Mudanças climáticas e a onda de calor no RS

 

onda de calor
Imagem: BBC Brasil

Mudanças climáticas e a onda de calor no RS, por Eduardo Luís Ruppentha, Eliege Fante e Paulo Brack

Combinação de fatores leva a uma crise socioambiental com potencial trágico e fatal porque aumenta a frequência e a mortalidade decorrentes das ondas de calor

Desde 24 de dezembro de 2021, três ondas de calor atingem o território do Rio Grande do Sul, com temperaturas acima da média para o período. E, há quase duas semanas, uma onda de calor faz com que, diariamente, tenhamos registros oficiais acima dos 40º C e sensação térmica beirando os 50º C.

Este calor intenso provocou temporais extremos, chuvas fortes localizadas, maior quantidade de raios, ventanias como as micro-explosões por várias regiões do estado: em Quaraí, no dia 14 de janeiro, em Guaíba no dia 17, e em Iraí, no dia 24 de janeiro. Os ventos chegaram a 150 km/h nestas comunidades e outros temporais foram registrados em dezenas de cidades gaúchas com muitos estragos. Ao mesmo tempo, a estiagem assola mais de 300 municípios, os quais já decretaram situação de emergência. A falta de água se repete no verão, nos últimos três anos, mas de modo crescente nas últimas duas décadas.

O Rio Grande do Sul e o Brasil têm registros oficiais de eventos climáticos extremos há mais de um século, conforme a literatura científica, os registros meteorológicos e a memória coletiva da população, como secas, estiagens, cheias (enchentes e inundações), vendavais, deslizamentos de encostas e ondas de calor. Contudo, as mudanças climáticas se caracterizam pelo aumento da frequência e da intensidade desses eventos, cujos impactos dificultam o acesso aos bens comuns, principalmente a água. As consequências alcançam os grupos sociais e setores produtivos: desde o abastecimento urbano até a agricultura e a economia, da conservação da biodiversidade e plenitude dos ecossistemas até os impactos no cotidiano e na saúde da população.

As projeções sobre esses impactos, descritas nos relatórios do Painel Intergovernamental de Mudanças do Clima (IPCC), sobre o aquecimento da atmosfera terrestre, se confirmam, em especial o último, que acusou aumento de 1,6º C sobre os continentes. O desenvolvimento capitalista, desde o século 19, joga os lucros para o alto da pirâmide social e, as emissões de gases de efeito estufa (GEE), muito acima dos limites, aceleram a mudança global do clima. Entre as evidências, temos os últimos sete anos como os mais quentes já registrados, sendo que países, entre eles o Brasil, são classificados como mais vulneráveis, também em função das menores condições de adaptação, como a falta de políticas socioambientais que respondam à altura da necessidade e da realidade. Pelo contrário, pouco ou nada foi planejado para responder aos impactos. Vale reforçar que o sexto relatório lançado em 2021 é a versão mais atualizada de uma série de documentos produzidos pelo IPCC desde 1990, a partir da análise de mais de 14.000 artigos científicos e aprovado por cientistas de 195 países.

Há projeções do IPCC para cada região do país, relacionadas aos seis biomas brasileiros: Pampa, Mata Atlântica, Cerrado, Caatinga, Pantanal e Amazônia. Os rios voadores formados pela evapotranspiração das árvores na Amazônia, por exemplo, abasteciam 70% das chuvas no Sudeste e no Sul do Brasil, mas já é evidente a alteração do regime de chuvas nessas regiões devido ao desmatamento e às respectivas emissões de GEE na região Norte. Outras projeções extrapolam o território nacional, como os fenômenos El Niño, La Niña e o aumento da temperatura das águas do Oceano Pacífico. A intensificação do fenômeno La Niña é uma consequência da mudança do clima e responsável pela persistente estiagem no RS.

As mudanças climáticas ampliaram as dificuldades de acesso à água. Pois, a combinação de alterações do clima, como a falta de chuva, ou em quantidades menores do que as registradas no passado, aliada a altas temperaturas e ocasionando altas taxas de evaporação, é agravada pela degradação ambiental dos ecossistemas. Seja pela poluição dos rios gaúchos seja pelo desmatamento das matas ciliares e de outras Áreas de Preservação Permanente (APP), como nascentes e banhados que são aterrados ou drenados e, a falta de arborização urbana. Sem esquecer a perda de extensas áreas de Mata Atlântica e a conversão de áreas naturais do Pampa para o uso intensivo de água, através das monoculturas de soja, arroz ou arbóreas, em especial o eucalipto. De fato, os usos da água são: 70% para a agropecuária, 20% para a indústria e, somente 10% para as residências. No entanto, o foco das campanhas por economia de água continua sobre o uso doméstico.

No presente, essa combinação de fatores leva a uma crise socioambiental com potencial trágico e fatal porque aumenta a frequência e a mortalidade decorrentes das ondas de calor: só em São Borja houve o dobro de mortes de idosos em 2021 na comparação com 2020. O aquecimento global afeta também crianças, pessoas com comorbidades e todas as pessoas empobrecidas pelo sistema. Por isso, as mudanças climáticas devem ser associadas à questão de classe, pois é a classe trabalhadora que tem as menores condições de se adaptar. A começar pelo calor intenso no trabalho, em um contexto com milhões de desempregados, trabalhadores precarizados e sem direitos. O calor maltrata quem trabalha em ambiente fechado ou como ambulante na rua, no deslocamento pelo transporte público sem qualidade, ou nas moradias onde não há eletrodomésticos de primeira necessidade, como se tornaram os ventiladores e/ou ar condicionados. Tampouco teriam condições de pagar pelo aumento do consumo na conta de luz. No meio urbano, a característica falta de água na periferia, tem o racionamento mais severo em relação aos bairros centrais.

No meio rural, a perda de cultivos agrícolas, principalmente da agricultura familiar, encarece o alimento da população e recrudesce a insegurança alimentar. A Emater/Ascar RS identificou, nesta semana, 21 mil famílias com dificuldades de acesso à água, e efeitos da estiagem em nove mil localidades, 253 mil propriedades.

Os negacionistas não compreendem que todos são afetados pelas mudanças climáticas e assim não reconhecem a proporção diferenciada: mais de 30% dos minifúndios tem 80% de área afetada. Enquanto que, se observarmos apenas o percentual de imóveis rurais impactados, conforme a Agência Nacional das Águas (ANA), entre o minifúndio, a pequena propriedade e a média propriedade, todos ultrapassam 70%. O negacionismo e a simplificação dos dados embasam as políticas públicas dos governos Eduardo Leite (PSDB) e Jair Bolsonaro (PL), direcionadas ao grande capital no campo brasileiro, o agronegócio, com o apoio das bancadas ruralistas e da economia imediatista na Assembleia Legislativa e no Congresso Nacional.

Além de superar o negacionismo climático vigente, é necessário derrotar esses governos gerentes de um sistema insustentável, social e ambientalmente, e suas políticas que aprofundam o círculo vicioso de uma economia responsável pela emergência climática, em vez de revertê-la. E, também, não podemos achar que pode haver saídas dentro desse modelo, como a maioria das propostas apresentadas pelo establishment nas Conferências das Partes (COP), que transformam a natureza em mercadoria. O capitalismo tem em sua essência a exploração, a concentração de capital, o uso e o consumo ilimitados de bens pouco duráveis por uma minoria, faltando bens essenciais para a maioria.

Não é possível mitigar os efeitos das mudanças climáticas sem enfrentar a verdadeira causa: a incapacidade capitalista em aceitar viver dentro dos limites do próprio Planeta Terra. Portanto, sem a transição para outro modelo, com medidas anti-sistêmicas, a favor dos processos ecológicos essenciais e, para atender as necessidades da maioria da população (99%), e não dos 1%, a tendência é ultrapassar os 2º C, cujas projeções do IPCC são de um mundo ainda mais inóspito, do que nestes dois últimos anos pandêmicos, para a própria espécie humana.

Ademais, a Unafisco mostrou em 2020 que, no Brasil, 0,1% da população detinha 30% dos bens e direitos líquidos declarados no Imposto de Renda Pessoa Física, ou 0,67% dos declarantes (220.220 contribuintes). Por essa desigualdade social, pela fome, pela destruição ambiental e pelas mudanças climáticas, urge o desafio de concretizarmos ações que nos conduzam para superar o atual paradigma hegemônico capitalista ecocida.

*Eduardo Luís Ruppenthal é biólogo, professor da rede pública estadual, especialista em Meio Ambiente e Biodiversidade (UERGS), mestre em Desenvolvimento Rural (PGDR-UFRGS), militante do coletivo Alicerce e da Setorial Ecossocialista do PSOL/RS.

*Eliege Fante é jornalista, mestra e doutora em Comunicação e Informação pelo PPGCOM-UFRGS, integra o Grupo de Pesquisa Jornalismo Ambiental CNPq-UFRGS, é filiada ao Núcleo de Ecojornalistas do RS e representa a Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (Agapan) na CT LEAMB do COMAM.

*Paulo Brack é professor do Departamento de Botânica, do Instituto de Biociências da UFRGS, membro da coordenação do Instituto Gaúcho de Estudos Ambientais (Ingá).

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 28/01/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top