhecimento que vai fundamentar tanto a produção de água para os abastecimentos demandados, como os procedimentos capazes de diminuir a geração de grandes volumes de enxurradas. E, também, a disponibilização de espaços de circulação dos volumes que não puderem ser retidos por ocasião de eventos extraordinários. Mas para conhecimento de ecossistema hidrológico precisamos desenvolver uma hidrologia aplicada ao assunto, pois a hidrologia tradicional, ensinada essencialmente no país, não está preparada para isso.

Fui e continuo sendo avesso às críticas pelas críticas e sempre faço uma tentativa de apontar algum caminho que possa levar a uma ação positiva. E por isso e por acreditar que muitos fracassos de tentativas ambientais feitas para minimizar danos hidrológicos são resultados da ausência ou da visão inadequada sobre os ecossistemas hidrológicos, juntei-me a mais dois colegas e criamos a Faculdade da Água, um canal de acesso livre no YouTube, já com 45 vídeos postados (link abaixo). A intenção é discutir ecossistemas hidrológicos em pequenas bacias hidrográficas, tratadas como fábricas naturais de água. A primeira atividade está sendo um curso de produção de água em pequenas bacias hidrográficas e a maioria dos vídeos, até agora postados, tratam dos fundamentos que balizam os comportamentos hidrológicos de pequenas bacias, onde os fenômenos podem ser melhor analisados e compreendidos. Vale lembrar que as grandes bacias nada mais são do que o somatório das pequenas.

Você, leitor, poderá estranhar a razão de tantos vídeos, mas eles são curtos, média de 20 minutos cada, e discutem, com bastante detalhes, conceitos, medições, interações e aplicações dos diversos componentes do ecossistema hidrológico. A linguagem é simples, visando atingir principalmente quem está lidando no campo. Por isso, nada de equações e modelos matemáticos tão comuns na hidrologia tradicional.

Osvaldo Ferreira Valente é professor titular aposentado da Universidade Federal de Viçosa, engenheiro florestal e autor de três livros sobre hidrologia e produção de água: “Conservação de nascentes – Produção de água em pequenas bacias hidrográficas”, “Das chuvas às torneiras – A água nossa de cada dia” e Revitalização de pequenas bacias hidrográficas – Para salvação de aquíferos, nascentes e córregos”. ( valente.osvaldo@gmail.com)

Faculdade da Água: https://www.youtube.com/results?search_query=faculdade+da+%C3%A1gua

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 28/01/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top